A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
REPARO TECIDUAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

Patologia 
 
 
 REPARO TECIDUAL 
 Priscila Maria Rodrigues Araújo/ 3° Período 
O reparo tecidual é o processo de reposição 
de tecidos lesados ou necróticos após a 
destruição dos agentes causadores, podendo 
ser de 2 tipos: regeneração e cicatrização. 
Na regeneração as células mortas são 
substituídas por células do mesmo tecido 
lesado, conferindo manutenção da função. Na 
cicatrização ocorre a substituição por tecido 
conjuntivo. 
 
 Regeneração 
A regeneração depende bastante da extensão 
da lesão, ou seja, em uma lesão muito 
profunda e extensa não ocorre regeneração e 
sim uma cicatrização. Assim, a regeneração 
está associada a capacidade proliferativa, a 
qual se divide nos tecidos como: 
 Tecidos lábeis: em divisão contínua. 
(Células hematopoiéticas e células 
epiteliais da maioria das superfícies do 
organismo). 
 Tecidos estáveis: células não se 
proliferam muito. (Apenas com 
estímulo) 
 Tecidos permanentes: não se dividem. 
(Tecido cardíaco, esquelético e 
nervoso) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fatores que influenciam no tipo de reparo 
 Capacidade de regeneração 
 Extensão da lesão (se foi ou não 
atingida a matriz extracelular) 
A matriz extracelular regula o crescimento, a 
proliferação e a diferenciação das células, 
podendo se ligar e exibir fatores de 
crescimento, além de dar suporte mecânico, 
sua composição consiste em: colágeno, 
elastina, glicoproteínas adesivas (laminina, 
integrina) proteoglicanos e ácido hialurônico. 
Exemplificando, a regeneração do fígado 
requer uma matriz intacta, caso essa seja 
lesada o reparo será feito pela cicatrização. 
 Cicatrização 
Quanto a cicatrização, essa é dividida em 3 
etapas, são elas: 
 Fase inflamatória: contém hemostasia 
e vasodilatação para promover a 
quimiotaxia, recrutamento de 
neutrófilos. 
- agregação de plaquetas e formação de 
coágulos, instalando uma reação 
inflamatória aguda, com recrutamento de 
neutrófilos e macrófagos (M1- remove os 
restos necróticos e M2- estimula a 
proliferação, angiogênese e deposição de 
colágeno) 
 Fase proliferativa: angiogênese e 
formação de tecido de granulação e 
depósito de colágeno. 
- proliferação de fibroblastos (produção de 
colágeno) e de células endoteliais 
(angiogênese), seguido de formação de 
tecido de granulação, esse tem aspecto 
rosa granular e macio 
(macroscopicamente). 
 
 Fase de maturação: deposito de 
colágeno de maneira mais organizada, 
remodelação do tecido cicatricial. 
A cicatrização é dividida em tipos, são eles: 
 Primeira intenção: comum em cirurgia 
e ferimentos superficiais, provocando 
pouca perda de tecido, nesse caso 
pode ser realizado suturas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Segunda intenção: ocorre em feridas 
onde houve muita perda de tecido e 
suas margens não podem ser unidas 
por suturas. Nessa a reação 
inflamatória é mais intensa, com 
formação de abundante tecido de 
granulação, acumulação de MEC e 
formação de uma grande cicatriz, 
seguida por contração da ferida 
mediada pela ação