A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
INTRODUÇÃO À NEFROLOGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

introdução à nefrologia 
o rim
- A urina formada no rim consiste num conjunto de substâncias presentes no nosso sangue que foram selecionadas para serem eliminadas. Isso pode ocorrer de forma mais seletiva ou menos seletiva a depender dos mecanismos de controle acionados.
- A formação da urina depende de alguns processos básicos:
	> filtração: ocorre no glomérulo.
	> reabsorção: ocorre ao longo dos túbulos renais.
	> secreção: ocorre ao longo dos túbulos renais, simultaneamente a reabsorção.
	> excreção: ocorre através do ducto coletor.
- Esses processos são realizados na unidade funcional do rim: o néfron. 
filtração glomerular
- Primeiro passo para a formação da urina.
- À medida que o sangue flui através do glomérulo, o plasma sem proteína é filtrado através dos capilares glomerulares para dentro da cápsula de Bowman.
- Cerca de 20% do plasma que entra no glomérulo é filtrado.
reabsorção tubular
- Consiste no movimento seletivo de substâncias de dentro do túbulo (lúmen tubular) para o sangue.
- À medida que o filtrado flui através dos túbulos, substâncias valiosas para o organismo retornam ao plasma pelos capilares peritubulares, de onde são transportadas para o sistema venoso e, depois, para o coração, de onde são recirculadas.
- Dos 180 litros de plasma que são filtrados por dia, em média 178,5 litros são reabsorvidos, o 1,5 litro restante permanece nos túbulos e segue para a pélvis renal para ser eliminado na urina.
secreção tubular
- Consiste na transferência seletiva de substâncias do sangue capilar peritubular para dentro do lúmen tubular.
- Funciona como uma segunda chance para substâncias vindas do sangue entrarem nos túbulos renais. 
- Apenas 20% do plasma que flui através dos capilares glomerulares é filtrado para dentro da cápsula de Bowman, os outros 80% restantes fluem através da arteríola eferente para dentro dos capilares tubulares.
excreção da urina
- Resultado dos 3 primeiros processos.
- Consiste na excreção de todos os componentes do plasma que foram filtrados ou secretados, mas não reabsorvidos.
- Excreção = Filtração – Reabsorção + Secreção
algumas sintomatologias relacionadas com o mal funcionamento renal
· Oligúria
- Diminuição na excreção, muito provavelmente, se dá pela diminuição do processo de filtração, que é um dos grandes contribuintes do volume urinário.
· Edema
- Ocorre, pois, a filtração está comprometida e a o volume urinário está diminuído, logo, o sangue está permanecendo mais nos vasos, e não está sendo eliminado no volume de costume, logo, vai haver um aumento da pressão hidrostática e do volume vascular, o que ocasiona um extravasamento do sangue de dentro do vaso para o espaço intersticial, formando o edema.
· Aumento da pressão arterial
- O acúmulo de sangue nos vasos provoca o aumento do volume intravascular, ocasionando o aumento da pressão.
· Risco aumentado de intoxicação
- Muitas drogas e medicamentos ingeridos dependem da metabolização e excreção renal, ou eles são filtrados, ou, principalmente, são secretados para serem eliminados do organismo pela urina, seja o composto ativo ou seus metabólitos.
- Logo, a secreção diminuída faz com que o risco de intoxicação aumente.
função endócrina dos rins
- As substâncias produzidas pelos rins que vão ter ação endócrina são:
	> Eritropoietina
- 90% da sua produção ocorre no rim.
- É responsável por estimular a produção de eritrócitos atuando em vários pontos da cascata.
- Na ausência dela, a medula óssea é incapaz de responder à queda da concentração de 02 no sangue. 
- Começa a ser produzida algumas horas após o estímulo hipóxico (diminuição da oxigenação tecidual) e atinge o pico dentro de 24h.
- Em caso de comprometimento renal, vai haver uma redução da produção de hemácias, que vão ser normocíticas e normocoradas.
> Vitamina D
- A vitamina D em sua forma ativa, tem papel fundamental na homeostase do cálcio e do fosfato.
- A vitamina D possui duas formas circulantes principais: a vitamina D2 e a vitamina D3, ambas sem atividade biológica.
- A vitamina D3 é o principal metabólito circulante, sendo sintetizado principalmente na pele pela ação dos raios ultravioletas.
- São necessárias duas reações de hidroxilação para obtermos a forma biologicamente ativa da vitamina D: a primeira ocorre no fígado e a segunda no rim. 
- A vitamina D age sobre o metabolismo do cálcio, estimulando sua absorção intestinal.
- Se a função renal estiver comprometida, então a forma ativa da vitamina D não vai estar sendo produzida e a absorção intestinal de cálcio vai estar comprometida, resultando em níveis de cálcio diminuídos no sangue. 
- A diminuição do cálcio plasmático vai ocasionar a liberação de paratormônio pelas glândulas paratireoides, que vai agir no osso, causando uma remodelação óssea para que haja a liberação de cálcio e fosfato no sangue, o que pode causar uma diminuição da calcificação óssea.
- Outro efeito do paratormônio é estimular o rim a reabsorver o cálcio nos túbulos renais e excretar o fosfato, no entanto, quando a função renal está comprometida, essa reabsorção não vai ocorrer, contribuindo ainda mais para a diminuição dos níveis séricos de cálcio. Além disso, a excreção do fosfato não vai ocorrer, havendo um acúmulo desse íon no sangue.
> Renina:
- É armazenada em sua forma inativa (pró-renina) nas células justaglomerulares do rim, que são células musculares lisas modificadas presentes nas arteríolas aferentes renais.
- Sua produção é regulada por:
1. Pressão arterial
2. Concentração de sódio
3. Estímulo simpático
- Consiste numa substância que faz parte de um sistema de extrema importância na regulação da pressão arterial – o SRAA – Sistema Renina Angiotensina Aldosterona.
- Esse sistema tem como objetivo principal manter a pressão arterial.
regulação do ph sanguíneo
- O rim é fundamental no controle das concentrações de ácido (H+) e de seu principal tampão plasmático: HCO3- (bicarbonato). Ele exercita esse controle filtrando, secretando e/ou reabsorvendo essas substâncias de acordo com o pH plasmático.
- Quando a concentração de (H+) no plasma aumenta mais que o normal durante a acidose, entre as compensações renais estão as seguintes:
1. Maior secreção e, subsequentemente, maior excreção de H+ na urina, eliminando-se, assim, o excesso de H+ do plasma.
2. Reabsorção de todo o HCO3 ao plasma, resultando em maior HCO3 filtrado, e maior concentração no plasma.
- Quando a concentração de (H+) no plasma fica abaixo do normal durante a alcalose, as repostas renais incluem:
1. Menor secreção e, subsequentemente, menor excreção de H+ na urina, preservando-se o H+ e aumentando sua concentração no plasma.
2. Reabsorção incompleta do HCO3, causando maior excreção de HCO3 filtrado, e menor concentração de HCO3 no plasma.
- Para compensar a acidose, os rins acidificam a urina (ao se livrarem do H+ adicional) e alcalinizam o plasma (ao preservarem HCO3). Ao contrário, na alcalose, os rins tornam a urina alcalina (ao eliminarem o excesso de HCO3) enquanto acidificam o plasma (ao preservarem H+).
- O pH normal do sangue está entre 7,35 e 7,45. 
questões para treinar o que você acabou de aprender:
	1. Quais os processos que participam da formação da urina?
2. Descreva cada um dos processos que participam da formação da urina.
3. Se a função renal estiver comprometida, que sintomas o paciente poderá apresentar?
4. De que forma o rim exerce função endócrina?
5. Se a função renal estiver comprometida, de que forma o metabolismo do cálcio será afetado?
6. Através de qual mecanismo os rins exercem influência sobre a pressão arterial.
7. Explique de que forma o rim regula o pH plasmático.