Buscar

Anomalias dentárias e aspectos radiograficos

Prévia do material em texto

São distúrbios no desenvolvimento 
ou crescimento das estruturas 
dentárias, tendo como resultado 
final, um dente diferente do normal. 
Suas alterações podem se 
subdividir: 
1. POR FATORES AMBIENTAIS 
 Desenvolvimento das estruturas 
dentais; 
 Perda da estrutura dentária; 
 Distúrbios localizados da 
erupção. 
 
2. ALTERAÇÕES DENTÁRIAS DE 
DESENVOLVIMENTO, QUANTO: 
 Número de dentes; 
 Dimensão dos dentes; 
 Forma dos dentes; 
 Estrutura dos dentes. 
 
ALTERAÇÕES POR 
FATORES AMBIENTAIS 
 
Desenvolvimento das estruturas 
dentais 
 
- OPACIDADES DEMARCADAS 
Translucidez de grau variável no 
esmalte, com limites nítidos e 
coloração esbranquiçada, amarela, 
castanha. Com integridade 
estrutural reservada. 
 
Opacidade demarcada em 11 
 
- OPACIDADES DIFUSAS 
Defeito que envolve uma alteração 
de grau variável na translucidez do 
esmalte. Nesta lesão não é possível 
identificar com clareza os limites 
entre o esmalte normal e o esmalte 
defeituoso. Apresenta coloração 
branca e integridade estrutural 
reservada. 
 
opacidade demarcada em 11 e opacidades difusas 
em 21 e 12; 
 
- HIPOPLASIA 
A hipoplasia é um defeito que 
envolve a superfície do esmalte e 
está associada com uma redução de 
 
 
sua espessura. Acontece em dentes 
específicos, devido ao processo de 
formação e manifesta-se 
clinicamente pela presença de 
sulcos, ranhuras ou ainda pela perda 
de esmalte em áreas mais extensas 
da superfície do dente. O esmalte 
geralmente tem um aspecto 
translúcido ou opaco, com coloração 
Branco, marrom, amarelo. Apresenta 
perda parcial de integridade 
estrutural. 
 
Hipoplasias com perdas de esmalte em espessura 
 
 HIPOPLASIA DE TURNER 
Ocorre em dentes permanentes, 
secundária a doenças inflamatórias 
periapicais dos dentes decíduos 
 
sobrejacentes ou injúrias 
traumáticas. 
Os defeitos do esmalte podem variar 
desde áreas focais de pigmentação 
branca, amarela ou castanha, à 
extensa hipoplasia. 
Mais frequente nos pré molares 
superiores e inferiores, pela 
relação com os molares decíduos 
sobrejacentes. 
 
Aspecto clínico do dente 45 com hipoplasia de 
Turner. 
 
 
 
 
 
 
Aspectos radiográficos 
 
 
Perda da estrutura 
dentária 
- CÁRIES 
 
 
 
 
 
 
 
- FRATURAS TRAUMÁTICAS 
 
- ATRIÇÃO 
Contato funcional ou parafuncional. 
Ocorre na superfície do esmalte. 
 
 
- ABRASÃO 
Agente mecânico. Ocorre na 
superfície do esmalte. 
 
 
 
 
 
- EROSÃO 
Agente químico. Ocorre na 
superfície do esmalte. 
 
- ABFRAÇÃO 
Forças biomecânicas que ocorrem 
pela flexão e fadiga do esmalte em 
 
 
 
 
um ponto distante do ponto de 
aplicação das forças. Ocorre na 
superfície do esmalte e dentina. 
. 
- REABSORÇÃO EXTERNA 
Realizada pelas células localizadas 
no ligamento periodontal. 
Radiograficamente apresentasse como 
uma perda de estrutura dentária 
“comida por traça”/ “raíz roída”, 
na qual a radiotransparência é bem 
menos definida e mostra variações 
na densidade 
 
 
 
 
 
- REABSORÇÃO INTERNA 
Realizada pelas células localizadas 
na polpa dental. 
Ocorrência relativamente rara, que 
pode seguir de injúria dos tecidos 
pulpares, como o trauma físico ou 
pulpite relacionada às cáries. 
 
Polpa coronária- pigmentação rósea- dente róseo 
de Mummery 
 
 
 
Radiograficamente, geralmente se 
apresenta como uma imagem 
radiotransparente simétrica, bem 
circunscrita e uniforme da câmara 
pulpar ou no canal. Na raíz, o 
contorno original do canal é 
perdido, havendo uma dilatação 
radiográfica do canal “semelhante a 
um balão”. 
 
 
 
 
 
Distúrbios localizados da 
 erupção 
- ERUPÇÃO 
A erupção é o processo contínuo de 
movimento de um dente do seu local 
de desenvolvimento para a sua 
localiação funcional. 
 
 
 
- ANQUILOSE 
Dente fusionado ao osso alveolar. 
 
 
Radiograficamente a ausência do 
espaço do ligamento periodontal 
pode ser observada. 
 
- IMPACTAÇÃO PRIMÁRIA 
Dentes que param de erupciona, antes 
de emergir, estão impactados. Isto 
é, estão obstruídos por barreiras 
físicas (odontomas, osteomas, etc.) 
 
Você sabia? 
Existe uma diferença entre dentes 
impactados (apresentam barreira 
física) e dentes inclusos (exibem 
falta de força eruptiva). 
 
 ALTERAÇÕES DENTÁRIAS 
 DE DESENVOLVIMENTO 
 Quanto ao número de dentes 
- ANODONTIA 
Refere-se à total não origem de 
desenvolvimento dentário. 
 
-HIPODONTIA 
Não origem de até 5 elementos 
dentários. Incomum na dentição 
decídua. Está intimamente associada 
à microdontia. Na dentição 
permanente os terceiros molares são 
os mais afetados, seguidos dos 
segundos pré-molares e incisivos 
 
laterais. Outrossim é mais comum no 
sexo feminino. 
 
 
 
- OLIGODONTIA 
Não origem 6 ou mais dentes na 
arcada dentária. 
 
 
 
 
 
 
- HIPERDONTIA 
Desenvolvimento de um número maior 
de dentes (dentes supranumerários). 
Ocorre frequentemente na dentição 
permanente, na maxila, região 
anterior. 
Outrossim, 75% dos dentes 
supranumerários anteriores da 
maxila não irrompem, uma vez que 
falta espaço. Associada à 
macrodontia. Predominância 
masculina. 
Vários termos têm sido usados para 
descrever os dentes 
supranumerários, dependendo de sua 
localização: 
 
 MESIODENTE 
Dentes supranumerários na região de 
incisivos superiores. 
 
 DISTOMOLAR OU DISTODENTE 
Quarto molar acessório. 
 
 
 
 
 DENTES NATAIS E NEONATAIS 
Dentes acessórios presentes no 
momento do nascimento ou logo após. 
 
 PARAMOLAR 
Dente posterior supranumerário 
situado na lingual ou 
vestibularmente a um molar. 
 
 
 
 
 
Você sabia? 
A Displasia ectodérmica 
hipohidrótica é um grupo de 
condições hereditárias que afeta 
várias estruturas provenientes do 
ectoderma , principalmente os 
dentes e cabelos, como também as 
unhas, pele, glândulas sudoríparas 
e sebáceas. Comumente apresenta 
oligodontia ou hipodontia. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
- MICRODONTIA 
Dentes fisicamente menores que o 
comum. O incisivo lateral superior 
é o mais afetado (lateral conoide). 
Afeta também os terceiros molares. 
 
 
 
 
 
 
- MACRODONTIA 
Dentes fisicamente maiores que o 
comum. 
 
 
 
 
 
Quanto a forma 
dos dentes 
- GEMINAÇÃO 
Conhecida por coroa bífida ou coroa 
dupla. tentativa de formação de dois 
dentes a partir de um único germe 
dentário, isto é, quando não 
acontece a separação de um germe 
dental por completo, ocasionando 
bifurcação da coroa de um dente. UM 
ELEMENTO DENTÁRIO, um germe , um 
conduto radicular, uma raiz. Não 
afeta a contagem dentária. 
 
 
 
 
 
- FUSÃO 
Dois germes dentários unidos pela 
dentina. Falha na divisão do germe 
dentário, resultando na união de 
dois elementos dentários. DOIS 
ELEMENTOS DENTÁRIOS, dois condutos, 
duas raízes, entretanto estão 
unidos pela coroa. 
 
- CONCRESCÊNCIA 
União dentária através do tecido 
cemento, isto é, a união de dois 
dentes pela raiz. 
 
 
- CÚSPIDES ACESSÓRIAS 
 CÚSPIDE EM GARRA 
 
 
TUBÉRCULO/CÚSPIDE DE CARABELLI 
 
 DENTE EVAGINADO 
 
 
- DENTE INVAGINADO 
Profunda invaginação da superfície 
da coroa ou da raiz que é limitada 
pelo esmalte. Radiograficamente 
mostram uma invaginação dilatada 
limitada pelo esmalte, com a 
abertura da invaginação situada ao 
longo do aspecto lateral da raíz. 
 
 
Os dentes mais afetados, em ordem 
decrescente: incisivos laterais, 
incisivos centrais, pré-molares, 
caninos e molares. 
 
- ESMALTE ECTÓPCIO 
Presença de esmaltes em 
localizações incomuns. 
Nas raízes é mais conhecido como 
pérola de esmalte. 
 
 
 
- TAURODONTIA 
Aumento do corpo e da câmara pulpar 
de um dente multirradicular com 
deslocamento apical do assoalho 
pulpar e bifurcação das raízes. O 
diagnóstico é feito subjetivamente 
a partir daimagem radiográfica. 
Ademais, pode ocorrer isolada ou 
 
como componente de uma síndrome 
específica. 
 
 
 
 
 
 
 
-HIPERCEMENTOSE 
Deposição excessiva de cemento não 
neoplásico que é contínuo no cemento 
radicular normal. Radiograficamente 
os dentes afetados demonstram 
espessamento ou uma raiz rômbica. 
O diagnóstico é feito pela imagem 
radiográfica. Outrossim, os pré-
molares são os mais envolvidos. 
 
 
 
- DILACERAÇÃO 
Angulação ou curvatura anormal da 
raíz ou, menos frequentemente, na 
coroa do dente. 
A maioria dos casos surge após uma 
injúria. Outrossim, os dentes mais 
envolvidos são: os incisivos 
superiores permanentes. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
- RAÍZES ACESSÓRIAS 
Refere-se ao aumento do número de 
raízes nos dentes. Os dentes mais 
afetados são: molares permanentes, 
caninos inferiores e pré-molares. 
Radiograficamente em algumas 
ocasiões a raíz supranumerária é 
divergente e vista facilmente em 
radiografias; e em outras é 
pequena, sobreposta a outras raízes 
e de difícil identificação. 
 
 
 
 
 
Quanto à estrutura 
dos dentes 
 Amelogênese imperfeita 
 Dentinogênese imperfeita 
 Osteogênese imperfeita 
 Displasia dentinária 
 Odontodisplasia regional 
 
- AMELOGÊNESE IMPERFEITA 
Compreende um grupo complexo de 
condições que demonstram alterações 
de desenvolvimento na estrutura do 
esmalte. Não apresenta nenhuma 
alteração sistêmica, isto é, não 
está associada a nenhum tipo de 
síndrome. 
É hereditária e afeta toda a 
dentição, em graus variáveis. 
 
Paciente apresenta sensibilidade, 
rugosidade, fissuras, fossetas no 
esmalte, pouca espessura ou não tem 
esmalte, e é mais suscetível a ter 
cárie. Alterações presentes desde 
criança. 
 
- DENTINOGESE IMPERFEITA 
Ambas as dentições são afetadas. 
Costuma apresentar obliteração dos 
canais radiculares, isto é, não 
apresenta canais. 
Apresenta comumente estreitamento 
cervical. 
Impressão de que a coroa é maior. 
Tipo I: associada a osteogênese 
imperfeita com dentes opalescentes. 
 
Tipo II: Somente dentinogênese 
imperfeita. 
Radiograficamente apresenta: 
Coroas bulbosas; constrição 
cervical; raízes delgadas; 
obliteração precoce dos canais 
radiculares e câmaras pulpares; 
alguns dentes podem apresentar 
polpas com tamanho normal ou aumento 
da câmara pulpar (dentes em concha). 
As dentições apresentam uma 
coloração marrom-azulada. 
Outrossim, o esmalte é 
frequentemente separado com 
facilidade da dentina defeituosa 
subjacente. 
 
 
- OSTEOGÊNESE IMPERFEITA 
Grupo de doenças hereditárias , que 
consiste em alterações na maturação 
do colágeno. “ ossos de vidro” 
Apresenta fragilidade óssea, 
esclera azul, dentes alterados 
(dentinogênese imperfeita), 
hipoacusia (perda de audição), 
deformidades da coluna e de ossos 
longos. 
Achados bucais: 
Ambas as dentições são envolvidas. 
Radiograficamente apresentam 
obliteração prematura da polpa, 
embora possam ser vistos dentes em 
conchas. 
 
 
- DISPLASIA DENTINÁRIA 
Condição genética em que a síntese 
anormal de dentina oblitera a câmara 
pulpar e os canais dos dentes 
decíduos e permanentes. 
Tipo I: Dentes com raízes muito 
pequenas ou até mesmo sem. Não 
possuem canais radiculares e na 
maioria das vezes nem raízes. Possui 
erupção retardada. 
Ademais, o esmalte e a dentina 
coronária são clinicamente normais 
e bem formados. 
 
 
 
 
Radiograficamente: Dentes decíduos 
afetados com maior intensidade; 
raízes pequenas ou ausentes. Dentes 
permanentes- variam em função da 
proporção entre a dentina 
organizada versus dentina 
desorganizada. 
 
Outrossim, apresenta pequenas 
câmaras pulpares em forma de quarto 
crescente. 
 
 
 
Tipo II: 
Possui raízes do tamanho normal, 
entretanto as alterações ocorrem na 
dentina coronária. 
Apresenta raíz fina , coroa bulbosa 
e a câmara pulpar na radiografia tem 
formato de “chamas”. 
 
Aparentam numerosas características 
da dentinogênese imperfeita, no 
entanto clinicamente os dentes 
permanentes exibem coloração normal 
d mostram um aumento significativo 
e extensão apical. 
 
 
 
- ODONTODISPLASIA REGIONAL 
“ Dentes fantasmas”. 
Não hereditária, com extensos 
efeitos adversos sobre a formação 
do esmalte, da dentina e da polpa. 
Ocorrem em ambas as dentições. 
Podem ser idiopáticas ou 
relacionadas a várias síndromes 
(Ex: displasia ectodérmica). 
Radiograficamente: apresentam 
esmalte extremamente fino e dentina 
ao redor de uma polpa alargada e 
radiotransparente, resultando em 
uma imagem pálida e delicada: dente 
fantasma.

Mais conteúdos dessa disciplina