A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
23 02 21 - Sociologia das Juventudes

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ
CENTRO DE ESTUDOS APLICADOS – CESA
CURSO DE SERVIÇO SOCIAL- SEMESTRE 2020.2
DISCIPLINA: SOCIOLOGIA DAS JUVENTUDES
PROFESSORA: TERESA CRISTINA ESMERALDO BEZERRA
ALUNAS: ÂNGELA RAFAELA RODRIGUES LIMA; AMANDA VITÓRIA DOS REIS MORAES E FERNANDA ISA ALVES SILVA.
ARCE, José Manuel Valenzuela. Juvenicídio e identidades desacreditadas. In: Feffermann, Marisa, et all (orgs). Interfaces do genocídio no Brasil: raça, gênero e classe. 
Neste referido texto, o sociólogo José Manuel traz para debate o conceito de juvenicídio, para tanto, traz á tona o trabalho “Sed de mal, feminicidio, jóvenes y exclusión social”, o qual se deu em solo norte americano, uma vez que estava ocorrendo no país, um aumento expressivo de mortes entre a população jovem, gerando uma preocupação latente com essas taxas de homicídio cada vez mais altas. Por juvenicidio, entende-se como sendo a morte precoce dessa população jovem, estando relacionada com diversos níveis de responsabilidade da sociedade. Para que se possa intervir nessa realidade, e possibilitar uma vida menos desigual para esses jovens, é necessário um compromisso ético, acadêmico e político. 
O Brasil é um país onde a violência é um fenômeno que faz parte da estrutura da sociedade, desde a superpopulação das grandes sociedades, levando grande parte da população jovem, negra e pobre, para as periferias das cidades, possuindo o mínimo para a sua sobrevivência. Vários são os cenários onde podemos identificar expressões da desigualdade que os jovem são acometidos, na esfera econômica, onde a população pobre fica cada vez mais pobre, enquanto a pequena parcela de ricos da sociedade concentram cada vez mais as suas riquezas, na esfera social, onde há uma precarização nos principais eixos de ascensão social, levando a população jovem a se submeter a atividades ilegais, uma vez que a educação não pode ser usada como ferramenta de ascensão social, pois independente de quantas qualificações o jovem possuir, não lhe é garantido uma boa oportunidade de emprego, ou se esta será vitalícia.
A vida desses jovens é repleta de privações, sendo-lhes negada uma educação de qualidade, o acesso á cultura, oportunidades de trabalho, dentre outras expressões da desigualdade vivenciada por essa população. Ser negro, indígena, ou imigrantes vindos de países de matrizes africanas aumenta a possibilidade de morte diminui as chances de se conseguir uma vaga de emprego, dentre outras expressões de desigualdades que não seriam vivenciadas por um jovem, de classe média/alta e branco. Mas essas desigualdades são mais expressivas, quando posto em questão á população jovem negra, as mulheres, principalmente, pelo fato de serem mulheres, possuírem um corpo feminino, têm seus direitos violados, o que nos leva ao feminicidio, ou seja, a morte em massa de mulheres, simplesmente por serem mulheres, havendo uma negação da figura feminina na sociedade, algo que é inadmissível.