A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
LAJES MACIÇAS

Pré-visualização | Página 1 de 2

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE 
 
 
 
 
CAROLINE MARQUES 
DEIVISSON SANTOS CASTRO 
LUIZ EDUARDO ZORZO 
 
 
 
 
LAJES MACIÇAS 
 
 
 
 
 
 
 
 
VITÓRIA DA CONQUISTA-BA 
2021 
Sumário 
1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 3 
2 DESENVOLVIMENTO......................................................................................................3 
 2.1 TIPOS/MODELOS..................................................................................................3 
3 ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO.....................................................................................3 
4 CLASSIFICAÇÃO QUANTO AOS VÃOS......................................................................4 
5 MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA...........................................................................4 
5.1CUIDADOS GERAIS NA EXECUÇÃO............................................................5 
6 PROPRIEDADES..............................................................................................................5 
6.1 MATERIAIS UTILIZADOS..............................................................................7 
6.2 VANTAGENS....................................................................................................7 
6.2.1 DESVANTAGENS.........................................................................................7 
7 PRINCIPAIS NORMAS...................................................................................................8 
8 CONCLUSÃO...................................................................................................................8 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
Esse trabalho tem como objetivo falar sobre as Lajes maciças de concreto armado, que 
consiste em um projeto construtivo dessas lajes moldadas, esse tipo de laje surgiu junto 
com os primeiros registros de construções em concreto armado no mundo e muito 
utilizado como principal sistema construtivo de laje por todo o tempo, com todo o 
avanço tecnológico, apareceram diversos outros sistemas diferentes para concepção de 
lajes. Ainda assim, atualmente as lajes maciças são empregadas em grande maioria de 
concreto tanto no Brasil, quanto em todo mundo. Com tudo, então chama-se laje maciça 
a laje de concreto armado com espessura constante, moldada in loco a partir do 
lançamento do concreto fresco sobre um sistema de formas planas. 
 
DESENVOLVIMENTO 
 
Esse trabalho de diplomação foi julgado e adequado como pré-requisito com a finalidade 
de sistematização e automatização, através de uma rotina computacional que chamamos 
de laje maciça a laje de concreto armado com espessura constante, moldada in loco a 
partir do lançamento do concreto fresco sobre um sistema de formas planas. 
TIPOS/MODELOS 
Os tipos de lajes maciças se referem mais ao tipo de vínculo da laje com as vigas, que 
podem ser: 
• Apoiadas em todas as direções; 
• Apoiada em duas direções. 
ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO 
As lajes maciças são dimensionadas para resistir aos esforços solicitantes de projeto. 
Basicamente o projeto e dimensionamento devem seguir as especificações da ABNT 
NBR 6118:2014 – Projeto de estruturas de concreto — Procedimento – que estabelece 
os requisitos básicos exigíveis para estruturas de concreto armado. 
CLASSIFICÇÃO QUANTO AOS VÃOS 
No projeto de lajes maciças, devem ser determinados dois tipos de vãos: 
Vão livre (l0): consiste na distância entre as faces dos apoios. Em casos de balanço, 
consiste na distância da extremidade livre até a face do apoio (os vãos livres para 
viabilidade da utilização das lajes maciças variam entre 3,5 e 5 metros); 
Vão teórico (l): também chamado de vão equivalente, consiste na distância entre os 
eixos dos apoios; 
 
A partir disso os vãos teóricos são considerados como sendo lx o menor vão e ly, o 
maior, e estabelecem uma relação (λ = ly/lx) que classificam as lajes em armada em duas 
direções (λ ≤ 2) e armada em uma direção (λ > 2). 
 
MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA 
Quanto ao processo executivo, as lajes maciças são executadas em basicamente 5 etapas: 
1ª Etapa: Alocação das formas e escoramento – as formas podem ser constituídas de 
madeiras, tábuas, chapas compensadas ou chapas de aço e vão servir como base até que 
o concreto atinja a resistência especificada. As escoras das formas também podem ser 
constituídas de madeira ou metal. 
2ª Etapa: Colocação das ferragens – nessa fase são posicionadas as armaduras 
determinadas na fase de projeto, ou seja, armaduras principais, secundárias e 
espaçadores. Nessa fase também são adicionados os componentes elétricos da 
edificação. 
3ª Etapa: Concretagem – Após a certificação de que as armaduras foram todas 
posicionadas, as formas devem ser limpadas e molhadas e só assim deve ocorrer o 
lançamento do concreto, realizando sempre os processos de nivelamento e adensamento. 
4ª Etapa: Cuidados da cura – Esse é um passo importante e que muitas vezes é 
esquecido nas obras. Em suma, deve-se realizar a proteção e hidratação do concreto 
durante o processo de cura sempre que necessário. 
5ª Etapa: Desforma – Posteriormente, as formas devem ser retiradas apenas quando o 
concreto atingir a resistência mecânica de projeto, normalmente isso ocorre aos 28 dias. 
 
CUIDADOS GERAIS NA EXECUÇÃO 
 Durante a execução do assoalho e das escoras, garantir que ambos estão bem nivelados; 
 Correta locação dos eletrodutos e caixas de passagem, evitando problemas na passagem 
das instalações e eventuais necessidades de quebra da laje para corrigi-lo; 
 Concretagem deve ser feita de uma vez só em toda a extensão da laje; 
 Seguir a ordem de retirada das escoras e da forma. 
PROPRIEDADES 
O custo de uma laje maciça está diretamente relacionado com a espessura da laje. Como 
as outras duas dimensões são de ordem de grandeza muito maior, qualquer alteração da 
espessura implica numa variação considerável do volume de concreto da laje e, 
consequentemente, do seu peso próprio; com isso, lajes esbeltas, com pequena 
espessura, se tornam mais econômicas. Mas por outro lado as lajes esbeltas vibram 
bastante quando solicitadas por cargas dinâmicas, proporcionam pouco isolamento 
acústico e podem sofrer deformações acentuadas, causando desconforto para os 
usuários; 
As dimensões mínimas para as lajes conforme a NBR 6118:2014 são: 
• 7 cm para cobertura não em balanço; 
• 8 cm para lajes de piso não em balanço; 
• 10 cm para lajes em balanço; 
• 10 cm para lajes que suportem veículos de peso total menor ou igual a 30 kN; 
• 12 cm para lajes que suportem veículos de peso total maior que 30 kN; 
• 15 cm para lajes com protensão apoiadas em vigas, com o mínimo de L/42 para lajes de 
piso bi-apoiadas e L/50 para lajes de piso contínuas; 
• 16 cm para lajes lisas e 14 cm para lajes-cogumelo, fora do capitel. 
Além disso, a norma determina que para o dimensionamento de lajes em balanço, os 
esforços solicitantes de cálculo a serem considerados devem ser multiplicados por um 
coeficiente adicional, conforme a tabela: 
 
 
A espessura econômica para lajes está associada ao tamanho dos vãos. Os vãos 
econômicos para lajes maciças de concreto armado ficam em torno de 4,0 m, resultando 
áreas de 15 a 20 m²; 
As ações usualmente atuantes nas lajes são as seguintes: 
• Peso próprio; 
• Peso do revestimento; 
• Impermeabilização/isolamento; 
• Sobrecargas de utilização (NBR 6120); 
• Coberturas. 
Normalmente as lajes maciças são apoiadas ao longo de todo o seu contorno, mas 
existem também as lajes onde algumas das bordas não têm apoio, chamadas de “bordas 
livres”; 
As lajes maciças são utilizadas nos mais variados tipos de construção, como edifícios de 
múltiplos pavimentos, muros de arrimo, reservatórios, escadas, construções de grande 
porte, como escolas, indústrias, hospitais e pontes de grandes vãos. Normalmente