A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Hemocitopoese (Cap. 13 - Junqueira e Carneiro 13ª ed.)

Pré-visualização | Página 1 de 3

Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
Hemocitopoese (Histologia) 
- É o processo contínuo e regulado de produção de células 
do sangue, que envolve renovação, proliferação, 
diferenciação e maturação celular; 
- As células do sangue têm vida curta e são 
constantemente renovadas pela proliferação mitótica de 
células localizadas nos órgãos hemocitopoéticos; 
- As primeiras células sanguíneas do embrião surgem em 
torno do 19º dia de gestação, no mesoderma do saco 
vitelino; 
- Essa fase transiente da hemocitopoese, denominada 
fase mesoblástica, é caracterizada pelo desenvolvimento 
de eritroblastos primitivos, principalmente e, em geral, 
ocorre no interior de vasos sanguíneos em 
desenvolvimento, prosseguindo até a 6ª semana de vida 
intrauterina (VIU); 
- Entre a 4ª e a 6ª semana de VIU inicia-se a 
hemocitopoese definitiva, com a migração, para o fígado 
fetal, de células originadas dos vasos em desenvolvimento; 
- Assim, o fígado funciona temporariamente como órgão 
hemocitopoético; 
- Essa fase, denominada hepática, é caracterizada pelo 
desenvolvimento de eritroblastos, granulócitos e 
monócitos; além disso, as primeiras células linfoides e os 
megacariócitos aparecem; 
- A hemocitopoese hepática, extravascular, é muito 
importante durante a vida fetal, com um pico em torno 
de 3 a 4 meses de gestação, declinando até o 
nascimento; 
- Em contrapartida, no 2º mês de VIU, a clavícula já passa 
a se ossificar, e começa a formação de medula óssea 
hematógena (vermelha) em seu interior, dando início à 
fase medular da hemocitopoese; 
- Alcança pico de atividade no período próximo ao mês de 
nascimento; 
- Na vida pós-natal, os eritrócitos, granulócitos, linfócitos, 
monócitos e plaquetas originam-se a partir de células-
tronco da medula óssea vermelha; 
- Conforme o tipo formado, o processo pode receber os 
seguintes nomes: eritropoese, granulocitopoese, 
linfocitopoese, monocitopoese e megacariocitopoese; 
- Essas células passam por diversos estágios de 
diferenciação e maturação na medula óssea antes de 
passarem para o sangue; 
 
Células-tronco, Fatores de 
Crescimento e Diferenciação 
- As células-tronco originam células-filhas, que seguem 
dois destinos: algumas permanecem como células-tronco, 
se autorrenovando, e outras se diferenciam em outros 
tipos celulares; 
- Essa regulação ocorre via interações célula-célula ou 
por meio de fatores secretados (fatores de 
crescimento, citocinas) e resulta na amplificação ou 
repressão da expressão de alguns genes; 
- As células-tronco são caracterizadas por: 
 Capacidade de autorrenovação; 
 Capacidade de produzir ampla variedade de tipos 
de células; 
 Capacidade de reconstituir o sistema 
hemocitopoético quando injetadas na medula de 
camundongos letalmente irradiado (desenvolvem 
colônias de células hemocitopoéticas no baço). 
- Deriva-se que todas as células do sangue derivam de 
um único tipo celular da medula óssea, a célula-tronco 
pluripotente; 
Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
- Elas se proliferam e formam duas linhagens: células 
linfoides (forma linfócitos) e a das células mieloides (forma 
eritrócitos, granulócito, monócitos e plaquetas); 
- A proliferação de células-tronco pluripotentes origina 
células-filhas com potencialidade menor, as células 
progenitoras multipotentes, que produzem as células 
precursoras (blastos); 
- É nos blastos que as características morfológicas 
diferenciais das linhagens aparecem pela primeira vez; 
- As células-tronco pluripotentes e as progenitoras são 
indistinguíveis morfologicamente e se parecem com 
linfócitos grandes; 
- As células progenitoras, quando se dividem, podem 
originar outras células progenitoras e células 
precursoras, embora estas originem apenas células 
sanguíneas destinadas a amadurecer.; 
 
- A hemocitopoese depende de microambiente adequado 
e de fatores de crescimento hematopoéticos, que 
regulam a proliferação, a diferenciação e a apoptose de 
células imaturas, assim como a atividade funcional de 
células maduras; 
- Esse fator pode ser específico para uma linhagem, 
como também influenciar outras; 
- Podem ser divididos em fatores multipotentes, que 
atuam precocemente, e fatores que atuam tardiamente, 
mais específicos para cada linhagem; 
- Uma visão geral da hemocitopoese mostra que o 
potencial de diferenciação e a capacidade de 
autorrenovação diminuem gradualmente nesse processo. 
 
 
 
 
 
OBS.: Na prática médica, os fatores de crescimento 
têm sido utilizados para tratar doenças que afetam a 
medula óssea. Esses fatores têm sido úteis para 
corrigir a quantidade de células sanguíneas 
diminuídas por radioterapia e por quimioterapia, 
por exemplo. São usados também para aumentar a 
eficiência dos transplantes de medula óssea, pelo 
estímulo das mitoses, e para aumentar as defesas 
imunológicas em pacientes com câncer, doenças 
infecciosas e imunodeficiências. 
As doenças da hemocitopoese são causadas, 
geralmente, por aumento ou diminuição da 
produção de células-tronco, com a consequente 
superprodução ou subprodução de células das 
linhagens hemocitopoéticas. Um único tipo ou vários 
tipos de células-tronco podem ser afetados, podendo 
haver diminuição de um tipo de célula madura e 
simultâneo aumento de outro tipo. Um exemplo são 
as leucemias, nas quais ocorre formação excessiva 
de leucócitos anormais. 
 
Medula Óssea 
- Órgão difuso, porém volumoso e muito ativo; 
- No adulto saudável, produz, por dia, cerca de 2,5 bilhões 
de eritrócitos, 2,5 bilhões de plaquetas e 1 bilhão de 
granulócitos por quilo de peso corporal; 
- Encontrada no canal medular dos ossos longos e nas 
cavidades dos ossos esponjosos; 
- Distinguem-se em medula óssea vermelha 
(hematógena), que deve sua cor a numerosos eritrócitos 
em diversos estágios de maturação, e a medula óssea 
amarela, rica em células adiposas e que não produz 
células sanguíneas; 
Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
- No recém-nascido, toda a medula óssea é vermelha e, 
ao longo do tempo, vai se transformando, a maior parte, 
em amarela; 
- No adulto, a vermelha é vista apenas no esterno, nas 
vértebras, nas costelas e na díploe dos ossos do crânio 
(no adulto jovem, por volta de 18 anos, é vista também 
nas epífises proximais do fêmur e do úmero); 
- A medula amarela ainda retém células-tronco e, em 
alguns casos, como hemorragias e inflamações, pode 
transformar-se em vermelha; 
 
 Medula Óssea Vermelha 
- Constituída por células reticulares, associadas a fibras 
reticulares (colágeno tipo III); 
- Essas células e fibras formam uma rede percorrida por 
numerosos capilares no endósteo e terminam em um 
grande vaso central, cujo sangue desemboca na 
circulação sistêmica venosa por meio de veias emissárias; 
-Artérias também são encontradas na medula; 
- A inervação da medula consiste principalmente em 
fibras nervosas mielínicas e amielínicas existentes na 
parede das artérias; 
- O endotélio dos capilares e as células reticulares são 
fontes de citocinas hemocitopoéticas; 
- A hemocitopoese ocorre nos espaços entre capilares 
e células reticulares; 
- Células adiposas ocupam cerca de 50% da medula óssea 
vermelha no indivíduo adulto; 
- O aumento de tecido adiposo continua gradualmente 
com o envelhecimento; 
- A liberação de células maduras da medula para o sangue 
ocorre por migração através do endotélio, próximo das 
junções intercelulares; 
- Além de produzir as células do sangue, ainda armazena 
ferro sob a forma de ferritina e de hemossiderina; 
- Outra função é a destruição de eritrócitos envelhecidos. 
Maturação dos Eritrócitos 
- A células madura é a que alcançou um estágio de 
diferenciação que lhe possibilita exercer todas as suas 
funções especializadas; 
- De acordo com o grau de maturação, as células 
eritrocíticas são chamadas de: 
 
 Proeritroblastos: 
- Células grandes que apresenta todos os elementos 
característicos de uma célula que sintetiza intensamente 
proteínas; 
- Núcleo esférico e central, com cromatina delicada