A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Aula 6 - Módulo tumor - Tumores malígnos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Módulo tumor – Tumores malignos 
Osteossarcoma 
Conceitos gerais 
Acomete de maneira mais comum 
adolescente e adultos jovens; 
Comumente acontece na metáfise de 
ossos longos: Fêmur distal, tíbia 
proximal, úmero proximal; 
Forma novos ossos imaturos levando a 
um aumento da fosfatase; 
No rx observa-se triângulo de Codman e 
raios de sol; 
O tratamento consiste em cirurgia + QT 
(neo/adjuvante), possui péssima resposta 
à radioterapia; 
Tipos 
Podem ser divididos em primários e 
secundários. 
Primários 
Convencional 
Chamado de osteossarcoma 
clássico, é o tipo mais comum e a 
lesão inicial geralmente é 
intramedular. 
Intramedular de baixo-grau 
Raro, possui curso indolente com 
aspecto radiológico e histológico 
relativamente benigno. A lesão 
inicial geralmente intramedular. 
Parosteal 
Também chamado de 
justacortial, é uma lesão de 
baixo-grau e s a lesão inicial é na 
superfície. Possui uma 
apresentação típica de massa 
ossificada e lobulada ano aspecto 
posterior do fêmur distal. Seus 
diagnósticos diferenciais são 
miosite ossificante, 
osteocondroma. 
Periosteal 
Também chamado de 
osteossarcoma condroblástico, é 
um tumor de superfície e de 
malignidade intermediára. 
Localiza-se nas diáfises de fêmur 
e tíbia. Atinge uma faixa etária 
mais avançada. 
Alto-grau de superfície 
Tipo menos comum, é um tumor 
altamente agressivo que emerge 
da superfície e possui invasão 
medular precoce. 
Teleangiectásico 
Lesão puramente lítica, seu 
aspecto macroscópico é de cisto 
cheio de sangue com pequena 
porção sólida. 
Pequenas células 
Raro, se comporta como Ewing e 
linfoma, possui presença de 
pequenas células azuis. Se 
formado por osteóide em 
pequena quantidade possui uma 
semelhança material fibrina-like 
presente no Ewing. Geralmente 
necessário IHQ para Dx 
diferencial. 
Secundários 
Doença de Paget 
Tratamento 
De modo geral a sequência é: QMT 
neoadjuvante > cirurgia > QMT 
adjuvante. 
Baixo-grau: Ressecção com margem 
oncológica sem QMT. 
 
Condrossarcoma 
Faixa etária mais ampla, possui maior 
prevalência entre 40 a 60 anos. 
Localiza-se na pelve, fêmur e úmero 
proximais. 
Condrossarcoma secundário 
Ocorre em local de lesão cartilaginosa 
benigna preexistente. 
Síndrome de Ollier, associada a 
25% de casos de malignização; 
Síndrome de Mafucci, 
associada 25 a 90% de 
malignização; 
Osteocondroma, se múltiplo 
possui taxa de malignização em 
5%, se solitário < 1%. 
Rx 
Apresentam áreas com calcificações: 
pipoca salpicadas ou em formato de 
vírgula; 
Observam-se áreas de destruição óssea, 
erosão cortical e reação periosteal; 
Lesão emerge do canal medular com 
matriz calcificada irregular; 
Invasão de partes moles é rara. 
Tratamento 
Baixo grau: Controverso. Curetagem 
ampla e ttos adjuvantes intraoperatórios; 
Alto grau: Ressecção com margem 
oncológica. Como as células 
cartilaginosas sobrevivem com baixa 
vascularização, portanto possuem altas 
taxas de recorrência por contaminação 
intraoperatória. 
QMT e RDT: Sem resposta. 
 
Sarcoma de Ewing 
Acomete crianças, adolescentes e jovens 
adultos. 
Os locais mais comuns são diáfise de 
ossos longos, ossos chatos da cintura 
escapular ou pélvica e são raros em 
coluna, pés e mãos. 
Clínica 
Dor possui início insidioso (queixa mais 
comum), pode responder a tto inicial e 
levar a uma falsa sensação de melhora. 
Pode apresentar febre baixa, associada a 
astenia; 
Eritema e edema pode simular 
osteomielite; 
Aspirado de agulha semelhante ao pus; 
Rx 
Lesão salpicada, permeativa (roído de 
traças), mantem a arquitetura do osso > 
alta agressividade; 
Lesão destrutiva na diáfise com reação 
periosteal em casca de cebola- raios de 
sol; 
Tratamento 
QT neoadjuvante > cirurgia > QT 
adjuvante > RT, se sem margem 
cirúrgica livre. 
 
Classificação de Huvos 
Para observar a resposta à QMT 
Grau 1: Mínimo ou nenhum efeito (50% 
células tumorais viáveis); 
Grau 2: Resposta parcial com 50-90% 
de necrose; 
Grau 3: Mais do que 90% de necrose; 
Grau 4: Nenhuma área de tumor viável. 
 
 
 
Osteosarcoma Adolescentes 
e adultos 
jovens 
Metáfise 
de ossos 
longos 
Triângulo 
de 
Codman 
– Raios de 
sol 
QT e cirurgia 
Ewing Crianças e 
adolescentes 
Pelve e 
diáfise de 
ossos 
longos 
Roído de 
traças – 
Casca de 
cebola 
QT, cirurgia e 
RT 
Condrosarcoma Adultos Pelve e 
fêmur 
proximais 
Pipoca 
salpicadas 
– formato 
de vírgula 
Cirurgia – 
QMT e RT 
sem resposta