A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
O artista, o cientista e o mágico - Resenha

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resenha - O artista, o cientista e o mágico
No artigo “O artista, o cientista e o mágico”, o autor Luis Camnitzer fala sobre a
necessidade de que as obras de arte ofereçam ao público uma explicação, um
significado real, de forma que elas não se tornem ilustrações meramente estéticas e
superficiais. A arte, segundo ele, não deve ser exibida apenas como um produto
mercadológico, a ser vendido de acordo com sua beleza. Ela precisa comunicar algo,
transmitir uma mensagem, apontar ou resolver um problema, entre tantas outras
funções que não a de vender.
Embora o autor concorde com o argumento que muitas pessoas usam, de que
explicar literalmente, de modo descritivo, uma obra visual, significaria limitá-la e
invalidá-la enquanto arte, ele esclarece que a “explicação” pode ter diversos níveis, que
variam conforme a necessidade de cada tipo de trabalho.
Para exemplificar, Camnitzer usa os exemplos e faz relação entre os trabalhos
do artista, do cientista e do mágico. O trabalho do cientista é todo baseado na
explicação exata dos fatos - para ser levado a sério, ele precisa descrever cada ideia,
metodologia de pesquisa, resultados, conclusões, e explicar para seu público cada uma
dessas coisas, de modo a demonstrar que está correto. Já o mágico não deve
nenhuma explicação, uma vez que seu trabalho consiste em criar ilusões e fazer com
que coisas impossíveis pareçam reais diante do público - ou seja, convencê-lo de algo
que, na verdade, não tem sentido e não deve ter explicação. Se o mágico explicasse
seus truques, o espetáculo perderia a graça e ninguém mais assistiria.
O artista, segundo Luis Camnitzer, estaria entre os dois extremos. Embora não
deva dar uma explicação exata e descritiva como a do cientista, pois isso esgotaria sua
obra, ele também não pode se isentar completamente de dar um sentido claro ao seu
trabalho. Isso porque a obra não fala por si mesma, ela é apenas um meio pelo qual o
artista comunica algo ao seu público - se essa mensagem não está sendo
compreendida, o problema não é, necessariamente, com a pessoa que está tentando
interpretá-la, e sim com o meio em si.
O artigo de Camnitzer explica muito bem a relação de responsabilidade que o
artista deve ter para com a sua obra e seu público - relação essa que, muitas vezes, é
ignorada. Através dele, entendemos que a dificuldade de interpretação de uma obra e a
necessidade de uma explicação sobre ela não é necessariamente um problema, desde
que o artista atribua um significado claro a obra, mesmo que apenas em sua mente, e
não se exima do papel de “prestar contas”, caso venha a ser preciso.