A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
direito civil - personalidade e capacidade - 01

Pré-visualização | Página 1 de 2

Esquem a t i zado – P r o f e s so r S t an l e y C o s ta 
P í l u l a s d e C i v i l – C on cu r so s Púb l i c o s e Exam e s da OAB 
 
 
Professor Stanley Costa 
E-mail: stanley-marcus@hotmail.com 
Instagram: @profstanleycosta 
 
 
Dose #01 – Personalidade e Capacidade 
 
 
1. PESSOAS NATURAIS 
Considera-se pessoa o ente jurídico susceptível de direitos e deveres na ordem civil, 
trata-se, pois, do sujeito das relações jurídicas (sujeito de direito). De acordo com Carlos 
Roberto Gonçalves (2015, p.104): “Relação jurídica é toda relação da vida social regulada pelo 
direito (...). O direito subjetivo (facultas agendi) consiste numa relação jurídica que se estabelece 
entre um sujeito ativo, titular desse direito, e um sujeito passivo, ou vários sujeitos passivos, 
gerando uma prerrogativa para o primeiro em face destes”. 
A ordem jurídica reconhece a existência de duas espécies de pessoas: (i) pessoa natural 
é o ser humano, ente dotado de complexidade biopsicológica, também chamada de pessoa 
física; (ii) pessoa jurídica é o agrupamento de pessoas naturais para alcançar um objetivo 
comum. 
Em nosso ordenamento jurídico, os animais não são considerados sujeitos de direitos e 
deveres, razão pela qual, por exemplo, não podem ser beneficiados com testamento. O que a 
lei autoriza é que o testamento seja destinado a uma pessoa com o encargo de cuidar de animais 
determinados. De igual modo, são excluídos do conceito de sujeitos de direitos as entidades 
místicas, como santos e almas. 
 
1.1. O início da pessoa natural 
Este certamente é o maior ponto de discórdia da parte geral do Direito Civil. Isto se deve 
ao fato de que o Código Civil, em seu artigo segundo, dispõe que “a personalidade jurídica da 
pessoa natural começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os 
direitos do nascituro”. Assim, de acordo com nosso Código Civil o nascimento com vida é o 
marco inicial da pessoa natural, esta é a chamada teoria natalista. 
Dissertando sobre a teoria natalista, o grande mestre Carlos Roberto Gonçalves leciona 
(2015, p.108): “Muitas são as críticas à mencionada teoria. Afirma-se, por exemplo, que, 
entendendo que o nascituro não é uma pessoa, admite a referida teoria que ele deve então ser 
tratado como uma coisa; olvida-se, ainda, de que há, no Código Civil, um sistema de proteção ao 
nascituro, com as mesmas conotações da conferida a qualquer ser dotado de personalidade”. 
Ainda sobre o tema, Flávio Tartuce expõe em seu Manual de Direito Civil (2017, p. 66): 
“(...) o art. 2º do CC/2002 continua colocando em colisão as teorias natalistas e concepcionistas. 
mailto:stanley-marcus@hotmail.com
Esquem a t i zado – P r o f e s so r S t an l e y C o s ta 
P í l u l a s d e C i v i l – C on cu r so s Púb l i c o s e Exam e s da OAB 
 
 
Professor Stanley Costa 
E-mail: stanley-marcus@hotmail.com 
Instagram: @profstanleycosta 
 
A polêmica não foi encerrada pelo fato de a norma continuar a utilizar os termos nascimento e 
concepção. Na primeira parte, o artigo parece indicar que o nascituro não é pessoa, não tendo 
direito. Entretanto, na sua segunda parte afirma o contrário. (...) O grande problema da teoria 
natalista é que ela não consegue responder à seguinte constatação e pergunta: se o nascituro 
não tem personalidade, não é pessoa; desse modo, o nascituro seria uma coisa? A resposta 
acaba sendo positiva a partir da primeira constatação de que haveria apenas expectativa de 
direitos. (...) Do ponto de vista prático, a teoria natalista nega ao nascituro até mesmo os seus 
direitos fundamentais, relacionados com a sua personalidade, caso do direito à vida, à 
investigação de paternidade, aos alimentos, ao nome e até à imagem. Com essa negativa, a 
teoria natalista esbarra em dispositivos do Código Civil que consagram direitos àquele que foi 
concebido e não nasceu. Essa negativa de direitos é mais um argumento forte para sustentar a 
total superação dessa corrente doutrinária”. 
Por tudo isso, apesar do disposto no artigo segundo do Código Civil, a teoria mais 
pacificamente adotada no Brasil, inclusive pelas cortes superiores, é a teoria concepcionista. De 
acordo com essa corrente a personalidade jurídica começa no momento da concepção, caso 
contrário, não seria possível o nascituro titularizar direitos. No ordenamento jurídico brasileiro 
são diversos os direitos do nascituro: (i) titularidade dos direitos de personalidade (ex.: direito à 
vida, integridade física e moral); (ii) é considerado herdeiro (CC, art. 1798); (iii) pode ser 
beneficiado por testamento (CC, art. 1.799); (iv) pode ser beneficiado por doação (CC, art. 542); 
(v) tem direito a alimentos; (vi) tem direito a saber quem é o pai; (vii) tem direito ao recebimento 
de DPVAT; etc. 
Existe ainda uma última corrente, denominada teoria da personalidade condicional. Os 
adeptos dessa teoria entendem que os direitos assegurados ao nascituro encontra-se em estado 
potencial, sob condição suspensiva. Desta forma, o nascituro seria uma pessoa condicional, pois 
a aquisição da personalidade acha-se sob a dependência de evento futuro incerto, qual seja, o 
nascimento com vida. Essa corrente esbarra, assim como a natalista, na quantidade de direitos 
que o ordenamento jurídico confere ao nascituro, os quais podem ser exercidos e defendidos, 
inclusive em juízo, antes mesmo de nascer. 
De qualquer forma, para você concurseiro, se a banca questionar sobre a TEORIA 
ADOTADA PELO CÓDIGO CIVIL, responda que é a TEORIA NATALISTA, por mais que a doutrina 
e a jurisprudência nos diga o contrário, porque o texto do artigo segundo expressamente 
mailto:stanley-marcus@hotmail.com
Esquem a t i zado – P r o f e s so r S t an l e y C o s ta 
P í l u l a s d e C i v i l – C on cu r so s Púb l i c o s e Exam e s da OAB 
 
 
Professor Stanley Costa 
E-mail: stanley-marcus@hotmail.com 
Instagram: @profstanleycosta 
 
enuncia que “a personalidade jurídica da pessoa natural começa do nascimento com vida; mas 
a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”. 
Independentemente da discussão sobre o início da personalidade, é necessário sabermos 
quando ocorre o nascimento com vida. O que efetivamente define o nascimento com vida é a 
respiração. Por meio de um exame clínico chamado docimasia hidrostática de Galeno, é possível 
aferir se os pulmões da criança chegaram a inflar ou não. Se isso aconteceu, então a criança 
nasceu com vida. 
Essa informação é de grande valor para o Direito, tanto que, de acordo com a Lei de 
Registros Públicos, se houve nascimento com vida e morte subsequente, é necessário a lavratura 
de dois assentamentos, o de nascimento e o de óbito (LPR, art. 53 §2º). No âmbito do direto 
sucessório, por exemplo, se alguém morre deixando a esposa grávida, o bebê já é herdeiro desde 
a concepção, entretanto, ele somente se tornará proprietário da herança se vier a nascer com 
vida. 
SITUAÇÃO JURÍDICA DO NASCITURO 
TEORIA NATALISTA 
A personalidade civil começa do nascimento com vida. Teoria 
expressamente prevista no artigo segundo do Código Civil de 
2002. 
TEORIA CONCEPCIONISTA 
A personalidade civil começa no momento da concepção, 
tanto é verdade que o nascituro é titular de diversos direitos 
da personalidade. A ressalva fica por conta dos direitos 
materiais (propriedade, crédito e débito), que só podem ser 
titularizado após o nascimento com vida. Teoria mais aceita 
pelos doutrinadores e jurisprudência brasileira. 
TEORIA DA PERSONALIDADE 
CONDICIONAL 
Sustenta que o nascituro é uma pessoa condicional, pois a 
aquisição da personalidade está subordinada a evento futuro 
e incerto, qual seja, o nascimento com vida. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Concepturo Concepção Nascituro 
Nascimento com 
vida: Respiração. 
Nascimento sem 
vida: Natimorto. 
mailto:stanley-marcus@hotmail.com
Esquem a t