A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Introdução Sistema Endócrino

Pré-visualização | Página 1 de 1

Introdução ao Sistema Endócrino 
 
Para mantermos a homeostase de nosso corpo, há 2 sistemas que possuem grande 
importância nesse processo, o sistema nervoso e o sistema endócrino. 
 
Referências: 
 
 
“A divisão do sistema endócrino em subsistemas isolados deve ser reconhecida 
como artificial, conveniente apenas do ponto de vista pedagógico, pois não mostra 
a natureza interligada de todos esses sistemas.” 
Howard Rasmussen, em Williams’ Textbook of Endocrinology, 1974. 
 
1. Defina hormônio. 
Hormônio é um mensageiro químico secretado no sangue por células epiteliais 
especializadas, sendo responsáveis por diversas funções corporais consideradas 
continuas e de longo prazo. É uma substância química não nutriente capaz de conduzir 
determinada informação entre uma ou mais células. Possui capacidade de atuar em 
baixas concentrações (nanomolar 10-9 a picomolar 10-12). 
 
 
 
2. Cite 2 exemplos em que o sistema endócrino atua na homeostase. 
Atuação da insulina e glucagon com o intuito de manter os níveis de glicose dentro da 
normalidade. 
 
3. Para um hormônio gerar sua resposta, o que deve acontecer? 
O hormônio gera uma resposta se ligando a receptores específicos na célula-alvo, 
iniciando respostas bioquímicas. 
 
4. Como ocorre a sinalização hormonal resultante da interação do hormônio e o 
tecido-alvo. 
A molécula mensageira ativa um receptor específico desse tecido alvo desencadeando 
respostas intracelulares. 
 
 
 
 Glândulas endócrinas: conjunto de células 
especializadas na produção e liberação de hormônios 
 
Exemplo de glândulas: 
• Hipófise 
• Tireoide 
• Paratireoides 
• Pâncreas 
• Adrenais 
• Gônadas 
 
 
 
 
 
 
  Glândulas mistas: células que secretam na 
corrente sanguínea e outras em ductos (em uma 
cavidade) 
 
Ex: Pâncreas 
 
Endócrino – Manda sua secreção para o sangue 
Exócrino – Manda sua secreção para fora do 
corpo ou para dentro de uma cavidade 
 
 
Ações endócrinas NÃO CLASSICAS 
 
Além dos outros mecanismos (ação endócrina, exócrina e parácrina) há outras 3. 
Ação criptócrina, intrácrina e justácrina. 
 
Criptócrina – ocorre em um local fechado. Exemplo: Nos túbulos seminíferos vamos ter 
as células de Sertoli, etc. Algumas dessas células produzem hormônios que podem ir pro 
interior desse túbulo e ficam agindo dentro dessa “cripta”, fazendo uma ação criptócrina. 
 
Intrácrina – Ação que ocorre dentro da célula alvo. Não necessariamente foi a própria 
célula que produziu. Ex: T4, ele entra na célula é convertido em T3 e esse T3 gera resposta 
dentro da célula (isso tudo está acontecendo dentro da célula). 
 
Justácrina – Ela lembra a parácrina, agem em células vizinhas, porem o mensageiro 
continua preso na célula em que ela foi produzida. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
No meio temos células beta e mais na periferia 
células alfa, célula beta produz insulina que vai se 
difundir pro interstício e inibe as células alfa por 
sinalização parácrina (pois se estamos produzindo 
insulina não precisamos mais de glucagon). 
 
O mesmo hormônio pode realizar ações 
diferentes dependendo do receptor em que se 
ligar, pode ter ação exócrina e endócrina 
dependendo da região em que está agindo. 
 
Composição química dos hormônios: 
 
1. Derivados proteicos*: insulina, GH, prolactina 
2. Derivados de aminoácidos: T3 e T4 (tirosina) 
3. Derivados esteroides (derivados do colesterol): Testosterona, estrógeno, progesterona 
4. Derivados de ácidos graxos: Prostaglandinas e leucotrienos (inflamação) 
 
* A maioria dos hormônios são proteicos!! 
 
Dependendo da natureza química do hormônio ele pode precisar de uma proteína 
para realizar seu transporte no sangue (tornar esse hormônio solúvel, por exemplo as 
lipoproteínas). 
 
• Hidrossolúveis: - Solúveis no sangue e líquido intersticial 
normalmente livres* 
• Lipossolúveis: - Sempre carregados por proteínas 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O aumento da glicemia induz o pâncreas a produzir insulina gerando uma sinalização 
celular que gera um efeito sistêmico (efeito hipoglicemiante), reduzindo a glicemia e 
cessando o estímulo para as células beta. 
 
 
Esse sistema de controle do corpo se chama feedback, que pode ser positivo ou negativo. 
 
Feedback: Resposta dada após a emissão de uma certa informação. 
 
O sistema endócrino funciona através de alças de feedback, normalmente feedback 
negativo. 
 
 
 
 Feedback negativo: É a resposta do sistema de modo a reverter a direção do 
estimulo, desativando-o 
 
 Feedback positivo: A resposta amplifica o estímulo. O feedback positivo é menos 
comum do que o feedback negativo. Precisam incluir mecanismos para parar; 
 
Exemplos de feedback 
 
Hormônio da paratireoide (PTH) controla a homeostasia de Ca2+ 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Glândula tireoide: 
 
 
Para cada glândula, cada eixo hormonal, há um controle por feedback 
 
Ocitocina: 
1 – Induz a ejeção do leite pelas glândulas mamárias, induz contração de células 
mioepiteliais (ao redor da glândula) 
2 – Induz a contração uterina, promovendo a liberação da criança durante o parto. 
 
 
 
 Sinergismo 
• Hormônios com mesmo efeito que combinados promovem um efeito maior ainda. 
• No sinergismo, o efeito da interação dos hormônios é maior do que sua soma 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Antagonismo 
• Hormônios antagonistas têm efeitos opostos (ações fisiológicas contrárias) 
 
 Permissividade 
• Um hormônio não consegue exercer por completo seus efeitos a menos que um 
segundo hormônio esteja presente. 
 
• hormônio da tireoide sozinho = sem desenvolvimento do sistema genital 
• hormônios sexuais sozinhos = atraso na maturação do sistema genital 
• hormônios da tireoide + hormônios sexuais = desenvolvimento normal do sistema 
genital