A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Responsabilidade Civil do Estado (Direito Administrativo)

Pré-visualização | Página 1 de 1

RESPONSABILIDADE CIVIL (EXTRACONTRATUAL) DO ESTADO
EVOLUÇÃO
1. Irresponsabilidade
responsabilidade feudal ou regalista
2. Responsabilidade Subjetiva
	responsabilidade com culpa
	teoria mista ou teoria civilista (segue a lógica do Código Civil)
	*num primeiro momento, diferenciava atos de império (insuscetíveis de responsabilização)
	e atos de gestão (regidos pelo direito comum + suscetíveis de responsabilização)
Divisor de águas = Aresto Blanco, 1873, França
3. Responsabilidade Objetiva
4. Responsabilidade Integral
	aplica-se só em alguns casos
*Questão:
A responsabilidade civil do Estado por danos de natureza contratual é da modalidade objetiva,
baseada na teoria do risco administrativo. (extracontratual = objetiva / contratual = subjetiva)
TEORIA DO RISCO (ATOS COMISSIVOS)
 Regra geral
	
	Ente: Resp. Objetiva
		Requisitos:
			Dano
			Conduta ou Ação (lícita ou ilícita = sempre responderá)
			Nexo
			- independe de dolo ou culpa
				“Para configurá-la basta, pois, a mera relação causal
				entre o comportamento e o dano”
				“A responsabilidade civil extracontratual do Estado por atos lícitos
				ocorrerá quando expressamente prevista em lei
				ou a conduta estatal cause sacrifício desproporcional ao particular.”
		Responde pelos danos dos agentes públicos
		(agindo nessa condição = utilizando uma de suas prerrogativas)
		*mas admite excludentes e atenuantes
			- Culpa da Vítima (exclusiva ou concorrente)
			- Força maior ou Caso Fortuito
			
			- excludente de ilicitude penal não afasta responsabilidade (falta residual)
			- culpa de terceiro (não é excludente, salvo se equiparado à força maior)
				uma agência bancária é responsável por dados em um assalto
				uma concessionária não pode ser responsável por um roubo a carga,
					se tiver tomado todas as precauções de segurança
		*particular pode cobrar judicial ou administrativamente
mas não cobrará do agente (STF)
nem sozinho nem conjuntamente
		mas sim do Estado
(vedação à responsabilização “per saltum” – pulando etapas)
*posição minoritária do STJ:
particular pode processar o Estado, o agente, ou os 2, conforme achar melhor
*órgãos não têm personalidade jurídica (demanda contra o ente federativo – U/E/DF/M):
	MP, DP, TC (União ou Estados)
	AL, CV (Estado ou Município)
	SF, CD (União)
	Agente: Resp. Subjetiva (sempre)
		Se tiver Dolo ou Culpa Ação de Regresso (obrigatória)
					 “Denunciação à lide”
		A ação regressiva é um instrumento judicial de natureza civil
		que a administração pública pode utilizar tanto contra o agente público
		quanto o particular que presta serviços públicos e causa dano a terceiros.
		A Administração Pública para ingressar com ação regressiva contra seu agente,
		deverá comprovar previamente já ter sido condenada a indenizar o particular lesado,
		haja vista que seu direito regressivo é originário a partir de sentença final condenatória,
		sem possibilidades de reversão recursal.
Casos especiais
• Também se aplica
	Delegatárias (frente a usuários do serviço ou não)
• Responsabilidade Subsidiária do Ente Federativo / Poder Concedente
	 Se a delegatária ou ente da Adm.Indireta não pagar,
	vítima pode pedir a penhora dos bens (salvo aqueles afetados à prestação do serviço)
	 Exauridos as condições da delegatária/ente administrativo pagar, 
o Ente Federativo responderá subsidiariamente
• Não se aplica:
	Estatais (EP/SEM) que exploram atividade econômica = Resp. Subjetiva
	Notários e oficiais de registro = Resp. Subjetiva
		Lei 8.935/94: "Art. 22. Os notários e oficiais de registro são civilmente responsáveis por todos os 		prejuízos que causarem a terceiros, por culpa ou dolo, pessoalmente, pelos substitutos que 			designarem ou escreventes que autorizarem, assegurado o direito de regresso."
DANOS DE OBRAS PÚBLICAS
- Fato da obra (mesmo com os cuidados, danos ocorrem por simples “fato da obra”)
	Independe de quem executou a obra
	Sempre a Adm terá Resp.Objetiva
- Má execução da obra
	Depende de quem executou a obra
	Se for a Adm = Resp.Objetiva (cabendo ação regressiva contra agente)
	Se for Empresa Particular = Resp.Subjetiva (permanencendo a Resp.Subsidiária da Adm)
PRAZOS PRESCRICIONAIS
	Particular Estado
(via judicial ou adm)
	5 anos
	Estado Agente
(ação regressiva)
	Ilícito Civil
	5 anos
	
	Ato DOLOSO de Improbidade
	IMPRESCRITÍVEL
Ação de reparação de danos à Fazenda Pública decorrentes de ilícito civil é PRESCRITÍVEL 
Ação de ressarcimento decorrente de ato de improbidade administrativa praticado com CULPA é PRESCRITÍVEL
Ação de ressarcimento decorrente de ato de improbidade administrativa praticado com DOLO é IMPRESCRITÍVEL
Decisão recente do STF (agosto de 2018)
TEORIA DA CULPA (ATOS OMISSIVOS)
 Exceção
	Casos de omissão genéricas
*independentemente do agente, de quem não fez
	Resp. Subjetiva – depende de dolo ou culpa
(mas não precisa especificar o agente, pode ser só uma omissão do Estado como um todo)
	ex: fortes chuvas – Estado pode ser responsabilizado se comprovada omissão
		(só não terá responsabilidade, se comprovar que não teve culpa)
 Exceção da exceção
	- Casos de omissão específicas: na Guarda de Coisas ou Pessoas (precisa de maior cuidado)
	- Casos em que o particular requisita e o Estado se omite
Q932834
	Resp. Objetiva = basta Dano, Conduta/Ação e Nexo
	(Volta pra Teoria do RISCO)	
	Exemplos:
		Aluno foge da escola e é atropelado
		Paciente com problemas mentais pula da janela do hospital
		Presidiário é morto na penitenciária (mesmo se fugir e for morto na rua – tbm é omissão)
			*más condições no presídio = preso tbm fará jus a indenização
(STF: em dinheiro, não em redução de pena)
			*suicídio do preso = responsabilidade objetiva
		Policial de folga mata com arma da corporação
(há controvérsias na jurisprudência, pois é fora da atividade funcional,
mas se utilizando da qualidade de agente)
	*Rompimento do Nexo: quando Estado prova que era inevitável aquilo acontecer
					(extinção da responsabilidade)
TEORIA DO RISCO INTEGRAL
 Questões nucleares e ambientais
 Acidente de trabalho
 Seguros DPVAT
 Atentados terroristas em aviões
	Resp. Objetiva (sempre)
	*não admite Excludentes
TEORIA DA IRRESPONSABILIDADE
 Atos Legislativos e Jurisdicionais
(ninguém pedirá indenização por atos legislativos e jurisdicionais) Irresponsabilidade
	*Exceções: (Resp.Objetiva)
	• Lei declarada inconstitucional
	• Lei de efeito concreto (destinatário determinado)
	• Condenado por erro judiciário
	• Preso além do tempo fixado