A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
INSTITUTO DA AUSÊNCIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

INSTITUTO DA AUSÊNCIA
fase 1: curadoria do ausente
ART 22
- a pessoa desaparece sem dar notícia e não deixa representantes legais
ou procurador/mandatário
- o juiz age se for requerido pelo MP ou interessado e convencido do
desaparecimento para nomear um curador ao ausente
ART 23
- também será declarada a ausência e determinará curador se o
mandatário não puder/querer continuar a exercer seu mandato (ex:
morte ou incapacidade)
ART 24
- o juiz definirá poderes e obrigações do curador, podendo ser
semelhantes a de um tutor
ART 25
- será escolhido como curador o cônjuge, se não for separado
judicialmente ou de fato por mais de 2 anos
- na falta dele, a curadoria segue para os pais e depois os descendentes
(caso não haja impedimento para isso)
- entre os descendentes, os mais próximos são preferíveis
- na falta dessas pessoas, o juiz decide
hipóteses do fim da fase 1
- o ausente retorna, ele assume os bens e o procedimento acaba
- certeza da morte: processo converte-se em inventário
- se não retorna após um ano após a publicação do 1º edital ou três se
tiver representante legal, dá-se início a segunda fase
fase 2: sucessão provisória
ART 26
- admite as hipóteses do fim da fase 1 para iniciar a sucessão provisória
- Bárbara Araújo diz que a probabilidade de vida diminui, assim como as
concessões aos interessados aumentam
ART 27
- os interessados são cônjuge não separado judicialmente, herdeiros
presumidos, legítimos ou testamentários, aqueles que tiverem direito
sobre o bem do ausente caso morto e credores de obrigações vencidas
e não pagas
ART 28
- a sentença judicial que determina a abertura da sucessão provisória só
tem efeito após 180 dias de publicação pela imprensa
- após passar em julgado, ocorrerá a abertura do testamento, inventário
e partilha de bens como se o ausente fosse morto
- incisos detalham sobre exceções de ausentes que não deixaram
herdeiros ou interessados
ART 29
- o juiz pode converter os bens móveis em títulos ou imóveis da união
quando estes estão sujeitos a deterioração ou extravio
- tentativa de proteger os bens do ausente caso ele retorne
ART 30
- os herdeiros devem dar garantia de restituição dos bens recebidos por
penhor ou hipoteca equivalente ao quinhão
- se não tiver como dar essa garantia, o herdeiro será excluído do
processo
- cônjuge, ascendentes, descendentes não precisam dar garantia
ART 31
- imóveis do ausente só poderão ser alienados ou hipotecados, salvo
medida de desapropriação, quando o juiz ordena para evitar a
deterioração do bem
ART 32
- os sucessores provisórios são os representantes ativos e passivos dos
bens que empossaram
ART 33
- os herdeiros dispensados da garantia terão acesso a 100% do quinhão
e de seus rendimentos
- os herdeiros que garantiram a restituição terão acesso a 100% do
quinhão e 50% de seus rendimentos
ART 34
- os herdeiros que não puderam garantir restituição terão acesso a 25%
dos rendimentos do quinhão
ART 35
- se no meio da sucessão provisória se ter a data do falecimento do
ausente, a sucessão deve ocorrer em relação aos herdeiros daquela
época
hipóteses do fim da fase 2
ART 36
- se o ausente retorna, ou tem comprovação de sua existência, no meio
da posse provisória, os sucessores terão suas vantagens extintas e se
garantiram os meios para que os bens retornem ao dono
- comprovação da morte transforma a sucessão provisória em definitiva
e há o levantamento das cauções
- se a ausência persiste, inicia-se a fase 3
fase 3 - sucessão definitiva
ART 37
- se passarem 10 anos após a publicação da sentença da sucessão
provisória, os interessados podem requerer a sucessão definitiva e o
levantamento das cauções
- inserção dos herdeiros que não prestaram garantia de restituição
- aquisição da propriedade resolúvel
ART 38
- os interessados também poderão requerer a sucessão definitiva se o
ausente tiver 80 anos e já tiver 5 que não há notícias dele
ART 39
- se o ausente (ou seus ascendentes/descendentes) retorna em até 10
anos depois da sucessão definitiva, ele só terá acesso ao bem no
estado atual dele ou sub-rogado
- se nesses 10 anos ninguém aparece, inclusive interessados, os bens
podem ir para município, DF, ou União