A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Introdução à disciplina de Nutrição Animal

Pré-visualização | Página 2 de 2

Fibra bruta----------------------------------------------------------- FB
- Cinza ou matéria mineral---------------------------------------- MM
- Extratos não nitrogenados ou carboidratos solúveis---- ENN
Método direto
● Umidade: por meio da evaporação em estufa a 105°
● FB: por meio da fervura em álcalis e ácidos fracos
● EE: extração com éter
● PB: determina-se o nitrogênio total cujo valor é multiplicado por 6,25
● MM: incineração na mufla a 600°
Método indireto
● ENN = 100 - (Água + PB + FB + EE + MM)
● MS = 100 - Água
● MO = MS - MM
Matéria seca
- Ponto de partida da análise dos alimentos;
- Os valores de MS facilitam a comparação dos diversos nutrientes;
- A composição dos alimentos em tabelas para cálculo das necessidades dos
animais e o consumo de alimentos são expressos em termos de MS.
Processo (2 fases)
1. secagem prévia ou pré secagem
● Realiza-se quando a amostra possui uma alta umidade (gramíneas,
silagens, etc)
● Tempo de pré secagem 16 a 24hrs ou 72hrs/fezes à 60°
2. Secagem definitiva
● Temperatura de 105°
Extrato etéreo
- Utiliza o éter etílico
- Extração dura de 4-6 hrs
- Por um aparelho Soxhlet
- Gordura é extremamente importante na alimentação, fornecendo 2,25x mais
energia
- Melhor paladar
*subst. gordurosas de valor energético alto = Triglicerídeos, lecitina e ácido graxo
MM ou cinza
- Obtida após o aquecimento da amostra em uma temperatura de 600°,
durante 4 horas ou até a combustão total;
- Determinação importante para o cálculo do ENN e da matéria orgânica.
Proteína bruta
- Utiliza-se um destilador de nitrogênio
- Consiste em três etapas:
digestão aquecimento
destilação evaporação
titulação
*O fator 6,25 pq 100/16 16% é a média de N dos alimentos
- Não é 100% confiável
- Nem todo nitrogênio é proteico
- Nem toda proteína tem 16% de N
- Ruminantes transformam nitrogênio não protéico NNP pela absorção da
flora intestinal
Fibra bruta
- Quantificação de três subs:
celulose--------------------------------- imp. herbívoros
hemicelulose-------------------------- imp. herbívoros
lignina---------------------------------- indigerível
Método de Van Soest
- Conteúdo celular
açúcares amido proteína lipídeos e ácidos orgânicos
- parede celular
FDN quantidade de fibra E
FDA indica a fibra de baixa qualidade
qualidade de forrageira
divide os componentes da amostra analisada em conteúdo celular e parede
celular
Conservação de forragens: Fenação
Objetivo:
- minimizar os efeitos da estacionalidade de produção de pastagens.
- obter uma forragem desidratada e de alta qualidade
*silagem pra bovino feno para equino
Princípio básico da fenação:
- conservação do valor nutritivo da forragem através da rápida desidratação
- 80 a 90 de matéria seca
- teor de umidade 10 a 20
Cynodon família de capim 40 cm = padrão ouro na fenação
- Tifton 85
- coast cross
Estágio de cres. da planta e seu valor nutritivo
- cres. vegetativo = alto valor nutritivo
- cres. reprodutivo (floração) = baixo valor nutritivo
Qualidade da planta
1. Fatores genéticos
● cultivares
● tipo de cresc.
● clima
● solo
● manejo
● pragas e doenças
2. Estágio de crescimento
● estágio cresc. vegetativo
- grande proporção de folhas
- alta umidade
- rica em proteínas e minerais
- baixa em fibras e lignina
● estágio reprodutivo
- alongamento do caule
- queda das folhas
- baixa quantidade de proteínas, lipídeos, carboidratos e minerais
- rica em fibras
- menor digestibilidade
Processo de fenação
1. corte
2. desidratação
3. armazenamento
Aspectos importantes.
- tipo de maquinário
- espécie de forrageira escolhida
- condições climáticas
= feno de qualidade satisfatória
Feno de boa qualidade
- Coloração verde;
- Cheiro agradável;
- Boa quantidade de folhas;
- Caules finos e macios;
- Ausência de mofo e livre de impurezas;
Tipos de feno
Aula 5 - Produção e manejo de silagens
Objetivo da ensilagem
- minimizar o efeitos da estacionalidade de produção das pastagens
- promove a conservação da forragem
- princípio de fermentação
- preservação de nutrientes
Processo: abaixar o PH da forragem de 6,5 para menos de 4,0 através da
conservação de açúcares e ácidos, principalmente ácido láctico, através do
desenvolvimento das bactérias lácticas.
*Ruminantes necessitam de alimento volumoso de boa qualidade durante todo o
ano.
melhor época para se produzir silagem: fase de crescimento vegetativo
Tipos de silo:
- trincheira
- bag
- superfície
Características importantes das forragens
1. Umidade
- importante para desenvolvimento de bactérias homoláticas
(Lactobacillus e Streptococcus)
- material seco: dificulta a compactação e desenvolvimento de mofos
- material muito úmido: fermentação butírica
- umidade ideal 30 a 40%
2. Carboidratos
- estruturais (celulose, hemicelulose e pectina)
- de reserva (amido e frutosanas)
- fermentação láctica mínimo de 16% de carboidratos solúveis
3. Proteínas
- 30 a 50% das proteínas são transformadas em compostos
nitrogenados solúveis devido a ação das proteases
4. Poder tampão
- intensidade com que a forragem resiste à mudança de Ph
5. População de microrganismos
- bactéria homolática
- somente o milho possui esta bactéria
Como fazer silagem:
1. Colheita
- maturidade da planta
- fase de crescimento vegetativo
2. Picagem
- de 8 a 25mm
- partículas grandes dificultam a compactação e ocorre a seleção do
animal
3. Transporte
- até 50% do custo total da silagem
4. Compactação
- retirar o ar das partículas de forragem
- má compactação forma bolsões de ar que desenvolvem fungos e
perda de nutrientes importantes
5. Vedação
- proteger contra a entrada de oxigênio
6. Retirada da silagem
- no mínimo 30 dias para abertura dos silos
- fatias de 15 a 20 cm
Fases do processo de ensilagem
a) Fase de atividade enzimática após o corte e picagem
b) Fase aeróbica
- respiração da planta e quebra das proteínas
- reação de Mailard = escurecimento da silagem
c) Fase anaeróbica ou fermentação
- ausência de oxigênio
- multiplicação de bactérias homoláticas
- 10 a 14 dias de fermentação
d) Fase estável
- 10 a 14 dias estabilizando
- 60% de ácido láctico
O que ensilar?
- Milho (forrageira ideal)
- Cana de açúcar
- Gramíneas
Aula 6 - Pré-secado
O que é?
● Alternativa intermediária ao feno e silagem;
● Permitido o uso de aditivos para garantir a preservação do material;
● Qualidade variável (desvantagem);
● As principais forrageiras utilizadas são o azevém e a aveia.
Obs: bactérias lácticas não vão encontrar um ambiente favorável ao seu
crescimento. Neste modelo de fermentação, abaixar o PH e preservar o material
enfardado não ocorre.
VANTAGENS DESVANTAGENS
Não necessita de barracões para o
armazenamento;
Qualidade variável;
Alternativa mais barata Difícil acesso as principais forrageiras
utilizadas, devido a fatores climáticos;
O pré-secado pode ser deixado à
campo, perto do local de consumo por
até um ano;
A manta de polietileno é o principal
componente do custo
Como fazer:
1) corte da gramínea
2) envolvê-la no dia seguinte em polietileno em fardos de 400 a 500 kg
3) pode ser deixado no campo por até um ano
4) possui de 40 a 60% de água
*O feno possui o dobro de nutrientes que o pré-secado