A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
MONITORIA SAÚDE COLETIVA

Pré-visualização | Página 3 de 5

que ficam doentes.
· Oriundos de uma população sob risco de adoecimento, ao longo de um determinado período de tempo.
*taxa de ataque é frequentemente utilizado, ao invés de incidência, durante uma epidemia de doença em uma população bem definida em curto período de tempo.
· PREVALENCIA (casos antigos + casos novos)
· Descreve a força com que subsistem as doenças nas coletividades
· Descreve a proporção da população afetada por uma doença em um momento determinado.
*a medida da prevalência e da incidência envolve, basicamente, a contagem de casos em uma população em risco.
FATORES QUE PODEM AUMENTAR A PREVALENCIA:
· Maior duração da doença;
· Aumento da incidência;
· Aumento da sobrevida, sem cura;
· Imigração de casos ou emigração de pessoas sadias;
· Melhoria dos recursos diagnósticos;
· Melhoria do sistema de informação.
FATORES QUE PODEM DIMINUIR A PREVALENCIA:
· Menor duração da doença;
· Diminuição da incidência:
· Maior letalidade:
· Imigração de pessoas sadias ou emigração de casos:
· Aumento de taxa de cura.
· TAXA DE MORTALIDADE
É calculada da seguinte forma: 
Taxa de mortalidade geral= n.de óbitos no período X 10n
 População no meio do período
· LETALIDADE
Mede a severidade de uma doença e é definida como proporção de mortes dentre aqueles doentes por uma causa especifica em um certo período de tempo.
· INCAPACIDADE (Consequências).
· Limitações, incapacidade e deficiência.
· Embora difícil de medir, a prevalência de incapacidade vem aumentando.
· Isso ocorre da redução na ocorrência de doenças agudas e fatores ao envelhecimento populacional que, em geral, é acompanhado de algum tipo de incapacidade.
EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE BUCAL / LEVANTAMENTO EM SAÚDE BUCAL:
São estudos que fornecem informações básicas sobre a situação de saúde bucal e /ou sobre as necessidades de tratamento odontológico de uma população, em um determinado tempo e local. OBJETIVO: Conhecer a magnitude dos problemas odontológicos e monitorar mudanças nos níveis e nos padrões das doenças ao longo do tempo. NIVEL ECONOMICO EDUCACIONAL
Ex: HÁBITOS
CULTURA E TRADIÇOES
FATORES BIOLOGICOS
ALIMENTAÇÃO
CARIE
INDICES DE CARIE DENTÁRIA
· CPOD (Dentes Cariados Perdidos e Obturados).
ESCALA DE GRAVIDADE DO CPOD
Prevalência muito alta: maior que 6.5
Prevalência alta: 4.5 – 6.5
Prevalência média: 2.7 – 4.4
Prevalência baixa: 1.2 – 2.6.
*após o primeiro levantamento de condição bucal, a OMS estabeleceu, como meta para o ano de 2010, um cpo-d máximo igual a 3.0
* LEVANTAMENTO EPIDEMIOLOGICO EM SAUDE BUCAL MAIS COMPLETO (2003): Foi um dos mais importantes levantamentos epidemiológicos em saúde bucal. Realizado em parceria com ABO, CFO, CROs, Faculdades de odontologia, secretarias estaduais e municipais de saúde.
IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE PÚBLICA
· Necessidades de políticas públicas objetivando a diminuição de prevalência desses agravos, baseadas na promoção de saúde, prevenção e reabilitação. 
SISTEMA DE INFORMAÇAO EM SAÚDE:
· SINAN: Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Responsável pela sistematização e divulgação de dados referentes as doenças e agravos de notificação compulsória. 
· SIM: Sistema de Informações sobre Mortalidade. Declaração de óbito. 
· SINASC: Sistema de Informações de nascidos vivos.
· SIH: Sistema de Informações hospitalares.
· SIA : Sistema de informações ambulatoriais.
· SIAB: Sistema de informações da atenção básica.
 POMOÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE:
· EDUCAÇÃO EM SAÚDE: É um conjunto de atividades que sofrem influência e modificação. Resgata o ato de cuidar de si e do outro. Implica na conscientização das pessoas para se alcançar a saúde plena sendo, portanto, focada em oportunidade de aprendizagem. É um instrumento para melhoria das condições de saúde da população e pode ser classificada em duas categorias: MACRO OU MICRO.
*MICRO: Realizada em consultório.
*MACRO: Realizada em escolas ou locais coletivos.	
· PROMOÇÃO DA SAÚDE: Ações de educação em saúde e ações do estado para melhorar as condições de vida. 
PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS
PROMOVER: Impulsionar, fomentar, originar, gerar. Refere-se a medidas que não se dirigem a doenças especificas, mas que visam aumentar a saúde e o bem estar. Implica o fortalecimento da capacidade individual e coletiva para lidar com a multiplicidade dos determinantes e condicionantes da saúde.
PREVENIR: Preparar, chegar antes de, impedir que se realize...Exige ação antecipada, baseada no conhecimento da história natural da doença para tornar seu progresso improvável. Projetos de prevenção e educação baseiam-se na informação cientifica e recomendações normativas.
 POLITICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL (PNSB 2004) 
(BRASIL SORRIDENTE)
DESAFIOS: 
· Marco na mudança do foco da atenção em saúde bucal.
· Visando alcançar na melhoria da organização do sistema de saúde.
· Propondo um modelo que se centre nas efetivas necessidades de saúde da população.
· Superar as desigualdades em saúde, por meio da reorganização da pratica assistencial e da qualificação dos serviços oferecidos.
OBJETIVOS DA PNSB:
· Reverter a situação precária vivida pela população brasileira, limitada em seu exercício de cidadania durante décadas.
· Estabelecer as primeiras ações para as políticas públicas de saúde bucal adotadas pelo SUS no Brasil.
LINHAS DE AÇÃO DA PNSB:
· Reorganização da atenção primaria em saúde bucal.
· Ampliação e qualificação da atenção especializada.
· Viabilização da adição de flúor nas estações de tratamento de aguas de abastecimento público. VIGILANCIA E MONITORAMENTO
REESTRUTURAÇÃO E QUALIFICAÇÃO
PROMOÇÃO E PREVENÇÃO
 Centros colaboradores de vigilância em saúde bucal.
Doação de equipamentos odontológicos.
Incentivo em pesquisa em saúde bucal coletiva
Fluoretação das águas de abastecimento público.
 
 
 
UOM (UNIDADE MÓVEIS ODONTOLÓGICAS): Criada com o objetivo de ofertar serviços odontológicos para as populações de difícil acesso aos serviços de saúde (zona rural).
CEO: São unidades de referência para a atenção básica.
· CEO TIPO 1: Três cadeiras odontológicas.
· CEO TIPO 2: quatro cadeiras ou mais.
· CEO TIPO 3: Com 7 ou mais cadeiras odontológicas.
#SAÚDE BUCAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 
· APS
· ACADEMIA DA SAÚDE
· MELHOR EM CASA
· TELESSAÚDE
· CEO
· UPA 24HS
· PROGRAMA RESTAURANTE POPULAR
· CRAS.
Atenção Básica ou atenção primária á saúde caracteriza-se por um conjunto de ações, promoção ou proteção da saúde, prevenção de agravos, diagnostico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde, desenvolvida no individual e nos coletivos, por meio de práticas gerenciais e sanitárias democráticas e participativas. No SUS, se constitui-se como o primeiro nível hierárquico da atenção, que deve estar organizado em todos os municípios do país. 
SAÚDE DA FAMILIA: É uma estratégia de organização da Atenção Básica à Saúde. Procura o fortalecimento da atenção por meio da ampliação do acesso, a qualificação e reorientação das práticas de saúde no modelo de promoção da saúde.
*A atenção odontológica no serviço público prestava assistência a grupos populacionais restritos (como escolas) e o restante da população ficava excluída e dependente de serviços meramente curativos e mutiladores. Por décadas, não havia políticas de saúde bucal no Brasil e a prestação de assistência foi centrada na doença. Grande parte da população brasileira não tinha acesso a cuidados odontológicos. 
 MODALIDADES – ESB
Modalidade I: Cirurgião-dentista; auxiliar em saúde bucal ou técnico em saúde bucal.
Modalidade II: Cirurgião-dentista; auxiliar em saúde bucal ou técnico em saúde bucal;