A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Ovinocultura - Melhoramento genetico em ovinos

Pré-visualização | Página 1 de 1

• Presença de fossa
lacrimal ou glândula sub-
orbital
• Cauda longa e pendente
• Chifres com estrias, base
de inserção triangular e
espiralados
• Perfil nasal convexo nos
ovinos  perfil romano
• presença de lã recobrindo o
corpo  ovinos lanados
• Ausencia de cavanhaque
ou barba no macho
• Quando tem uma
proposta
de melhoramento genético
→ precisa sempre ter em
mente que é necessário →
definir objetivos
• Aptidão carne, leite, lã
• Podem ter dupla aptidão
• O pastoreio é mais
utilizado para as matrizes
por ser mais barato - e
o animal precisa ser mais
rústico, pois o ambiente
aberto tem mais chance de
contaminação
• Borregos costumam ficar
em locais fechados
• Ovinos geram:
- Lã
- Carne (magra e seca)
• Sistema de produção a pasto
• Sistema intensivo
- Pastejo rotacionado
(reprodutores e matrizes)
- Intensivo em confinamento
- Aptidão para carne.
- Essa raça possui um porte
forte, deposita maior
quantidade de massa muscular
“marombado”.
- Possuem alta marmoreio
- Porte médio: carneiro:80/
120 kg e ovelha: 60/90 kg
- White dorper sofre mais com
o sol pois não há pigmentação,
porem tem a carcaça mais
comprida, que gera mais
rendimento de carcaça
Melhoramento 
genético em ovinos
ovinos x caprinos
Introdução
Sistemas de produção
Dorper/ White dorper
- Aptidão para carne
- Possui lã, mas não é de boa
qualidade
- Porte medio
- Reprodução aos 6 meses
- Alta rusticidade – bem
adaptada ao pasto e resistente
- Pele melanizada
- Grande marmoreio
- Aptidão para carne
- Porte grande
- Lã de baixa qualidade
- Se destaca em rusticidade
- Reprodução após os 8 meses
- Precocidade tardia
- Não possui bom marmoreio
Igual a Suffolk, só que esse
apresenta lã em sua face. De resto,
tem as mesmas características
Menos utilizado que o Suffolk,
pois esta no brasil a menos tempo
- Aptidão para carne
(classificado como dupla
aptidão por alguns autores)
- Lã de qualidade média
- Porte médio
- Baixa rusticidade – mucosa
não pigmentada
- Boa precocidade ( ~8 meses)
- Marmoreio intermediário
Melhoramento 
genético em ovinos
Texel
Suffolk
Hampshire Down
Ille de France
- Aptidão pra carne
- Grande porte
- Extremamente rustico
- Utilizado pra aumentar a
rusticidade
- Precocidade tardia
- Baixo marmoreio
- Lã de baixa qualidade
- Dupla aptidão para lã e carne
- Porte médio
- Não possui muito marmoreio
nem deposição muscular
- Boa rusticidade pra pastejo
mas pouca para verminoses
- Reprodução de 5 a 7 meses
- Dupla aptidão para lã e carne
- Porte médio
- Não possui muito marmoreio
nem deposição muscular
- Boa rusticidade pra pastejo
mas pouca para verminoses
- Reprodução de 5 a 6 meses
Melhoramento 
genético em ovinos
Highlander
Corriedale
Romney Marsh
- Animal deslanado com aptidão
para carne.
- Porte médio e pele melanizada
- Rústico com boa adaptação
para pastejo.
- Sua carne não possui
marmorização.
- Base genética do mga no brasil
Santa Inês
- Animal deslanado com
aptidão para carne.
- Porte pequeno
- Extremamente rústico com
boa adaptação para pastejo.
- Alta precocidade
- Base genética do mga no brasil
1) No século XX os preços
internacionais de lã
impulsionaram o crescimento
da ovinocultura no sul do
brasil. O Rio Grande do Sul
(lã) concentrou o maior
contingente ovino brasileiro,
formado principalmente pelas
raças Merino e Ideal (lã), e
especialmente pela raça Corriedale
(mista carne e lã).
2) Na década de 70, tendo em
vista a melhoria da
produtividade e da qualidade de
lã, iniciaram as primeiras
avaliações objetivas para seleção
de ovinos no Brasil. O trabalho de
Seleção levaram a produção média
de lã dos ovinos no Brasil:
- de 1,5 kg nos anos 40,
- a 2,5 kg nos anos 70,
- e 3 kg na década de 90.
Porém teve um problema
3) Nos anos 90 foi marcada
por uma grande crise mundial
no mercado da lã e a já
combalida produção laneira
nacional entrou num processo de
desaparecimento, Crise. (Abertura
do porto e vinha tecido sintético da
china)
4) A partir deste momento é
importante notar que as criações
do nordeste, que anteriormente
eram de subsistência, agora
passam a ter um caráter
comercial e mesmo empresarial.
As raças deslanadas brasileira
(naturalizadas) ganharam
importância devido a sua
rusticidade e adaptação ao
ambiente de escassez alimentar e
estacionalidade reprodutivaNo
início as ovelhas no Brasil
também eram criadas de
maneira polarizada, lá no
nordeste/norte animais para carne
e animais de pequeno porte mais
rústicono sul animais eram
produzidos com objetivo de lã:
corriedale e merinomerino - melhor
lã do mundo (aptidão lã)
Melhoramento 
genético em ovinos
Morada nova
Melhoramento de ovinos
• Refere-se ao produto
oriundo
de animais jovens (4 e 6
meses).
• O peso de abate é 38 a 40
kg
e para ter esse peso nessa
idade → Somente confinando
• As principais
características
a serem melhoradas no
rebanho brasileiro (filhotes)
são:
- Ganho de peso diário
- Redução da idade ao abate
(precisa ter um nível de
gordura mínima)
- Rendimento de carcaça
(carne
e osso em relação a
vísceras)
- Características da carne:
(maciez, suculência, volume)
- Melhorias no ganho de
peso
diário
- Redução da idade ao abate
- O animal mais eficiente
(conversão alimentar)
- Melhoramento
características reprodutivas
- A diversidade de aptidões
dos ovinos pode ser
observada também em
relação às características
reprodutivas.
- Algumas raças
apresentam alta
prolificidade, como as
raças Romanov e Finnsheep
e Morada nova (nativa).
- A seleção intensiva para
aumento do número de
partos duplos e triplos
obteve uma linhagem com
altos índices de partos
múltiplos como nos
BOOROOLA.
- Quanto maior a
prolificidade - o animal
vai precisar de um
ambiente bom e controlado
(fica em lugares fechados)
Melhoramento 
genético em ovinos
Melhoramento de carne
Eficiência
Melhoramento na reprodução
Melhoramento de carne - A resposta técnica mais
adequada → olhando a
conversão alimentar (medida
de quanto o animal aproveita
o alimento para cada kg de
ganho de peso que o animal
deve ter do SU e IF)
- Comem menos para ganhar
peso
Para criar seus cordeiros
as ovelhas precisam de
boa produção leiteira.
Seleção de matrizes com
maior habilidade materna.
A raça mais apta para a
produção de leite é a
Bergamácia, mas devido
ao pequeno número de
animais existentes, a
seleção ficaria prejudicada.
Poderia ser usada no
cruzamento com raças
adaptadas ou mesmo com
animais sem raça definida,
para produção de leite no
Brasil.
No caso das ovelhas
leiteiras, poderia ser
utilizado o mesmo sistema
do rebanho de corte.
Nascimento de cordeiros
pesados para que haja o
desmame rápido.
Na produção leiteira as
características importantes
são:
- Rusticidade
- Volume e qualidade (% de
gordura)
- Conformação do úbere e
tetas para favorecer a
ordenha.
• No Brasil não é comum a
população comprar
alimentos derivados do
leite, ou o próprio leite
• No Brasil quase não tem
Melhoramento 
genético em ovinos
Melhoramento no leite
- Quanto maior a
prolificidade - os animais
vão nascer mais fracos -
maior cuidado é necessário -
ADAPTAÇÃO DE MANEJO