A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
SISTEMA IMUNE

Pré-visualização | Página 1 de 4

Sistema imune 
 RESUMO DO MÓDULO: Mecanismos de agressão e defesa - MAD 
 
1. VISÃO GERAL 
As principais características do sistema imune são especificidade e memória, que juntos são capazes de distinguir o que é 
próprio (pertence ao organismo) do não próprio, e a partir daí organizar uma resposta para os mais variados agentes 
agressores. 
As principais funções do sistema imune são: 
1.Proteger o corpo de invasores causadores de doenças, que são conhecidos como patógenos, e podem ser 
bactérias, vírus, fungos e protozoários unicelulares, além de patógenos maiores como os parasitas multicelulares. 
Praticamente qualquer molécula exógena pode desencadear uma resposta imune (pólen, substancias químicas, 
resíduos de animais, alimentos, esporos de fungos). Essas substancias capazes de desencadear uma resposta imune 
e podem reagir com os produtos desta reação, são conhecidas como antígenos. 
2.Remove células mortas ou danificadas, sendo as células fagocitárias as responsáveis por patrulhar (vigiar) o meio 
extracelular, engolfando e digerindo células velhas e mortas. 
3.Reconhece e remove células anormais, que são frutos do desenvolvimento celular incorreto, como exemplo os 
tumores. 
Em alguns momentos ocorrem falhas no sistema imune, essas disfunções podem ser classificadas em três categorias: 
respostas incorretas, respostas exageradas ou falta de resposta. 
1.Respostas incorretas, ocorrem quando existe uma falha nos mecanismos responsáveis por distinguir o próprio do 
não próprio, como consequência o sistema imune ataca as células anormais do corpo, provocando as doenças 
autoimunes. 
2.Respostas exageradas, conhecidas também como alergias, nestes casos as respostas estão fora de proporção em 
relação a ameaça apresentada pelo antígeno. 
3.Falta de resposta, também conhecidas como imunodeficiências ocorrem quando componentes do sistema imune 
não funcionam adequadamente. Sendo divididas em primária, que são distúrbios herdados geneticamente e as 
imunodeficiências adquiridas que surgir como um efeito colateral de tratamentos medicamentosos ou com 
radiação. 
2. A RESPOSTA IMUNITÁRIA 
O corpo possui duas linhas de defesa, a primeira que corresponde as barreiras físicas e químicas (pele, muco, ácido 
clorídrico) e tem como função impedir que os patógenos adentrem no corpo, caso haja uma falha nesta linha de defesa, a 
resposta imunitária interna será responsável por conter o patógeno. 
Independentemente do patógeno que entrou no corpo, a resposta imune desenvolve os seguintes passos: 
1.Identificação da substancia estranha, 2.comunicação com outras células imunitárias para desencadear uma 
resposta organizada, 3.recrutamento de células que possam ajudar no processo com o intuito de desencadear uma 
resposta efetiva e coordenada, 4.destruição ou supressão do invasor. 
O sistema imunitário se caracteriza pelo extenso uso de sinalização química. A detecção, a comunicação, o recrutamento, a 
coordenação e o ataque as invasores dependem de moléculas sinalizadoras como os anticorpos e as citocinas. Os anticorpos 
são proteínas secretadas por diversas células imunitárias e tem como função reconhecer, neutralizar e marcar(opsonizar) 
antígenos para que eles sejam eliminados ou fagocitados pelos macrófagos. As citocinas são proteínas mensageiras 
liberadas por uma célula, e afetam o crescimento e atividade de outra célula através da liberação de sinais estimulatórios, 
modulatórios e inibitórios que interferem na resposta imunológica. São elas: interleucinas (IL), fator de necrose tumoral 
(TNF), ou interferon (IFN). 
A resposta imunitária humana pode ser dividida em duas categorias, a imunidade inata que está presente desde o 
nascimento, e a imunidade adquirida ou específica que é direcionada aos agente invasores. A imunidade adquirida pode ser 
dividida em celular e humoral (mediada por anticorpos). 
3. ANATOMIA DO SISTEMA IMUNE 
3.1-Órgãos do sistema imune 
O sistema imune tem dois componentes anatômicos: tecidos linfáticos e 
as células responsáveis pela resposta imune. Nestes locais ocorre a 
maturação, diferenciação e proliferação dos linfócitos. Os tecidos 
linfáticos estão distribuídos em todo o corpo e podem ser divididos em: 
tecidos linfáticos primários e secundários. 
Os tecidos linfáticos primários ou centrais são o timo e a medula óssea, 
locais onde as células do sistema imune (linfócitos) se formam e sofrem 
maturação. Alguns tipos de células imunitárias maduras não se 
especializam até sua primeira exposição ao patógeno, essas células 
imunitárias maduras, mas não especializadas são chamadas de células 
“naive” ou virgens. 
Os tecidos linfáticos secundários são divididos em encapsulados e tecidos 
linfáticos difusos não encapsulados. Os órgãos encapsulados correspondem ao baço e aos linfonodos. O baço é eficiente na 
captação e concentração de substancias estranhas transportadas no sangue e eritrócitos velhos. Os linfonodos estão 
associados a circulação linfática; os canais linfáticos estão conectados ao ducto torácico, que tem como função transportar a 
linfa e os linfócitos até a veia cava onde eles serão distribuídos para todo o corpo. Os tecidos linfáticos difusos não 
encapsulados, são agregados de células imunitárias, como exemplo as tonsilas. 
 
Figura 1 (fonte: Coico). Circulação da linfa e destino do antígeno após a penetração através (1) da corrente sanguínea, (2) da pele e (3) dos tratos 
gastrintestinal e respiratório. 
Figura 2 (fonte: Abbas) Maturação e amadurecimento dos LT e LB 
Os linfócitos se desenvolvem a partir de células tronco 
da medula óssea, amadurecem nos órgãos linfoides 
primários ou geradores (sendo que os linfócitos B 
sofrem estágios iniciais de maturação na medula óssea 
e os linfócitos T amadurecem no timo) então circulam 
através do sangue nos órgãos linfoides secundários 
(linfonodos, baço e tecidos linfoides regionais). As 
células T completamente maduras deixam o timo, já as 
células B imaturas deixam a medula óssea e completam seu amadurecimento nos órgãos linfoides secundários. Os linfócitos 
imaturos podem responder aos antígenos estranhos nestes tecidos linfoides secundários ou retornar pela drenagem 
linfática ao sangue e recircular através de outros órgãos linfoides secundários. 
3.2-Células do sistema imune 
Figura 3 – Diferenciação da células sanguíneas 
Todas as células sanguíneas derivam de células tronco 
hematopoiéticas pluripotentes, as células da linhagem mielóide, 
principalmente as que contém grânulos citoplasmáticos estão 
envolvidos com a resposta imune inata. Já as células derivadas 
da linhagem linfoide são responsáveis pelas respostas imunes 
adaptativas. Já as células NK e os fagócitos fazem uma ponte 
entre o sistema imune inato e o adquirido. 
As principais responsáveis pela resposta imune são as células 
brancas do sangue, também conhecidas como leucócitos, são 
divididos em seis tipos básicos (1) eosinófilos, (2) basófilos no 
sangue e mastócitos nos tecidos, (3) neutrófilos, (4) monócitos e 
seus derivados macrófagos, (5) linfócitos e seus derivados 
plasmócitos (6) células dendríticas. 
Existe um grupo funcional de leucócitos chamados fagócitos 
que tem como função engolfar e ingerir seus alvos por 
fagocitose, exemplos deste grupo são os neutrófilos, macrófagos, monócitos e eosinófilos. O segundo grupo funcional é o 
das células citotóxicas, que matam as células atacadas, são exemplos os eosinófilos. O terceiro grupo são as células 
apresentadoras de antígenos (APCs) que exibem fragmentos das proteínas estranhas na sua superfície celular, exemplos 
deste grupo são alguns linfócitos, células dendríticas, macrófagos e monócitos. 
Eosinófilos, encontrados principalmente no TGI, nos pulmões, nos epitélios genital e urinário e no tecido 
conectivo da pele; tem como função proteger o corpo contra invasores parasitas, atacando-os e liberando 
substancias dos seus