A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
RESUMO BIOQUIMICA CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ezequiel Marcos Calixto 
RESUMO BIOQUIMICA – CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO 
 
PRODUÇÃO DE ACETIL-COA 
Piruvato é convertido em acetil-CoA pelo complexo da PDH (3 enzimas, 5 
coezimas) 
1º Descarboxilação do piruvato: piruvato reage com o TPP (E1) forma 
hidroxietil-TPP 
2º Oxidação do grupo hidroxietil a um grupo acetil, redução do dissulfeto do 
lipoato ligado a E2 e o grupo acetil é transferido em uma ligação tioéster a 
um grupo –SH do lipoato reduzido 
3º E2 catalisa a transferência do grupo acetil para CoA formando acteil-
CoA 
4º E3 catalisa a regeneração da forma dissulfeto (oxidada) do lipoato, os 
elétrons passam primeiramente ao FAD e então ao NAD+ 
 5º FADH transfere o íon H ao NAD+ 
 
 
CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO 
 
 
Ocorre na matriz mitocondrial dos organismos eucariontes e no 
citoplasma dos procariontes. É que o conjunto de reações que ocorre na 
matriz mitocôndrial com a finalidade de fornecer substratos que serão 
desidrogenados e descaboxilados. 
Quando ocorre desidrogenação, tem-se a ativação da cadeia respiratória 
(onde temos a síntese de H2O e ATP que armazena a energia liberada 
pela reação ate um momento adequado para sua utilização). Quando 
ocorre descarboxilação, tem-se a liberação de CO2, principal 
metabólito do ciclo de krebs. Para o ciclo da glicose interagir com o 
ciclo de Krebs, há uma reação intermediária a qual transforma-se o 
Piruvato em Acetil-CoA. Nesta etapa, ocorre a entrada de NAD e CoA-
SH. Uma vez transformado em acetil-CoA, não há como gerar glicose 
novamente, sendo este acetil-CoA usado para produzir energia (com 
oxigênio), corpos cetônicos, lipídeos, colesterol e derivados. Quando usado 
para produzir energia, o acetil-CoA vai para o ciclo de Krebs, onde será 
oxidado, produzindo CO2, água e GTP (energia). 
Os produtos da oxidação são oxidados pelo oxigênio na fosforilação 
oxidativa, gerando ainda mais energia. Somado com a glicólise, são 
produzidos 38 ATP por molécula de açúcar. 
O inicio do ciclo de Krebs começa com a entrada de acetil-coA para dentro 
da mitocôndria, o acetil-coA se combina com um acido chamado de 
oxaloacetato através de uma enzima chamada de citrato sintetase, após 
este evento tem-se a saída da coenzima (HS-CoA) e a entrada de H2O, 
dando origem ao citrato que através da enzima aconitase transformará o 
mesmo em isocitrato. 
 O isocitrato sofrerá ação da enzima isocitrato desidrogenase que fará a 
retirada de CO2 e H2 do isocitrato formando o α-cetoglutarato, o H2 que 
saiu aciona a cadeia respiratória a nível de NADH2 que por sua vez produz 
3 ATPs. O α-cetoglutarato será desidrogenado pela enzima α-cetoglutarato 
desidrogenase, formando mais 3 ATPs como NADH2, e através da enzima 
succinato sintetase o HS-CoA volta a se ligar ao α-cetoglutarato formando 
o succinil-coA após este evento tem-se novamente a saída do HS-CoA e a 
entrada de H2O formando o succinato o que irá gerar a formação e um 
GTP. Após estes eventos ocorre então a desidrogenação do succinato 
através da enzima succinato desidrogenase tendo-se então a formação do 
fumarato, com isto tem-se a formação de mais dois ATPs como FADH2, 
então ocorrera à entrada de H2O pela enzima hidratase e a transformação 
do fumarato em malato, e este através da enzima malato desidrogenase 
libera H2 o que ira ativar a cadeia respiratória ao nível de NADH2 gerando 
três ATPs e a transformação de malato em oxaloacetato o que fecha o 
ciclo de Krebs. 
A velocidade do ciclo de krebs e controlado pela quantidade de ATPs 
formados, ou seja, quanto mais ATPs formados menor a velocidade do 
ciclo e quanto menor a quantidade de ATPs formados maior a velocidade 
do ciclo. 
RESUMO: Para cada volta no CK utiliza-se 1 molécula de Acetil- Co-A. 
Em uma volta são acionadas quatro cadeias respiratórias, tendo-se a 
formação de 12 ATPs sendo que destes um será produzido ao nível de 
substrato (GTP). Dois CO2 produzidos. Dois O2 consumidos. 
Embora o ciclo de Krebs tenha um papel central nos mecanismos 
metabólicos de obtenção de energia, seu papel não está limitado à 
conservação de energia. Intermediários possuindo quatro a cinco átomos 
de carbono do ciclo são utilizados como precursores de uma enorme 
variedade de substâncias (reações anapleróticas) 
 
•Na presença de O2, o piruvato entra na mitocôndria e é transformado em 
acetil-CoA (também pode vir da degradação de ácidos graxos ou 
aminoácidos) 
• Acetil-CoA entra no ciclo de Krebs (8 reações) onde a oxidação completa 
dos carbonos da glicose finaliza-se com a liberação de CO2 
• OS elétrons são transferidos para NAD e FAD e serão usados para a 
síntese de ATP 
 • Intermediários do Ciclo de Krebs podem ser utilizados em vias 
biossintéticas (via anfibólica.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.