A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Artrite Reumatoide

Pré-visualização | Página 2 de 2

moveis nos planos superficiais, localizam-se sobre superfícies extensoras articulares, áreas submetidas a pressão. Pode ser identificado um foco de necrose fibrinoide central circundado por fibroblastos.
· Com o uso de métodos diagnósticos com a eletro e a ECG, detectam-se in vitro manifestações da AR em praticamente todas as estruturas cardíacas. Os eventos cardiovasculares isquêmicos ocorrem aproximadamente uma década mais cedo nos pacientes com AR, sugerindo que, assim como o diabetes mellitus, essa doença é um fator de risco independente e significativo para doença arterial coronariana (DAC). 
· Estudos tem mostrado que que indivíduos com AR possuem risco até 3 vezes maior de novo evento cardiovascular do que indivíduos sem doenças inflamatórias. 
· A pleurite e o derrame pleural são mais comuns em pacientes do sexo masculino, com FR em altos títulos e nódulos subcutâneos. Derrame pleural assintomático pode estar presente em até 70% dos pacientes, enquanto sintomas estão presentes em apenas 5%. 
· A síndrome de Caplan ocorre em pacientes com AR e pneomoconiose, sendo caracterizada pelo rápido desenvolvimento de múltiplos nódulos pulmonares. A prevalência da doença inflamatória de pequenas vias aéreas (bronquiolite) na AR é desconhecida. A tomografia computadorizada de alta resolução (TCAR) do tórax é mais sensível do que as provas de função pulmonar para a sua detecção. A bronquiolite sintomática classicamente se apresenta com dispneia e tosse. 
· Os olhos são acometidos em cerca de 15% a 25% dos casos de AR, sendo ceratoconjuntivite seca a manifestação mais comum, afetando cerca de 10% dos pacientes. 
· Manifestações laboratoriais: pode ser detectada no hemograma uma anemia moderada, a concentração sérica de ferro pode estar baixa, enquanto ferritina pode estar elevada por ser um reagente de fase aguda. 
· As provas de atividade inflamatória mais usadas na pratica são a velocidade de hemossedimentação (VHS) e a dosagem da proteína C reativa (PCR). É importante lembrar que a PCR a VHS variam também de acordo com a idade e o sexo, e a VHS pode sofrer a influência de vários fatores, incluindo hemoglobina, gravidez e hipoalbunemia. 
· Exames de imagem: radiografia convencional, ressonância magnética e ultrassonografia. 
· Diagnóstico da AR é basicamente clínico, não existindo exame complementar, seja laboratorial, de imagem ou histopatológico, que isoladamente possa confirma-lo ou descarta-lo. O diagnóstico é estabelecido considerando-se as manifestações clinicas e os exames complementares. 
· Nas espondiloartrites é comum o acometimento das articulações sacroiliacas e da coluna lombar, diferindo-as da AR, que raramente acomete essas articulações e, quando faz, é de maneira mais discreta e tardia. 
· Uma avaliação inicial sistemática deve incluir os seguintes parâmetros:
-Sintomas de atividade da doença
-Exame físico
-Laboratório
-Avaliação do estado funcional e da qualidade de vida (questionários padronizados)
-Exames de imagem
· Tratamento