A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Valvopatias Aórticas

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
Valvopatias Aórticas 
- ESTENOSE AÓRTICA - 
® Área valvar normal: 3-4 cm2; 
® A válvula aórtica está estenosada quando 
< 3cm2; 
à Mas é considerada uma estenose grave < 
1 cm2; 
® Etiologia: 
à Degeneração senil: > 75 anos; 
| Depósito de cálcio; 
à Congênita: 
| Válvula aórtica bicúspide (mais comum); 
| Esses pacientes geralmente apresentam 
dilatação de aorta; 
| Geralmente, se desconfia em pacientes 
de 40-50 anos que possuem estenose 
aórtica isolada e que não apresentariam 
degeneração senil; 
| Hipertrofia + exuberante; 
à Febre reumática: 
| Desconfia de dupla lesão (já que a febre 
reumática é a causa mais comum de 
valvopatias mitrais); 
| Fusão de comissuras; 
® Fisiopatologia: 
à Obstrução da via de saída do VE; 
à Problema da sístole ventricular; 
à Aumenta a pressão dentro do VE; 
à Vai causar a hipertrofia do ventrículo; 
 
 
à Diminuição da pressão da raiz da aorta; 
à Dilatação ventricular (fase 
descompensada, avançada); 
à Queda da FE; 
® Tipos de estenose aórtica: 
à Estenose aórtica grave: 
à AVA ≤ 1cm2 (diretriz americana e 
brasileira) e < 0,8 cm2 (pela diretriz 
europeia), o ideal é individualizar p/ 
cada paciente (pacientes maiores 
espera AVA maior); 
à Gradiente (diferença de pressão) entre 
VE e aorta: ≥ 40mmHg; 
à Se o paciente tiver IC (VE dilatado) o 
gradiente vai ser menor, mas o quadro é 
grave. Por isso que, o melhor critério para 
avaliar a estenose é a AVA; 
à Estenose aórtica c/ baixo gradiente: 
| Estenoses graves, mas que mesmo assim 
apresentam gradiente baixo; 
| Estenose aórtica de baixo fluxo/gradiente 
(clássica); 
 
 
 
| Estenose aórtica de baixo gradiente 
paradoxal; 
 
® Quadro clínico: 
à Angina (devido à baixa pressão de 
sangue na aorta e consequentemente em 
seus ramos); 
| ¯ oferta (devido à estenose) ­ consumo 
(pela hipertrofia do ventrículo); 
| 35% dos pacientes que possuem EA por 
degeneração, possuem também DAC e a 
angina pode ser decorrente dessa 
situação; 
Hipertrofia concêntrica: acontece nos 
casos de sobrecarga de pressão 
(estenoses); 
 
Hipertrofia excêntrica: acontece nas 
sobrecargas de volume (insuficiências); 
Paciente c/ disfunção de VE, FE 
diminuída (< 50%), AVA ≤	1cm2 e 
gradiente < 40mmHg; 
 
P/ identificar se a estenose do 
paciente é grave, melhora a FE, se a 
AVA aumentar e o gradiente diminui = 
pseudoestenose aórtica (fluxo 
sanguíneo baixo pela IC); 
Se, ao melhorar a FE, a AVA continua 
baixa = estenose aórtica grave; 
 
Realizar um ECO c/ dobutamina: ­ 
gradiente ≥	10mmHg s/ alterações 
relevantes na AVA = estenose grave; 
Paciente c/ FE > 50%, AVA ≤ 1cm2, 
cavidade ventricular reduzida e 
gradiente reduzido; 
 
Submeter o paciente à uma TC que 
avalie o grau de calcificação da 
válvula aórtica, se > 2000 agatston 
(quantidade de calcificação) em 
homens ou > 1250 agatston em 
mulheres = estenose aórtica importante; 
 
 
 
 
 
2 
à Síncope: o DC na estenose aórtica é fixo 
então c/ o esforço, a entrega de sangue e 
O2 não será suficiente p/ o cérebro; 
à Dispneia; 
à Bisu: SAD (síncope, angina e dispneia); 
® Estágio das valvopatias: 
à A: valva aórtica bicúspide, mas c/ 
velocidade máx < 2m/s; 
à Ainda não tem a doença estabelecida; 
à B: estenose leve/moderada; 
à C: estenose importante, assintomática; 
à D: estenose importante, sintomática; 
® Exame físico: 
à Cuidado c/ pacientes 
pseudoassintomáticos (pacientes idosos 
que acham que as limitações são 
consequências da idade, mas não são); 
à Ictus de VE propulsivo; 
à Mas se o coração estiver aumentado e 
tiver perdido FE pode apresentar ictus 
difuso; 
à Em fase de hipertrofia concêntrica: B4; 
à Em fase de hipertrofia excêntrica (ou fase 
dilatada): B3; 
à Também pode apresentar B3 e B4 ao 
mesmo tempo; 
à Pulso parvus et tardus (baixa amplitude e 
duração prolongada); 
à PA convergente (PAS e PAD se 
aproximando); 
| PAS – PAD = < 30 mmHg; 
à Aumento da onda A no pulso venoso 
(referente à contração atrial); 
à Frêmito sistólico no foco aórtico; 
à Sopro sistólico, ejetivo, em diamante (em 
crescendo e decrescendo), c/ irradiação 
p/ as fúrculas e carótidas; 
à Fenômeno de Gallavardin: sopro sistólico 
no contexto de estenose aórtica que é 
também auscultado no foco mitral; 
à Manobra de Handgrip: paciente cerra os 
punhos, isso faz c/ que aumente a 
resistência vascular sistêmica, 
aumentando também a pressão na aorta, 
diminui a diferença de pressão entre 
aorta e VE e por fim, diminui o sopro = 
estenose aórtica. Se não diminuir o sopro 
é IM; 
® Sinais de gravidade da estenose aórtica: 
à Sopro c/ pico tardio; 
à Desdobramento paradoxal de B2; 
à Pulso parvus et tardus; 
à B4; 
® Complicações: 
à Embolia sistêmica (desprendimento de um 
“pedaço” de cálcio); 
à Endocardite infecciosa; 
à Hemorragia digestiva baixa; 
| Síndrome de Heyde (pacientes idosos): a 
estenose aórtica promove a deficiência 
do fator de Von Willebrand (formação do 
tampão plaquetário) em pacientes que 
tinham displasia intestinal s/ sangramento. 
Precisa trocar a válvula; 
® Exames complementares: 
à ECG: 
| Sobrecarga de AE e VE; 
à Raio-x de tórax: 
| Na fase inicial (concêntrica) não vai ter 
alteração ou vai estar um pouco 
aumentada; 
à Teste ergométrico: 
| Estenose aórtica grave, mas o paciente é 
assintomático; 
| P/ diferenciar assintomático de 
pseudoassintomático; 
à ECO: 
| Principal método diagnóstico; 
| Confirma a estenose, avalia a 
calcificação, função e a hipertrofia 
ventricular; 
| Capaz de ditar a conduta: 6/6 meses na 
grave, anualmente na moderada e 2/3 
anos na leve; 
| Se identificar AVA < 0,7cm2 = estenose 
aórtica crítica (tem que intervir): 
à ECO c/ dobutamina: 
| Estenose aórtica de baixo 
fluxo/gradiente; 
à Cateterismo cardíaco: 
| Pré-operatório p/ troca valvar > 40 
anos; 
à TC multidetectores; 
 
 
 
3 
à Score de cálcio; 
® História natural: 
à Fase assintomática: 
| < 1% de chance de óbito; 
| > risco: hipotensão na ergometria, 
disfunção sistólica do VE, HVE excessiva e 
AVA < 0,7 cm2; 
| Mortalidade na cirurgia 3-5%; 
à Fase sintomática: 
à Expectativa de vida em estenose grave 
associada à: 
I – 2 (IC – 2 anos se não operar); 
S – 3 (síncope – 3 anos se não operar); 
A – 5 (angina – 5 anos se não operar); 
® Tratamento clínico: 
à Pouco efetivo, não altera mortalidade; 
à Serve de ponte p/ o tratamento cirúrgico; 
à Evitar BB; 
à Cuidado c/ vasodilatadores; 
à Anticoagulação (se FA); 
à Se indicada, profilaxia p/ endocardite e 
febre reumática; 
® Tratamento cirúrgico: 
à Troca valvar ou implante de prótese (são 
os únicos tratamentos efetivos); 
à Válvula mecânica: 
à Dura mais; 
à Necessita de tomar anticoagulante; 
à Indicado p/ pacientes jovens (p/ evitar a 
reincidência de cirurgias); 
à Válvula biológica: 
à Dura menos; 
à Não precisa tomar anticoagulante; 
à Indicado p/ pacientes idosos; 
à Mas se for um paciente idoso que já tem 
indicação de tomar anticoagulantes, é 
melhor colocar a mecânica (individualizar 
o tratamento); 
à TAVI: 
| Indicação classe I; 
| Válvula que coloca pelo cateterismo, 
melhor resultado em pacientes idosos do 
que cirurgia de peito aberto; 
| Estenose aórtica + sintomáticos c/ 
recomendação de troca valvar, mas 
possui alguma contraindicação p/ o 
procedimento convencional; 
| Pacientes de risco intermediário ou alto 
(como alternativa à cirurgia de peito 
aberto); 
à Valvoplastia percutânea c/ balão: 
| Procedimento de exceção; 
| Ponte p/ cirurgia; 
| Paciente de alto risco ou s/ condições 
cirúrgicas por comorbidades; 
 
- INSUFICIÊNCIA AÓRTICA - 
® Refluxo de sangue p/ o VE durante a 
diástole; 
® A válvula aórtica não fecha completamente; 
® Cardiomegalia (os. maiores corações da 
cardiologia); 
® Etiologia: 
à Doença da raiz da aorta: 
| Dissecção de aorta; 
| Síndrome de Marfan; 
| Aortite sifilítica; 
| Espondilite anquilosante; 
| Osteogênese imperfeita; 
| Síndrome de Ehlers-danlos; 
| Aneurismas relacionados