A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Antibioticos - Antimicrobianos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Substâncias químicas produzidas
capazes de agir como tóxicos
seletivos, inibindo o crescimento
ou destruindo bactérias e outros
microorganismos
• Bactericidas: São
substâncias que promovem a morte
do microorganismo (existe efeito
pós antibiótico)
• Bacteriostáticos: São
substâncias que promovem a
inibição da multiplicação do
microorganismo
• Espectro estreito: atingem
gram +
• Espectro ampliado ou
estendido: atingem gram + e
apenas algumas gram –
• Amplo espectro: larga
variedade de gram + e também
gram – (atingem inclusive
bactérias não patogênicas
necessárias ao organismo)
• Inibem a síntese da parede
(betalactâmicos, polipeptídeos e
glicppeptídeos)
• Alteram a permeabilidade da
membrana
(polimixinas)
Antibiótico
Introdução • Inibem a síntese protéica
(aminoglicosídeos, lincosamidas,
anfenicois, tetraciclinas,
macrolídeos)
• Interferem na síntese de ácidos
nucléicos
(fluoroquinolonas, metronidazol,
rifamicina, sulfonamidas)
• Betalactâmicos
- Penicilinas
- Cefalosporinas
- Monobactâmicos
- Carbapenêmicos
• Glicopeptídeos
• Polipeptídeos (não beta
lactâmicos)
- Vancomicina (glicopeptídeo)
- Bacitracina (polipeptídeo)
- Possuem o anel
beta tactamico
• Mecanismo de ação
- Inibem a síntese da parede
celular
- Atuam em diferentes fases desta
síntese
- Sem parede celular ocorre lise
osmótica
Mecanismo de ação
Espectro de ação
Inibem a síntese da parede
Betalactâmicos
Mecanismo de resistência
bacteriana a betalactamicos
• Produção de enzimas que
quebram o anel betalactâmico
(chamadas betalactamases ou
penicilinases) - * mais
importante
• Parede celular com
modificações em porinas (Gram -)
(porinas alteradas)
• Alteração do sítio-alvo de ação
que são as proteínas ligantes de
penicilina
• Naturais
(Benzilpenicilina e seus derivados e
fenoximetilpenicilina)
• Semissintéticas
(aminopenicilinas: amoxicilina e
ampicilina, outras)
• Naturais:
- Penicilina G
(*) a letra maiúscula G indica
origem natural, obtida do fungo
- Penicilina G cristalina,
- Penicilina G benzatina
- Penicilina G procaína
- Penicilina V
• Penicilina G (benzilpenicilina)
= natural
- Instável por via oral (anel
beta-lactâmico é destruído pelo
ácido estomacal- 80 a 85%)
Antibiótico
- Elevada concentração nos tecidos
(exceto SNC)
- Derivados: penicilina
benzatina, penicilina procaína
- formas de depósito
- A benzilpenicilina benzatina
(benzetacil) apresenta uma
solubilidade extremamente baixa
com consequente liberação lenta a
partir do local de administração
- Espectro: gram positivas,
algumas gram negativas,
espiroquetas e actinomices
- A benzilpenicilina benzatina
administrada por via
intramuscular forma um depósito
nos tecidos musculares. A partir
destes depósitos ela é lentamente
absorvida e sua liberação é lenta,
pode durar de 12 horas a vários
dias, e proporciona, no sangue,
concentrações relativamente baixas
mas persistentes.
- Antes de iniciar-se terapêutica
com penicilinas, deve se
questionar história anterior de
hipersensibilidade às penicilinas,
cefalosporinas ou outros
alérgenos.
• Penicilina V
Penicilina V (fenoximetil
penicilina) é gastroresistente
podendo ser administrada por via
oral
- Potencil Premix®
Penicilina
• Semissintéticas
- Penicilinas semissintéticas:
desenvolvidas a partir da estrutura
básica das penicilinas naturais
- Necessidade de antibióticos
resistentes às betalactamases
bacterianas e necessidade da
ampliação do espectro de ação para
bactéria Gram-negativas.
• Aminopenicilinas
- Ex: amoxicilina, ampicilina
- Penicilinas de largo (amplo)
espectro: Gram + e Gram –
- São sensíveis às betalactamases
e assim, destruídas por estas
enzimas
- Amoxicilina pode ser
administradas por via oral =
resiste ao ácido
- Amoxicilina boa absorção no
trato digestório atingindo até 90%
(biodisponibilidade)
Betalactâmicos
• Betalactamase que age em
penicilina  penicilinase
• Betalactamase que age em
cefalosporina  cefalosporinase
• Inibem as enzimas
betalactamases
• Ácido clavulânico e sulbactam,
tazobactam
• São associados, por exemplo à
amoxicilina
• Efeito sinérgico atingindo assim,
bactérias produtoras de
penicilinases
Antibiótico
• São betalactâmicos
• Tratamento caro
• Subdivididos em:
- Primeira geração
- Segunda geração
- Terceira geração
- Quarta geração
- Quinta geração (recém
disponível no Brasil)
• Primeira geração
- Espectro: gram + (semelhante
às penicilinas G e V) e alguns
gram -
- Inferiores às penicilinas
- Ex: cefalexina, cefadroxila,
cefazolina
• Segunda geração
- Espectro: atividade melhorada
em relação às gram – e bacilos,
menos efetivas contra estafilococos
- Ex: cefuroxima, cefoxitina
• Terceira geração
- Espectro: gram + e gram –
(‘KEEPS”) e pseudomonas, porém
não contra estafilococos
- “KEEPS”- Klebsiella, E.coli,
Enterobacter, Proteus, Serratia
(não patogênicos para o trato
gastrointestinal)
- Ex: Cefovecima (Convenia),
Inibidores de betalactâmicos
Cefalosporinas
• Quarta geração
- Possivelmente mais efetivos
que
a 3ª geração, contra
microorganismos “KEEPS” e
pseudomonas
- Maior estabilidade frente às
betalactamases
- Ex: Cefepime
• Quinta geração
- Recém disponível no Brasil
- Ativas contra estafilococos
meticilina resistentes
- Pneumonia adquirida da
comunidade
- Infecções de pele de difícil
tratamento
- Ex: ceftarolina
• Bacitracina
• Mecasnismo de ação
- Inibe a síntese da parede
- Parece lesar a membrana
citoplasmática (???)
- Resistência à bacitracina é rara
Bactericida
• Espetro: bactérias Gram-
positivas e pouco Gram -
• Efeitos adversos:
Nefrotoxicidade (em uso
sistêmico)
• Uso tópico devido à toxicidade
Antibiótico
• Vancomicina
• É um glicopeptídeo
(Vancocina®, Vancomicina® -
somente humanos)
• Altamente hidrossolúvel não
sendo absorvida no trato
grastrointestinal, mas é ativo no
lúmem
• Efeitos adversos: Ototóxica
(perda auditiva irreversível) e
nefrotóxica, neurotóxica
• Alteram a permeabilidade da
membrana
• Polimixina
- Espectro: principalmente Gram-
negativas (bactericidas)
- Excreção: renal por filtração
glomerular
- Efeitos adversos:
Nefrotoxicidade e neurotoxicidade
(somente B e E persistem no
mercado)
- Mecanismo de ação: Atuam
primariamente nas membranas
Ligam-se a componentes do
envelope celular como fosfolipídeos
e lipopolisacárides, deslocando
competitivamente os íons Ca e Mg
que agem como estabilizadores da
membrana, ocasionando morte da
bactéria.
• Rara resistência
Polipeptídeos
Glicopeptídeos
Alteram a permeabilidade
• Indicações terapêuticas
- Uso tópico (toxicidade)
Soluções otológicas - associações
Lidosporin®, Panotil®
- Soluções oftálmicas
Maxitrol®, Ofticor®
• Tetraciclinas (Tetraciclina e
Doxiciclina)
• Macrolídeos (Eritromicina, e
azitromicina)
Lincosamidas (Clindamicina)
• Anfenicóis (Cloranfenicol)
• Aminoglicosídeos
(Gentamicina, Tobramicina, neomicina)
• Mecanismo de ação
- Ribossomo bacteriano é um pouco
diferente do humano
- Duas subunidades: 70S (30S e 50S)
(em humanos 80S: 40S e 60S)
- Fármacos atuam no ribossomo
bacteriano e não no humano
- Em altos níveis podem exercer efeitos
tóxicos no hospedeiro, por interação
com o ribossomo da mitocôndria que é
mais parecido com o da bactéria
Antibiótico
• Interferem a síntese de acido
Nucleico
• Bactrim
- É uma junção de sulfametoxazol
(sulfa) com o trimetoprima
- Sulfas inibem a produção de ácido
fólico e ácido fólico é importante para
a síntese de purina (adenina e
guanina)
- O sulfametaxazol inibe a primeira
enzima da via
- O trimetoprima inibe a segunda
enzima da via
- Assim a bactéria não consegue fazer
ácido fólico e não consegue fazer
purinas (adenina e guanina)
- Sem estas purinas não constrói o
DNA e RNA
Interferem a síntese de AN
Inibem a síntese proteica
Grupo Mecanismo de inibição da sínteseprotéica
Aminoglicosídios Inibem a síntese protéica (ligam-seà subunidade 30s do ribossomo)
Macrolídeos Inibem a síntese protéica (ligam-seà subunidade 50s do ribossomo)
Lincosamidas Inibem a síntese protéica (ligam-seà subunidade 50s do ribossomo)
Anfenicóis Inibem a síntese protéica (ligam-seà subunidade 50s do ribossomo)
Tetraciclinas Inibem a

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.