A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Bioquímica Clínica - Relatório de aula prática

Pré-visualização | Página 1 de 1

–
Aluna: Karisse de Fatima Farias 
Professoras: Vládia Borella e Paula Lima 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Introdução: 
 
Para que não ocorressem danos à integridade física dos alunos e professores 
envolvidos, houve, de início, a verificação de EPI’s dos envolvidos na aula prática de 
bioquímica. Luvas, touca, jaleco e máscaras. 
Em seguida, foi proposto a nós, alunos, duas atividades: coleta de amostras 
sanguíneas a vácuo (punção venosa) e pipetagem de reagentes (na aula em questão, 
detergente foi utilizado para simular o reagente). Uma amostra sanguínea coletada 
corretamente e com o menor trauma possível ao paciente e aos componentes da amostra é 
de fundamental importância na rotina laboratorial, pois uma amostra sanguínea coletada de 
forma incorreta causa traumas ao paciente e pode inviabilizar a dosagem de analitos e 
impossibilitar a avaliação de exames hematológicos, como, por exemplo, quando há 
hemólise na amostra. 
Em relação à pipetagem: a pipetagem de reagentes e de amostras é de 
fundamental importância na rotina laboratorial, pois uma pipetagem feita, por exemplo, com 
bolhas ocasionadas pelo reagente, pode alterar significativamente as dosagens de testes 
bioquímicos e prejudicar a qualidade laboratorial. 
 
 
Objetivos: 
 
Realização da coleta a vácuo através de punção venosa corretamente e saber como pipetar 
os reagentes e as amostras, além de saber diferenciar as capacidades de cada pipeta 
utilizada. 
 
 
Materiais e métodos utilizados: 
 
Para realizar a coleta: 
 
Materiais utilizados: garrote, agulha, adaptador (canhão) para a agulha, dois 
chumaços de algodão, um molhado com álcool, para assepsia do paciente e outro para 
pressionar o local da coleta, após a coleta, tubo com EDTA e blood stop. 
Realização do procedimento: com o paciente sentado confortavelmente e sem 
as pernas cruzadas, coloca-se o garrote, primeiro em um braço e depois no outro, para 
verificar qual veia é mais viável para a coleta. Escolhida a veia, é aconselhável que todo o 
material para a coleta já esteja preparado (agulha encapada no adaptador, algodões já 
preparados e tubos já separados). Faz-se a assepsia do braço do paciente com o algodão 
molhado em álcool, de baixo para cima. Desencapa-se a agulha. Com o bisel da agulha 
voltado para cima, punciona-se a veia do paciente com a mão do adaptador o mais firme 
possível, para que o paciente não sinta dor, coloca-se o tubo de coleta no adaptador e 
observa-se o nível de sangue que encherá o tubo. Quando o tubo estiver suficientemente 
cheio, retira-se o garrote, posteriormente ejeta-se o tubo do adaptador, retira-se a agulha da 
veia do paciente e pressiona-se o local da punção com o algodão sem álcool. Quando o 
sangue estiver coagulando, põe-se o blood stop e pede-se ao paciente que continue 
pressionando o local com o algodão. Findada a coleta, faz-se necessário o descarte do 
material utilizado: a agulha reencapada é descartada no lixo perfurocortante e os algodoes, 
no lixo contaminante. 
 
 
 
Para realização da pipetagem: 
 
 Materiais utilizados: micropipetas, tubos de ensaio vazios e com detergentes, béquer 
com detergente e ponteiras. 
 Realização do procedimento: identifica-se a capacidade de cada pipeta. 
Posteriormente, coloca-se a ponteira na pipeta, pressiona-se a pipeta até o primeiro nível e a 
insere no béquer contendo o reagente. Solta-se o dedão gradativamente para que o líquido 
adentre a ponteira sem que ocorra formação de bolhas e retira-se a ponteira do frasco 
contendo reagente. Transfere-se o conteúdo pipetado para o tubo desejado. 
 Pipetagem reversa: ao invés de pressionar o dedão até o primeiro nível, antes de 
colocar a ponteira no béquer contendo reagente, pressiona-se a pipeta até o segundo nível e 
a insere no frasco contendo reagente. Solta-se o dedão até o primeiro nível, primeiramente, 
e posteriormente, até o segundo nível. Ao colocar o reagente no tubo desejado, despreza-se 
o líquido somente até o primeiro nível. Esse procedimento é indicado para reagentes que 
fazem uma quantidade excessiva de bolhas.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.