A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
AP2 PPF

Pré-visualização | Página 1 de 3

CENTRO UNIVERSITÁRIO FAMETRO - UNIFAMETRO 
GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
AP2 PRÓTESE PARCIAL FIXA 
 
 
 
 
 
Rafaela Alves Castro 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fortaleza – CE 
2020
CENTRO UNIVERSITÁRIO RAFAELA ALVES CASTRO 
FAMETRO – UNIFAMETRO 
 
A P 2 P R Ó T E S E P A R C I A L F I X A 
1.Paciente C.O.V.I.D. de 41 anos de idade, normosistêmico, apresentou-se na Clínica 
Odontológica da Unifametro para tratamento reabilitador oral, após tratamento e 
controle periodontal, relatando incômodo no elemento dentário 23. Após exame clínico 
e radiográfico, constatou-se fratura a nível gengival da coroa do dente supracitado e 
apresentava tratamento endodôntico adequado, com odontometria do canal obturado de 
18mm. Foi observado também infiltração das coroas protéticas metalocerâmicas dos 
elementos 14 e 24, que já apresentavam núcleos intraradiculares satisfatórios, margens 
cervicais escurecidas, necessitando substituição das coroas. 
Descreva o plano de tratamento (dividido por sessões) para confecção das Próteses 
fixas, desde o primeiro contato com a paciente até a cimentação das próteses e 
proservação. Relate, ENUMERANDO, as condutas e procedimentos realizados em cada 
sessão, contemplando o passo a passo para confecção da prótese, a técnica de confecção 
da prótese provisória indicada para o caso, confecção de núcleo, seleção de cor, 
moldagem, prova da cerâmica e cimentação (incluindo citação das fases laboratoriais 
entre as sessões), além dos materiais e/ou instrumentais utilizados em cada sessão. 
Recursos ilustrativos: 
Desenhe e identifique por escrito as brocas, instrumentais, medidas de desobturação 
do(s) dente (s), materiais de moldagem, escalas de cor e cimentos. Legendas e materiais 
diferentes devem ser feitos de forma colorida para facilitar o entendimento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CENTRO UNIVERSITÁRIO RAFAELA ALVES CASTRO 
FAMETRO – UNIFAMETRO 
 
A P 2 P R Ó T E S E P A R C I A L F I X A 
1º Sessão 
1º Passo: Exame Clínico, Físico e Radiográfico: 
Exame Clínico: A anamnese é o processo inicial do primeiro contato do profissional 
com o paciente, através dela, podemos conhecer a queixa principal do paciente para que, 
ao final do tratamento, seja garantido que essa queixa seja atendida. Também podemos 
conhecer e analisar o seu estado de saúde geral e a presença de hábitos parafuncionais. 
A anamnese também é importante para analisarmos o perfil psicológico do paciente, o 
qual está estritamente relacionado com o sucesso do tratamento restaurador. O exame 
clínico é bastante criterioso e deve ser registrado no prontuário do paciente, como 
registro e segurança dos envolvidos. 
Exame Físico: Este exame busca avaliar o paciente extra e intraoralmente. 
Extraoralmente devemos observar: o aspecto facial na presença de alguma assimetria. A 
articulação temporomandibular (ATM) deve ser avaliada, assim como os músculos da 
mastigação. Intraoralmente, se faz necessário observar os tecidos moles da cavidade 
bucal (mucosas, língua e tecidos de revestimento dos rebordos) e a presença de 
exostoses ósseas, alteração salivar e presença de lesões. Além de analisarmos a 
condição dos dentes do paciente, verificando se há restaurações, dentes já extraídos, 
infiltrações, próteses existentes, entre outros. 
Exame Radiográfico: Para complementar o exame clínico, faz-se necessário também a 
realização de radiografia panorâmica como exame inicial e para auxiliar no diagnóstico 
da condição atual do paciente faz-se necessária a realização de radiografia periapical do 
elemento 23 para analisarmos a endodontia, fazer odontometria do dente fraturado. 
2º Passo: Dá-se início ao tratamento propriamente dito, após realizar o diagnóstico 
protético e definição do plano de tratamento junto ao paciente. 
Diagnóstico: Dente 23 com fratura a nível gengival da coroa e apresentava tratamento 
endodôntico adequado, com odontometria do canal obturado de 18mm. 
Tratamento: Pino intrarradicular de Fibra de vidro + provisório com dente de estoque e 
definitivo coroa metalfree. 
CENTRO UNIVERSITÁRIO RAFAELA ALVES CASTRO 
FAMETRO – UNIFAMETRO 
 
A P 2 P R Ó T E S E P A R C I A L F I X A 
Diagnóstico: Dentes 14 e 24 com infiltração das coroas protéticas metalocerâmicas, 
com núcleos intrarradiculares satisfatórios, margens cervicais escurecidas, necessitando 
substituição das coroas. 
Tratamento: Remoção das coroas metalocerâmicas defeituosas, reajustes dos preparos 
de metalocerâmicas para metalfree, provisórios com dente de estoque e definitivo coroa 
metalfree. 
Iniciaremos com o Elemento 23 
3º Passo: Desobturação do canal e instalação do pino de fibra de vidro apenas do 
elemento fraturado 23 
Elemento 23: Desobturação de 2/3 do canal radicular (12mm) pois o mesmo apresenta 
18mm de odontometria. Utilizamos as brocas Largo nº 2 e nº 1 para desobturar, 
seguindo os critérios de comprimento de pino. Devido ser uma área estética optamos 
utilizar como retentor intrradicular, um pino de fibra de vidro que foi preparado para 
melhor se ajustar ao canal radicular e cimentado com cimento resinoso dual de 
coloração A2. 
4º Passo: Preparo para coroa metalfree após a instalação do pino de fibra e vidro 
Será adicionado uma resina de carga para fazer o núcleo do preparo para coroa total 
metalfree, o retentor intrarradicular e tecido dentário coronário remanescente foram 
preparados sob alta rotação e boa refrigeração com broca diamantada 4138, realizando 
os desgastes necessários em todas as faces do preparo coronário, mantendo a 
convergência/expulsividade oclusal, ângulos internos arredondados e término cervical 
ombro arredondado com broca, respeitando o espaço biológico periodontal. 
5º Passo: Confecção do Provisório através da Técnica direta com dente de estoque 
do elemento 23 
Inicialmente é escolhido o dente de estoque para o provisório, que será feito na técnica 
direta. Prepara-se o dente de estoque e prova no preparo realizado: o dente de estoque 
será desgastado pela cervical e palatina. É necessário buscar nivelamento incisal e o 
alinhamento vestibular, para que o dente provisório fique de forma adequada na arcada. 
Adaptaremos a faceta com resina acrílica (materiais: pincel, pote dappen, o líquido e o 
pó da resina acrílica), mas antes vaselinaremos o preparo para que não grude a resina no 
dente serão feitos movimentos de vai e vem após construirmos a concha palatina e 
precisamos ficar observando a mordida do paciente (oclusão), para que o dente em 
construção fique em contato conveniente com o dente antagonista. Remove-se com a 
broca minicut todo excesso de resina acrílica. Faz o reembasamento do provisório com 
resina acrílica. Retira-se o excesso de resina e depois, prova o dente novamente, 
verificando a oclusal para fazer ajustes se necessário e a estética do dente simulando os 
defeitos dos dentes naturais do paciente. Faremos acabamento com discos de lixa e 
borrachas de polimento, após faremos a cimentação temporária com hidróxido de 
cálcio. 
 
CENTRO UNIVERSITÁRIO RAFAELA ALVES CASTRO 
FAMETRO – UNIFAMETRO 
 
A P 2 P R Ó T E S E P A R C I A L F I X A 
6º Passo 
Elementos 14 e 24: remoção das coroas metalocerâmicas defeituosas com saca prótese. 
Limpeza