A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Atividade das aulas 4 e 5

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aluno: Wagner Felidré Negrão da Silva - Matrícula: 201704940043
Esta resenha busca fazer uma análise do artigo “Uma análise de gênero a
partir de dados da Sociedade Brasileira de Computação", o qual foi publicado em
2019. Esse artigo tem como objetivo realizar uma análise quantitativa a partir dos
dados das pessoas associadas à SBC com ênfase em gênero, investigando as
seguintes categorias: localização, tipo de associação e áreas de interesse na
computação.
Para realização desse artigo foram levantados dados do ano de 2018 dos
associados à Sociedade Brasileira de Computação (SBC), foi obtido um total de
6963 associados, esses associados são divididos em categorias como, fundador,
efetivo, honorário, estudante e institucional. Eliminando as outras categorias e
obtendo apenas pessoas do sexo masculino e feminino, temos que 1.509 menbros
são sexo feminio e 5390 para sexo masculino, isso apresenta que 78.13% dos
associados são do sexo masculino e 21.87% são do sexo feminino.
Os dados apresentados referentes aos associados já evidencia a disparidade
quantidade de gênero na área da computação, e apontam o desequilíbrio da
diversidade e inclusão do público feminino e de gênero na área, compreende-se que
a premissa de que o ambiente da computação possui mais homens do que mulheres
infelizmente é real.
Para a análise de associados por área de interesse, foi feita um levantamento
e como resultado obteve-se que o top 5 escolhidos por participantes do sexo
feminino são: Sistemas de Informação, Sistemas Multimídia e Hipermídia, Sistemas
colaborativos, Informática na Educação e Interação Humano Computador. Estas
áreas são definidas como relacionadas a soft-skill, enquanto as top 5 áreas como
menor proporção de mulheres está relacionada a hard-skill. Esse dado fica evidente
quando olhamos os ambientes das empresas, muitas empresas não possuem
mulheres em certos ambientes e se possuem são poucas, apenas para fazer uma
“obrigação” imposta pela comunidade de desenvolvimento.
Para a pesquisa referente a região foi obtido um dado bem interessante, que
na região Norte possui a maior proporção entre homens e mulheres associados à
SBC, e a pior proporção ficou com a região Sudeste. Essa informação é bem
interessante visto que mesmo a região norte sendo um pouco mais atrasada em
relação às outras regiões, porém podemos entender que o entendimento a se
associar a SBC é algo bem difundido.
A disponibilização desses dados proporcionou para comunidade acadêmica
embasamento para poder tomar atitudes para melhor disseminar o conhecimento e
entender como tais problemas conseguem perdurar na área da computação, esse
artigo quebra o mito que existe área para mulher e para homem, porém define que
existem áreas que mulheres demonstram maior interesse. Acredito que com maior
responsabilidade social possamos vencer essa diferença que ocorre em
computação, mesmo que tenhamos hoje vagas específicas para mulheres, projetos
sociais para difundir o conhecimento em diversas áreas da sociedade, ainda temos
um longo caminho para quebrar esse paradigma social.