A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Conduta odontológica em pacientes com distúrbios cardiovasculares

Pré-visualização | Página 2 de 2

1:100.000 ou 1 tubete com adrenalina 1:50.000. 
INFARTO DO MIOCÁRDIO 
A abordagem cirúrgica de um paciente que teve um infarto inicia-se com uma consulta ao médico do 
paciente. Geralmente, recomenda-se que os procedimentos cirúrgicos eletivos sejam adiados até pelo 
menos 6 meses após o infarto. O risco de ocorrer um novo infarto diminui ao máximo por cerca de 6 
meses, especialmente se o paciente estiver realizando um acompanhamento adequado. Após 6 meses 
do infarto do miocárdio, o tratamento do paciente é semelhante ao de um paciente com angina. 
PROTOCOLO DE ATENDIMENTO PARA PACIENTE COM HISTÓRIA DE INFARTO DO 
MIOCÁRDIO 
1. Consultar o médico do paciente. 
2. Conferir quais medicações que o paciente utiliza, especialmente anticoagulantes. 
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade. 
4. Ter comprimidos (dinitrato de isossorbida) ou spray (nitroglicerina) disponíveis. 
5. Assegurar uma anestesia local efetiva antes de iniciar a cirurgia e limitar a quantidade de adrenalina 
(máximo de 0,04 mg*). 
6. Monitorar rigorosamente os sinais vitais. 
7. Manter contato verbal com o paciente durante todo o procedimento. 
* 4,4 tubetes com adrenalina 1:200.000 ou 2,2 tubetes com adrenalina 1:100.000 ou 1 tubete com adrenalina 1:50.000. 
ACIDENTE VASCULAR ENCEFALICO (AVE) 
Pacientes que sofreram um acidente vascular cerebral são sempre suscetíveis a novos acidentes 
neurovasculares. Assim como no infarto do miocárdio, a realização de anestesia local e procedimento 
cirúrgico oral menor em um paciente que teve AVC inicia-se com uma consulta ao médico do 
paciente. Geralmente, recomenda-se que os procedimentos cirúrgicos eletivos maiores sejam adiados 
até pelo menos 6 meses após o AVC. 
SINAIS E SINTOMAS DE UM AVE 
Os principais sinais de alerta para qualquer tipo de AVC são: 
- Fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo. 
- Confusão mental. 
- Alteração da fala ou compreensão. 
- Alteração na visão (em um ou ambos os olhos). 
- Alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar. 
- Dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente. 
COMO AGIR? 
S orriso – observar se a boca está torta 
A braço – pedir para levantar o braço e notar dificuldade de realizar o movimento 
M ensagem – atentar para alterações de fala e de compreensão 
U rgente – ligar para 192 (SAMU – serviço de atendimento médico de urgência) 
PROTOCOLO DE ATENDIMENTO PARA PACIENTE COM HISTÓRIA DE AVE 
1. Consultar o médico do paciente. 
2. Conferir quais as medicações que o paciente utiliza. 
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade. 
4. Assegurar uma anestesia local efetiva antes de iniciar a cirurgia. 
5. Monitorar rigorosamente os sinais vitais.