A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
GEOBRASIL - CONTINENTE AFRICANO

Pré-visualização | Página 1 de 2

CONTINENTE AFRICANO 
 
1. (FUVEST SP/2001) Portugal foi o país que mais 
resistiu ao processo de descolonização na África, 
sendo Angola, Moçambique e Guiné-Bissau os 
últimos países daquele continente a se tornarem 
independentes. 
Isto se explica: 
a) pela ausência de movimentos de libertação 
nacional naquelas colônias. 
b) pelo pacifismo dos líderes Agostinho Neto, 
Samora Machel e Amílcar Cabral. 
c) pela suavidade da dominação lusitana baseada 
no paternalismo e na benevolência. 
d) pelos acordos políticos entre Portugal e África 
do Sul para manter a dominação. 
e) pela intransigência do salazarismo somente 
eliminada com a Revolução de Abril de 1974. 
 
 
2. (UEL PR/2001) “Assim, a luta pela 
independência libertou os povos da África (…) da 
dominação política europeia, mas deixou surgir 
um novo sujeito histórico sobre a cena política: o 
Estado Nacional. Resposta radical à colonização, 
forma para se atingir a identidade nacional (…), 
[ele representou] a passagem de uma sociedade 
dominada a uma sociedade não menos dominada 
onde o dirigismo do Estado, parlamentar ou 
totalitário, encontrou possibilidades de aplicação 
inéditas.” 
(CANÊDO, Letícia B. A descolonização da África e 
da Ásia. 6.ed São Paulo: Atual; Campinas: Editora 
da Unicamp. 1986. p. 5–6. Coleção Discutindo a 
História.) 
“A meu ver a pobreza e as lutas políticas são o 
resultado da colonização estrangeira que 
desordenou a economia africana pré-colonial e 
estabeleceu limites entre os Estados que não 
respeitavam as tradições e as diferenças étnicas 
entre os povos africanos. (…) A desunião que 
domina os jovens estados africanos é, em grande 
parte, fomentada pelas potências colonizadoras 
(…). O grande mal é que à descolonização seguiu-
se a neocolonização.” 
(ANDRADE, Manuel C. de. Imperialismo e 
fragmentação do espaço. 2.ed São Paulo: 
Contexto, 1989. p. 8. Coleção Repensando a 
Geografia.) 
Considerando os textos acima, assinale a 
alternativa correta. 
a) Ao tratar do tema da descolonização, os textos 
reproduzem análises contraditórias e chegam a 
conclusões opostas. 
b) Ambos constituem análises complementares, 
sendo que o primeiro aborda a formação dos 
Estados africanos e o segundo analisa as 
influências da colonização estrangeira na África 
contemporânea. 
c) Os dois textos constituem abordagens 
independentes, já que os problemas e conflitos 
contemporâneos da África independem da forma 
como se deu a consolidação dos Estados Nacionais 
naquele continente. 
d) O primeiro e o segundo textos apresentam 
explicações sobre a participação do Estado na 
construção da democracia na África 
contemporânea. 
e) O segundo texto, também como o primeiro, 
caracteriza a autonomia dos jovens Estados 
africanos como responsáveis pelos problemas 
atuais da África. 
 
 
3. (UFMG/1996) Todas as alternativas apresentam 
afirmativas corretas sobre o processo de 
descolonização da África, EXCETO: 
a) A grande maioria dos países africanos se tornou 
independente após o término da 2ª Guerra 
Mundial. 
b) A opção pela luta armada foi responsável pela 
independência de quase todas as colônias. 
c) As ex-colônias portuguesas foram as últimas a 
se tornarem independentes. 
d) As independências foram acompanhadas de 
projetos socialistas a partir da década de 1970. 
 
 
 
4. (UNIFICADO RJ/1995) “Morre um homem por 
minuto em Ruanda. Um homem morre por minuto 
numa nação do continente onde o Homo Sapiens 
surgiu há um milhão de anos...Para o ano 2000 só 
faltam seis, mas a humanidade não ingressará no 
terceiro milênio, enquanto a África for o túmulo 
da paz”. 
(Augusto Nunes, in : jornal O Globo, 6.8.94). 
A situação atual de instabilidade no continente 
africano é o resultado de diversos fatores 
históricos, dentre os quais destacamos o (a): 
a) Fortalecimento políticos dos antigos impérios 
coloniais na região, apoiada pela Conferência de 
Baudung. 
b) Declínio dos nacionalismos africanos causados 
pelo fina da Guerra Fria. 
c) Acirramento das guerras intertribais no 
processo de descolonização que não respeitou as 
características culturais do continente. 
d) Fim da dependência econômica ocorrida com as 
independências políticas dos países africanos, 
após a década de 50. 
e) Difusão da industrialização no continente 
africano, que provocou suas grandes 
desigualdades sociais. 
 
 
5. (FGV/2006) O genocídio que teve lugar em 
Ruanda, assim como a guerra civil em curso na 
República Democrática do Congo, ou ainda o 
conflito em Darfur, no Sudão, revelam uma África 
marcada pela divisão e pela violência. Esse estado 
de coisas deve-se, em parte: 
a) às diferenças ideológicas que perpassam as 
sociedades africanas, divididas entre os 
defensores do liberalismo e os adeptos do 
planejamento central. 
b) à intolerância religiosa que impede a 
consolidação dos estados nacionais africanos, 
divididos nas inúmeras denominações cristãs e 
muçulmanas. 
 
 
 
c) aos graves problemas ambientais que produzem 
catástrofes e aguçam a desigualdade ao perpetuar 
a fome, a violência e a miséria em todo o 
continente. 
d) à herança do colonialismo, que introduziu o 
conceito de Estado-nação sem considerar as 
características das sociedades locais. 
e) às potências ocidentais que continuam 
mantendo uma política assistencialista, o que faz 
com que os governos locais beneficiem-se do 
caos. 
 
 
6. (UFTM MG/2004) O acontecimento decisivo 
para o império africano francês foi a guerra 
argelina de independência, transcorrida entre 
1954 e 1962 com extremo vigor e violência. A 
Argélia era, constitucionalmente, uma parte da 
França, e os quase um milhão de franceses que lá 
viviam tinham relações com seu país natal, que, 
em sua maior parte, os apoiava em sua causa. A 
Argélia não podia ser abandonada sem que 
ocorresse uma luta final, com o completo 
comprometimento do exército francês. 
(Roland Oliver, A experiência africana) 
É correto afirmar, no contexto histórico citado no 
texto, que os acontecimentos desencadearam na 
África 
a) a descolonização. 
b) a centralização econômica. 
c) a desnacionalização. 
d) a colonização. 
e) o domínio imperialista. 
 
 
7. (FUVEST SP/2004) A Segunda Guerra Mundial 
fez emergir interesses e aspirações conflitantes 
que culminaram em relevantes mudanças nos 
quinze anos posteriores (1945-1960). 
Entre esses novos acontecimentos, é possível 
citar: 
a) o início dos movimentos pela libertação colonial 
na África e a divisão do mundo em dois blocos. 
 
 
 
 
b) a balcanização do sudeste da Europa e o 
recrudescimento das ditaduras na América Latina. 
c) a criação do Mercosul e a expansão dos 
comunistas no Oriente Médio. 
d) os conflitos entre palestinos e judeus e o 
desaparecimento do império austro-húngaro. 
e) o desmantelamento da União Soviética e a 
dominação econômica dos Estados Unidos. 
 
 
8. (UFMG/2007) “Na história da África jamais se 
sucederam tantas e tão rápidas mudanças como 
durante o período entre 1880 e 1935. Na verdade, 
as mudanças mais importantes, mais 
espetaculares – e também mais trágicas –, 
ocorreram num lapso de tempo bem mais curto, 
de 1880 a 1910, marcado pela conquista e 
ocupação de quase todo o continente africano 
pelas potências imperialistas e, depois, pela 
instauração do sistema colonial. A fase posterior a 
1910 caracterizou-se essencialmente pela 
consolidação e exploração do sistema.” 
BOAHEN, Albert Adu. História geral da África. VII. 
A África sob dominação colonial, 1880-1935. São 
Paulo: Ática/Unesco, 1991. p. 25. 
Considerando-se o contexto da colonização 
europeia da África, é CORRETO afirmar que 
a) a demarcação das fronteiras entre as diferentes 
colônias respeitou as divisões territoriais 
previamente existentes entre as etnias africanas. 
b) a derrota da Alemanha na Primeira Guerra 
implicou a concessão de independência aos 
territórios por ela colonizados, sob a proteção da 
ONU. 
c) essa colonização resultou em decréscimo da 
população africana, devido à intensa exploração 
dos recursos humanos e materiais. 
d) os Estados europeus, embora negassem