A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Biossegurança em tempos de covid-19

Pré-visualização | Página 1 de 2

-Biossegurança: 
-é inegável a importância da biossegurança 
para os profissionais da área da saúde. 
Principalmente diante do cenário atual 
onde encontra-se em linha de frente no 
combate a um novo vírus que possui 
grande poder de propagação 
-novas normas: 
-visando a segurança dos profissionais que 
trabalham em ambiente hospitalar, os 
pacientes e seus acompanhantes. A 
ANVISA lançou novas medidas a serem 
seguidas para que não ocorra contagio ou 
pelo menos diminuição no numero de 
casos de propagação do mesmo em 
hospitais 
 
-tais normas abrangem todos os setores de 
profissionais, pacientes e acompanhantes 
presentes em um hospital. Sendo regras 
bem especificas para cada caso. 
-regras para profissionais da recepção do 
serviço/ cadastro: 
 
 
 
-as pessoas envolvidas nesse setor do 
ambiente hospitalar são: profissionais da 
recepção, segurança 
-os mesmos segundo publicação da 
ANVISA devem: 
 
 
 
 
-Obs: caso não se consiga manter 
distanciamento de 1 metro, os 
profissionais devem fazer uso de 
mascaras cirúrgicas, visando uma maior 
proteção durante as atividades. 
 
-setor de triagem- regras: 
-para os profissionais da parte da triagem 
as regras a serem seguidas são bem 
parecidas com as dos profissionais da 
recepção do serviço. Havendo apenas o 
Biossegurança em tempos de Covid-19 
-fazer higiene das mãos regularmente 
-manter distancia de pelo menos 1 metro 
-fazer uso de mascaras de tecido 
-instituição de barreiras, favorecendo o 
distanciamento 
diferencial, a máscara utilizada será a 
máscara cirúrgica 
-no que diz respeito aos pacientes com ou 
sem sintomas respiratórios, se faz 
necessário: 
 
-com sintomas respiratórios: 
 
 
 
 
 
 
-sem sintomas respiratórios: 
 
 
 
 
 
-para as áreas de assistência a paciente, 
como enfermarias, quartos e consultórios 
também são necessárias precauções 
especificas por parte de todos os 
profissionais do serviço de saúde: 
 
-sendo elas: 
 
 
 
 
 
-no âmbitos dos serviços ambulatoriais 
também foram impostas novas regras, 
como: 
 
-para a sala de espera, as regras para 
pacientes com sintomas respiratórios são: 
 
 
 
 
-regras para pacientes sem sintomas 
respiratórios: 
 
-se faz necessário a higiene das 
mãos 
-higiene respiratória/ etiqueta da 
tosse 
-manter distância de pelo menos 
1 metro de outras pessoas 
-mascara cirúrgica 
-é necessária a higiene das mãos 
-manter uma distancia de pelo 
menos 1 metro de outras pessoas 
-uso de máscaras de tecido 
 
-a higiene das mãos 
-(uso de máscara cirúrgica, junto com outros 
EPIs de acordo com as pecauções padrão e, se 
necessário, precauções específicas) 
-manter uma distancia de pelo menos 1 metro de 
outras pessoas 
-higiene das mãos 
-higiene respiratória/ etiqueta da tosse 
-máscara cirúrgica e colocar o paciente 
imediatamente em uma sala de isolamento 
 
-regras para os demais profissionais 
envolvidos nos setores de área 
administrativa e recepção do serviço/ 
cadastro as recomendações de limitam ao 
uso de máscaras de tecido, higienização 
das mãos, manter distancia de pelo 
menos 1 metro e instituição de barreiras 
-regras impostas para os serviços moveis 
de urgências: 
 
-as precauções para os cenários de 
ambulâncias e veículos de transporte de 
paciente por parte dos profissionais de 
saúde se configuram em uma divisão de 
pacientes suspeitos ou confirmados de 
COVID-19 e pacientes com outros 
diagnósticos 
-Transporte de pacientes com COVID-19: 
 
 
 
 
 
Transporte de pacientes sem COVID: 
 
 
-já as medidas que o motorista deve tomar 
quanto ao transporte de pacientes com 
COVID-19 são: 
-Higiene das mãos, manter distancia de 
pelo menos 1 metro de outras pessoas 
-precauções do auxiliar na colocação ou 
retirada de paciente suspeito ou 
confirmado de COVID-19: 
-Higiene das mãos, óculos de proteção ou 
protetor facial, máscara cirúrgica, avental, 
luvas de procedimento 
-obs!! Caso não haja separação de 
compartimentos do motorista e do 
paciente é necessário a higiene das mãos, 
máscara cirúrgica ou uso de máscaras 
N95/PFFF2 ou equivalente (caso seja 
realizado procedimento que possa gerar 
aerossóis) 
 
-o pacientes com sintomas de COVID-19 
que serão transportados: 
 -deverão fazer uso de máscaras cirúrgicas, 
fazer higiene das mãos e a ventilação do 
ambulância deve ser melhorada para 
aumentar a troca de ar durante o transporte 
-pacientes sem COVID-19: 
-higiene das mãos 
-uso de máscaras de tecido 
-deve-se manter distância de pelo menos 1 
metro de outras pessoas 
 
-higiene das mãos 
-óculos de proteção ou protetor facial 
-máscara cirúrgica ou trocar por máscara 
N95/PFFF2 ou equivalente (caso o 
procedimento gere aerossóis) 
-avental 
-luvas de procedimento 
-higiene das mãos 
-uso de máscara cirúrgica e EPI de acordo com as 
precauções padrão e, se necessário precauções 
especificas 
-deverão fazer uso de máscaras de tecido e 
higiene das mãos 
-os profissionais que farão a limpeza e 
desinfecção do veiculo também necessitam 
de proteção devendo usar: 
-máscara cirúrgica e outros EPIs conforme 
definido para o serviço de limpeza e 
desinfecção, higienizar as mãos 
-EPIs- (equipamentos de proteção 
individual): 
-os equipamentos de proteção individual 
são de grande valia, principalmente na 
situação na qual nos encontramos. Diante 
disso a ANVISA listou quais são utilizados 
e a maneira correta que se deve utilizar, 
evitando assim, a contaminação e o uso 
indiscriminado dos mesmos. 
-máscaras cirúrgicas: 
 
 
-as mesmas ajudam no controle da 
propagação do vírus juntamente com a 
manutenção da distância do paciente, 
quando possível, reduzindo assim, o risco 
de transmissão. Sua utilização é indicada 
para evitar a contaminação do nariz e boca 
do profissional por gotículas respiratórias, 
quando atuarem a uma distancia inferior a 
1 metro do paciente suspeito ou infectado 
pelo SARS-CoV-2. Quando usada deve ser 
evitado o toque na parte da frente da 
máscara, e sua remoção deve ser feita 
sempre pelas tiras laterais e sempre deve 
ser substituída caso esteja úmida ou suja e 
jamais deve ser reutilizada. 
-máscaras de proteção respiratória 
(máscara N95/PFF2 ou equivalente): 
 
-essa máscara deve ser utilizada em 
procedimentos com risco de geração de 
aerossóis, em pacientes suspeitos ou 
confirmados de infecção pelo corona vírus. 
Sua forma de uso, manipulação e 
armazenamento deve seguir as 
recomendações do fabricante e nunca deve 
ser compartilhada entre profissionais. Vale 
salientar que esse tipo de máscara não pode 
ser utilizada como controle de fonte, pois a 
mesma permite a saída do ar expirado pelo 
profissional, sendo recomendado ser usada 
concomitante de um protetor facial, como 
forma de mitigação para controle de fonte. 
A mesma não devem ser utilizadas em 
centros cirúrgicos, pois podem aumentar o 
risco de exposição da ferida cirúrgica as 
gotículas expelidas pelos profissionais. 
-Luvas: 
 
-quando for necessário realizar algum 
procedimento que exija técnica asséptica, 
devem ser utilizadas luvas estérieis, 
devendo ser colocadas dentro do 
quarto/Box do paciente ou áreas em que o 
paciente está isolado. Sua remoção deve 
ser feita utilizando a técnica correta e 
descartadas como resíduo infectante, não 
devendo ser reutilizada. É recomendado 
após a sua remoção realizar a higiene das 
mãos 
-Óculos de proteção ou protetor de face: 
 
-este equipamento deve ser utilizado 
quando houver risco de exposição do 
profissional a respingos de sangue, 
secreções corporais, excreções, etc. Os 
mesmos devem ser exclusivos de cada 
profissional, devendo fazer a limpeza e 
desinfecção da proteção imediatamente 
após sua utilização, em casos onde possua 
sujeira visível, deve ser lavado com água e 
sabão e posteriormente realizar a 
desinfecção. Vale