A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
APOSENTADORIA E PENSÃO

Pré-visualização | Página 2 de 2

RGPS, a regra é de pelo menos 20 
anos de tempo de contribuição, enquanto que para o 
servidor público exige-se no mínimo 25 anos. 
Portanto, os passos para calcular o valor da 
aposentadoria são: 
1. Inclusão de todo período contributivo (100% das 
contribuições); 
2. Fixação do valor inicial do benefício (até 60% da média 
aritmética); 
3. Fixação do valor final do benefício (acréscimo de 2% 
para cada ano que exceder os 20 anos de 
contribuição). 
Exemplo: 
Servidor homem de 65 anos de idade, 25 anos de tempo 
de contribuição, 10 anos no serviço e 5 anos no cargo. 
- Já tem 60% pelos 20 anos de TC; 
- Possui 5 anos a mais de TC, acrescenta 2% por cada 
ano a mais (+ 10%); 
- 60% + 10% = 70% do teto. 
Caso o teto seja de R$ 6.000,00, esse servidor receberá 
70% desse valor, que equivale a R$ 4.200,00. 
Além desse valor de aposentadoria, o servidor também 
recebe o benefício correspondente ao seu período 
contributivo e não mais terá que contribuir para o RGPS. 
Os únicos que continuam contribuindo após a 
aposentadoria são os que recebem aposentadoria acima 
do teto do RGPS, ou quando houver deficit atuarial, 
situação em que poderá incidir contribuição sobre o valor 
dos proventos de aposentadoria e pensões que superem o 
salário-mínimo. 
Quanto ao valor do benefício: 
No caso de aposentadoria por incapacidade permanente 
decorrente de acidente de trabalho, doença profissional ou 
acidente de trabalho, o valor do benefício da 
aposentadoria corresponderá a 100% da média 
aritmética. 
 Abono de Permanência 
O servidor que já possuir tempo para requerer 
aposentadoria voluntária, com proventos integrais ou não, 
e que mesmo assim permanecer em atividade, terá o 
abono de permanência, não mais terá o desconto da 
contribuição previdenciária (fica sem pagar a contribuição 
previdenciária) enquanto não requerer a aposentadoria 
Página de 3 4
Auditoria Fiscal Isadora Dutra Rebelo
ou enquanto não atingir o limite de idade para 
aposentadoria compulsória. O abono será equivalente ao 
valor da sua contribuição previdenciária, até completar a 
idade para aposentadoria compulsória. 
 Acumulação de Proventos e Vencimentos 
É vedada a percepção de mais de uma aposentadoria à 
conta de regime próprio de previdência social. Porém, são 
acumuláveis as aposentadorias decorrentes dos cargos 
acumuláveis na forma do art. 37, XVI da CF, e nos 
seguintes casos: 
- Uma aposentadoria do RPPS + uma do RGPS (ex.: 
servidor público que era professor em universidade 
privada); 
- Uma aposentadoria do RPPS + subsídio de mandato 
eletivo ou + remuneração de um cargo em comissão; 
- Cargo acumulável em atividade com aquele em que se 
deu a aposentadoria (ex.: aposentou-se como médico e 
é aprovado em novo concurso para médico); 
- Duas aposentadorias de cargos acumuláveis + uma do 
RGPS (ex.: duas aposentadorias de cargos de médico, 
que é serviço público, e aposentadoria como professor 
em unidade privada. 
A acumulação de proventos de servidor aposentado em 
decorrência de dois cargos de profissionais da saúde 
legalmente exercidos, não se submete ao teto 
constitucional, devendo os cargos serem considerados 
isoladamente. 
 Pensão por Morte 
A pensão por morte corresponde a uma cota de 50%, com 
acréscimo de 10% por dependente. 
Para se chegar ao valor da cota de 50%, deve ser feito o 
cálculo conforme uma das duas condições: se o servidor já 
estava aposentado ou se estava na ativa. 
- Caso est ivesse aposentado, a cota de 50% 
corresponderá ao valor da aposentadoria recebida, 
acrescentando 10% por dependente (máximo de 100%); 
Ex.: Servidor faleceu e seus dependentes são sua esposa e 
2 filhos. Receberá a cota familiar de 50% + 30% referente à 
esposa e os dois filhos. 
No caso de haver dependente inválido ou com deficiência 
intelectual, mental ou grave, o valor da pensão por morte 
será equivalente a 100% da aposentadoria recebida, e, no 
caso do servidor que recebia acima do teto do RGPS, os 
dependentes receberão esse valor até o limite do teto, 
acrescido de uma cota familiar de 50% do valor 
excedente, acrescida de 10% por dependente. 
Ex.: Servidor com filho inválido que ganha R$ 10.000,00, a 
pensão será: 
Teto do RGPS + 50% da diferença entre o salário e o teto + 
10% em razão do filho dependente. 
O rol de dependentes e as condições necessárias para 
enquadramento estão dispostos na Lei n.8.213 de 24 de 
julho de 1991. 
 Acumulação de Pensão 
É vedada a acumulação de pensão deixada por cônjuge 
ou companheiro no âmbito do mesmo regime de 
previdência social, salvo as pensões do mesmo instituidor 
decorrentes do exercício de cargos acumuláveis. Não há 
impedimento para pensão deixada por filhos. 
É possível acumulação nas seguintes situações: 
- Pensão por morte de RGPS + pensão por morte de RPPS 
ou Pensão por morte de RGPS/RPPS + pensão 
decorrente de atividade militar; 
- Pensão por morte de RGPS/RPPS + aposentadoria; 
- Pensão por morte decorrente de atividade militar + 
aposentadoria de RGPS/RPPS. 
Quando ocorre acumulação, não será recebido o valor 
total, apenas 100% do valor do benefício mais vantajoso e 
uma parte de cada um dos demais benefícios, de acordo 
com o seguinte: 
- 60% do valor que exceder 1 salário-mínimo, até o limite 
de 2; 
- 40% do valor que exceder 2 salários-mínimos, até o 
limite de 3; 
- 20% do valor que exceder 3 salários-mínimos, até o 
limite de 4; 
- 10% do valor que exceder 4 salários-mínimos.
Página de 4 4
	> Aposentadoria por Incapacidade Permanente (invalidez)
	> Aposentadoria Compulsória