A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Contribuições das imagens no diagnóstico de lesões ósseas - Benignas vs malignas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Contribuições das imagens no diagnóstico de lesões ósseas - Benignas vs malignas 
 
 
Nessa imagem, há uma imagem radiolúcida, bem delimitada, com halo radiopaco, localizada entre os dentes 21 
e 22. 
Qual é a HD? 
Para responder a esta pergunta, é preciso ter informações clínicas, que podem direcionar para uma hipótese 
mais assertiva. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Aqui está a importância de ter informações clínicas e uma boa anamnese inicial do paciente. A lesão mostrada 
anteriormente, é uma radiografia pós operatória de um sítio pós operatório de odontoma composto. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Alteração no periápice: 
Nesse caso, é uma lesão periapical de origem inflamatória? Bom, sabe-se que há uma descontinuidade da 
lâmina dura e uma rarefação óssea, mas isso não confirma a hipótese. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Após comparar com exame mais antigo, vê-se que já havia ali a área radiolúcida e o dente já estava tratado 
endodonticamente. Por isso, conclui-se que a lesão é uma fibrose cicatricial, pois há tecido fibroso, onde não 
se formou osso. 
 
Importante: ​Sempre realizar teste de sensibilidade pulpar. No caso abaixo, há displasia óssea periapical/focal: 
 
 
Tipos de lesões ósseas: 
 
● Inflamatórias/ infecciosas 
● Reativas 
● Fibro Ósseas 
● Tumores 
● Cistos 
● Traumáticas 
 
Benigno X maligno 
→ Lesões malignas não são comuns nos ossos maxilares e mandibulares 
 
Benignas 
● Geralmente são bem delimitadas 
 
● Podem ser uni ou multiloculares (vários septos dividindo a porção) 
 
 
 
 
 
 
 
● Aspecto interno: radiolúcido, radiopaco e misto 
 
● Deslocamento de raízes e dentes (estruturas adjacentes) 
 
● Reabsorção radicular externa 
 
● Podem expandir corticais ósseas (e causar seu adelgaçamento) 
 
● Podem ser agressivos e atingir grandes proporções 
 
 
 
 
 
● Há lesões que causam pouca ou nenhuma expansão óssea 
 
 
 
Resumos: 
 
 
 
Malignos ​(sem sintomas é mais provável que seja maligno) 
● Limites imprecisos (podem assemelhar-se a processo inflamatórios - dor, perda de função), apresenta 
infiltração e não expansão. 
 
 
● Efeito nas estruturas adjacentes → devido ao seu crescimento rápido, as estruturas óssea e 
periodontais são destruídas, por isso não ocorre deslocamento dos dentes ou reabsorção da estrutura 
radicular (dentes “flutuando” dentro da massa tumoral) 
● Destruição da cortical inferior da mandíbula sem expansão prévia (contrário da benigna) 
 
 
 
 
● Reação em periósteo (ex.: em osteossarcoma) 
 
 
 
 
 
Imagem típica de lesão maligna: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Importante: ​Não é somente por uma imagem radiográfica que pode-se afirmar o diagnóstico, é preciso que as 
informações do exame complementar estejam associados às informações clínicas. 
 
Exemplo: Nesse caso, a radiografia apresenta características de malignidades, mas a história do paciente indica 
outras características que precisam ser levadas e consideração, e que apontam a HD como Osteomielite 
supurativa crônica.