A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
208 pág.
livro Anatomorfofisiologia do Sistema digestório, endócrino, urinário e reprodutor

Pré-visualização | Página 5 de 44

respectivamente, por glândulas como pâncreas e fígado. Após, 
as enzimas e a bile são liberadas na porção inicial do intestino delgado. Os pro-
cessos de digestão destes macronutrientes, bem como a emulsifi cação de gordu-
ra, serão posteriormente discutidos. Na fi gura a seguir você pode ver a estrutura 
anatômica do pâncreas:
TÓPICO 1 | ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO
17
FIGURA 15 – PÂNCREAS
FONTE: Netter (2011, p. 372)
 A próxima figura demonstra a face visceral do fígado, ou seja, a face do 
órgão voltada para as vísceras abdominais. Este órgão é fundamental no exercício 
de diversas funções metabólicas e enzimáticas, entre elas a secreção da bile 
(GUYTON; HALL, 2017).
FIGURA 16 – FACE VISCERAL DO FÍGADO
FONTE: Netter (2000)
Ligamento 
coronárioLigamento triangular 
esquerdo
Apêndice fibroso
Impressão 
esofágica
Impressão
gástrica
Fissura do 
ligamento venoso
Lobo caudado
Processo papilar
Artéria hepática 
própria Veia porta
Fissura do 
ligamento redondo
Ligamento falciforme
Ligamento redondo
Lobo 
quadrado
Porta do 
fígado
Vesícula biliar
Impressão cólica
Impressão duodenal
Impressão renal
Ducto cístico
Ducto hepático 
comum
Ducto colédoco
Ligamento triangular 
direito
Ligamento coronário
Área nua
Impressão supra-renal
Veia cava inferiorVeias 
hepáticasProcesso 
caudado
Ducto colédoco
Incisura do pâncreas
Ducto pancreático principal (de Wirsung)
Ducto pancreático acessorio (de Santorini)
UNIDADE 1 | SISTEMA DIGESTÓRIO
18
A fim de tornar um pouco mais clara a relação entre órgãos, como o fígado, 
a vesícula biliar e o pâncreas, e a liberação de seus produtos na porção inicial do 
intestino delgado (duodeno), expomos a seguinte figura:
FIGURA 17 – VESÍCULA BILIAR
FONTE: Netter (2000)
Por fim, o quimo segue seu caminho em direção ao intestino grosso onde 
os restos não absorvíveis da alimentação, juntamente à reabsorção de água, 
formarão as fezes. 
Antes de falarmos da anatomia e fisiologia do intestino grosso, vamos 
olhar a sua histologia:
Assim como já observado no restante do trato gastrintestinal, o intestino 
grosso tem as mesmas quatro camadas celulares: mucosa, submucosa, muscular 
e serosa. Na camada mucosa temos a presença de epitélio colunar simples, 
lâmina própria formada de tecido conjuntivo frouxo e células musculares lisas. 
No epitélio colunar vemos as células absortivas e caliciformes, estas células 
localizam-se nas “glândulas intestinais ou criptas de Lieberkühn” (TORTORA; 
DERRICKSON, 2016, p. 1246).
A camada submucosa possui tecido conjuntivo frouxo e a presença de 
tecido linfoide, já a camada muscular é formada por musculatura lisa.
Parte espiral do ducto cístico Ducto hepático direito
Ducto hepático esquerdo
Ducto hepático comum
Parte lisa do ducto cístico
Ducto colédoco
Ducto pancreático
Ampola (de Vater)
Infundíbulo (bolsa de Hartmann)
 da vesícula biliar
Colo da vesícula biliar
Corpo da vesícula biliar
Fundo da vesícula biliar
Porção descendente (2ª) do duodeno
Óstio glandulares
Papila principal do duodeno (de Vater)
TÓPICO 1 | ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO
19
Por fim, a camada serosa deste órgão é parte do peritônio (camada de 
células serosas que recobrem a parede abdominal).
DICAS
Vamos olhar novamente todas estas estruturas observando as lâminas que 
estão no link: http://bit.ly/2Ljv2kb.
Agora que observamos a histologia deste órgão, vamos estudar um 
pouco mais da sua fisiologia, acompanhando como o quimo se movimenta no 
intestino grosso.
A propulsão do quimo em direção ao intestino grosso, segue sendo 
realizada com o auxílio dos movimentos peristálticos. Você pode observar as 
estruturas anatômicas que formam o intestino grosso na próxima figura:
FIGURA 18 – ESTRUTURAS ANATÔMICAS QUE FORMAM O INTESTINO GROSSO
FONTE: Adaptado de Netter (2011)
Para fins didáticos, o intestino delgado foi removido da figura e assim 
possibilitar uma melhor visualização do intestino grosso. O intestino grosso é 
formado por quatro estruturas: ceco, cólon, reto e ânus. O Ceco corresponde a 
primeira e mais dilatada das porções do intestino grosso e se comunica com o 
Tênia livre (tênia liberada)
Apêndices epiplóicos
Flexura (hepática) direita do colo
Íleo (seccionado)
Sulco(goteira) paracólico direito
Recesso (fossa) retrocecal
Apêndice vermiforme
Reto
Colo sigmóide
Mesocolo sigmóide
Mesentérico (seccionado e 
intestino delgado removido)
Sulco (goteira) paracólico esquerdo
Flexura (esplênica) esquerda do colo
Jejuno (seccionado)
Mesocolo transverso
(elevado sobre o pâncreas)
 Colo descendente
 Colo ascendente
Colo transverso (elevado)
 Ceco
UNIDADE 1 | SISTEMA DIGESTÓRIO
20
intestino delgado (íleo) pela válvula ileocecal. O cólon se ramifica em porção 
ascendente, transverso, descendente e sigmoide. As duas últimas estruturas que 
compõem o intestino grosso são o reto e o ânus. 
A maior parte da absorção de íons e água, que percorrem o nosso tubo 
digestório, ocorre em nosso intestino grosso. Grande parte desta absorção dá-se 
no cólon (GUYTON; HALL, 2017).
Por fim, as fezes serão expulsas pelo ânus, através de estímulos de 
esfíncteres interno e externo, eventos que serão discutidos posteriormente.
21
Neste tópico, você aprendeu que:
• O alimento ingerido percorre diferentes estruturas do sistema digestório até a 
eliminação dos restos não absorvíveis.
• O sistema digestório é composto por diferentes órgãos.
• A boca é o primeiro componente do sistema digestório e está dividida em 
vestíbulo e cavidade oral propriamente dita.
• O processo de deglutição envolve diferentes fases.
• O esôfago é dividido em diferentes porções.
• O estômago é dividido em diferentes partes.
• A produção de ácido clorídrico (HCl) é realizada pelas células parietais 
(oxínticas).
• O intestino delgado é dividido em 3 porções.
• As microvilosidades existentes no intestino delgado são capazes de aumentar 
a área absortiva.
• O intestino se relaciona estruturalmente e funcionalmente com o pâncreas, 
vesícula biliar e intestino delgado (duodeno).
• O intestino grosso é subdividido.
RESUMO DO TÓPICO 1
22
1 Ao ingerir alimentos, você, literalmente, deixa de respirar por breves 
segundos. Isso decorre em virtude de tanto o alimento, quanto o ar, usarem 
uma estrutura do sistema digestório em comum. Sendo assim, assinale a 
resposta a seguir que corresponde a estrutura em comum utilizada durante 
o processo de respiração e o processo de deglutição do alimento:
a) ( ) Esôfago.
b) ( ) Traqueia.
c) ( ) Estômago.
d) ( ) Faringe.
e) ( ) Laringe.
2 Conforme citado na questão anterior, ao ingerir o alimento, cessamos por 
breves momentos o processo respiratório. Com base nesta informação, 
descreva como ocorrem as fases voluntária e involuntária da deglutição 
envolvidas no processo de ingestão de alimento.
 
3 O pH salivar encontra-se próximo da neutralidade (7,0), entretanto, ao 
chegar no estômago o bolo alimentar sofre ação do ácido clorídrico secretado 
neste órgão, objetivando diversas funções associadas a este órgão. As células 
responsáveis pela secreção ácida no estômago são:
a) ( ) Células enterocromafins.
b) ( ) Células parietais ou oxínticas.
c) ( ) Células secretagogas.
d) ( ) Células Epiteliais.
e) ( ) Nenhuma das alternativas acima.
4 O intestino delgado é responsável pela maior parte da absorção de nossos 
nutrientes. Essa função destinada ao intestino delgado se deve à presença 
de células do epitélio intestinal modificadas que possuem especializações 
capazes de aumentar em milhares de vezes a capacidade absortiva deste 
órgão. Estas especializações celulares são denominadas:
a) ( ) Macrovilosidades.
b) ( ) Vilosidades.
c) ( ) Microvilosidades.
d) ( ) Criptas de Liberkühn.
e) ( ) Nenhuma das respostas acima.
5 “Cerca de 1.500 mililitros de quimo passam, normalmente, pela válvula 
ileocecal para o intestino grosso a cada dia. Grande parte da água e 
dos eletrólitos, nesse quimo, é absorvida no cólon, sobrando menos de 
100 mililitros de líquido

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.