A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
Avaliação

Pré-visualização | Página 1 de 7

1 
 Questão 
Acerto: 0,1 / 0,1 
 
Uma adolescente, atendida no setor de orientação vocacional, queixou-se de que o psicólogo 
influenciava pacientes a participar de cultos, relacionando acontecimentos à vontade de Deus; 
utilizava-se de mapa astral em suas orientações e realizava atendimento a diferentes pessoas 
de uma mesma família propiciando a troca de informações entre elas. Foi constatado o uso de 
mapas astrológicos em sessões de orientação vocacional como ferramenta complementar de 
análise. Verificou-se, ainda, que houve indução a convicções morais e religiosas e que foi 
realizado atendimento individual a diversos membros da família. Em sua defesa, o psicólogo 
negou ter abordado a questão religiosa e devassado o sigilo, destacando ser relativa a 
inviolabilidade, já que a atendida era menor de idade. Afirmou utilizar-se somente de 
instrumentos científicos e, eventualmente, da técnica de mapa astral para melhor 
compreender os pacientes e abreviar os processos psicoterápicos. 
Psi Jornal de Psicologia CRP SP, n. 168, mar./abr./2011 (adaptado). 
Com base na situação apresentada e tendo como referência o Código de Ética Profissional do 
Psicólogo, avalie as afirmações abaixo. 
I. A astrologia não é prática complementar da Psicologia e tampouco método científico; 
por tanto, o psicólogo só poderá fazer uso desta prática caso o paciente / cliente 
solicite. 
II. O psicólogo tem o dever de respeitar o sigilo profissional, protegendo, por meio da 
confidencialidade, a intimidade das pessoas; entretanto, na situação apresentada, a 
pessoa atendida era menor de idade, o que autoriza o psicólogo a repassar aos 
familiares as informações obtidas. 
III. Ao psicólogo é vedado induzir a convicções políticas, filosóficas, morais ou religiosas 
no exercício de suas funções profissionais; portanto, no caso relatado, o psicólogo 
infringiu o Código de Ética Profissional. 
É correto o que se afirma em: 
 
 III, apenas. 
 
II, apenas. 
 
I, apenas. 
 
II e III, apenas. 
 
 I e III, apenas. 
 
 
 
2 
 Questão 
Acerto: 0,0 / 0,1 
 
Roberto, de 29 anos, veio à procura de ajuda psicoterápica se demonstrando muito 
preocupado pela mãe, Maria, que mora com ele, separada a mais de 15 anos do pai dele. A 
mãe dele conseguiu emprego recentemente numa empresa farmacêutica como 
recepcionista, mas faz 3 meses que vem relatando problemas de assedio dos diversos 
colegas de trabalho. Estas histórias nunca foram confirmadas por mais ninguém, e inclusive 
o filho já presenciou a Maria afirmando que um amigo dele estava sendo inadequado com 
ela, quando na verdade o amigo só estava sendo gentil. Isso se repete permanentemente 
com todos os trabalhos que Maria consegue, inclusive ela relata essa situação em relação 
aos homens que ela encontra na rua, transporte público, seguranças da empresa e outros 
lugares. Em algumas ocasiões, Maria chega a brigar com esses homens, e esse problema 
tem ocasionado que ela mude constantemente de trabalho. Segundo Roberto, Maria nunca 
teve alucinações, mas a situação de Maria é preocupante porque todas essas brigas e 
histórias de assedio dificultam que Maria possa se desenvolver no trabalho, ainda que ela 
seja uma pessoa muito responsável e capaz. Em função da descrição do Roberto, qual seria 
o transtorno mental da Maria? 
 
 
Esquizofrenia 
 
Transtorno Psicótico breve 
 Transtorno delirante 
 Transtorno esquizoafetivo 
 
Transtorno de personalidade esquizotípica 
 
 
 
3 
 Questão 
Acerto: 0,0 / 0,1 
 
Veja os seguintes textos: 
 
Texto 1: 
Estamos mais preocupados em compreender a normalidade, em fixar o seu conceito, do que 
propriamente em defini-la. Em sua essência complexo, o problema seria prejudicado por uma 
definição que procurasse fixá-lo em palavras, desde que se trata, na realidade, de um conceito 
essencialmente dinâmico. Nessas condições, a definição não auxiliaria em nada a compreensão 
do assunto. O que importa sobretudo é o conhecimento dos fatores a tomar em consideração 
quando falamos em normalidade, pois deles depende a limitação do conceito e a base de 
qualquer tentativa definidora. 
Doyle, I (1950) Estudo da Normalidade Psicológica. Arquivos de Neuropsiquiatria. Vol 8 (2). 
SP. 
Texto 2: 
Em linhas gerais, a investigação do conceito de normalidade tem girado em torno dos três 
eixos definidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como pertencentes à sua 
estrutura: os eixos biológico, psicológico e social. No eixo biológico, é digno de nota o 
desenvolvimento teórico realizado por Canguilhem1, referência epistemológica fundamental 
para o próprio desenvolvimento do campo da Saúde Coletiva. Esse autor criou uma distinção 
original entre a normalidade e a saúde, ao tempo em que efetuou um rompimento com a 
visão tradicional destes conceitos enquanto adaptativos às normas científicas e sociais 
vigentes. 
Coelho, M. T. (2009) Concepções de normalidade e saúde mental entre infratores presos de 
uma unidade prisional da cidade do Salvador. Saúde Pública. Vol. 14 (2). 
Com base nos textos apresentados, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre 
elas. 
I. A obra de Sigmund Freud que, já no início do século XX, rompeu com a disjunção 
entre os fenômenos normais e patológicos, defende que ambos são produtos de 
mesmos mecanismos mentais. 
PORQUE 
II. Dentro do critério psicanalítico não se fala em normalidade, denotando, nesta 
perspectiva teórica, uma tendência indutiva que postula, por generalização, a 
universalidade da condição neurótica. 
 
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta: 
 
 As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa 
correta da I. 
 
A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa. 
 
A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira. 
 As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da 
I. 
 
As asserções I e II são proposições falsas. 
 
 
 
4 
 Questão 
Acerto: 0,1 / 0,1 
 
Na pesquisa aplicada, os psicólogos fazem estudoos para mudar as vidas das pessoas para 
melhor. Para pessoas que sofrem de transtornos mentais, essa mudança pode se dar por meio 
da pesquisa sobre técnicas terapêuticas. Todavia, os psicólogos aplicados estão envolvidos em 
muitos tipos diferentes de intervenções, incluindo aquelas que visam melhorar as vidas de 
estudantes em escolas, empregados no trabalho e indivíduos na comunidade. Por outro lado, 
pesquisadores que fazem pesquisa básica buscam primeiramente entender o comportamento 
e os processos mentais. As pessoas muitas vezes descrevem a pesquisa básica como "procurar 
o conhecimento por si só". A pesquisa básica costuma ocorrer em situações laboratoriais, com 
o objetivo de testar uma teoria sobre um fenômeno. (SHAUGHNESSY, J. J.; ZECHMEISTER, E. 
B.; ZECHMEISTER, J. S.; 2012). Considerando alguns experimentos clássicos da psicologia, 
aponte quais podem ser enquadrados como de natureza básica: 
I. O experimento do boneco João Bobo (Albert Bandura) 
II. O caso do pequeno Albert (Watson) 
III. A caixa de Skinner e os estudos sobre modelagem (Skinner) 
 É correto o que se afirma em 
 
 
I, apenas. 
 
I e II, apenas. 
 
I e III, apenas. 
 
III, apenas. 
 I, II e III. 
 
 
 
5 
 Questão 
Acerto: 0,1 / 0,1 
 
Desenvolvida a partir de estudos de Aaron Beck sobre depressão, a terapia cognitivo 
comportamental enfatiza a relação entre cognição, comportamento e emoções. Quando uma 
pessoa com transtorno de personalidade esquizotípica, por exemplo, é convidada para uma 
festa, pode ter pensamentos relacionados a não ser capaz de fazer isso e adotar um 
comportamento de fuga dizendo não poder aceitar o convite por ter outro compromisso na 
mesma data. O terapeuta cognitivo comportamental analisa esse repertório a fim de entender 
e funcionalizar cognições e comportamentos que estejam desadaptativos, o que ocorre com 
frequência

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.