A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Exercícios - Problemas sociais urbanos - com gabarito

Pré-visualização | Página 2 de 3

modificações espaciais no espaço urbano. Assinale a alternativa que indica um exemplo de correlação.
a)Construção de estações de metrô.
b)Ocupação das margens dos rios.
c)Ocupação de áreas com grandes declividades.
d)Construção de vias de trânsito rápido.
e)Construção de condomínios fechados.
9. (Pucsp 2012) Leia com atenção:
“As cidades constituem-se no palco das contradições econômicas, sociais e políticas e o sistema viário é um espaço em permanente disputa entre diferentes atores, que se apresentam como pedestres, ciclistas, condutores e usuários de automóveis, caminhões, ônibus e motos”.
(BRASIL Acessível. Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana. Ministério das Cidades, 2006. p. 2)
A referência aqui são as grandes cidades brasileiras. Sobre a questão da acessibilidade nessas áreas pode-se observar que
a)nas “disputas” por mobilidade urbana, a automobilização crescente gera problemas para o pedestre que também é usuário dos transportes coletivos. 
b)as preocupações constantes com a mobilidade e a segurança dos pedestres se estendem cada vez mais aos portadores de necessidades especiais. 
c)a multiplicação do hábito do uso da bicicleta resultou da construção de muitas ciclovias nas cidades, roubando, se necessário, espaço dos automóveis. 
d)ônibus e caminhões ao multiplicaram-se no sistema viário das grandes cidades são como vilões que provocam trânsito e atrapalham os pedestres. 
e)a multiplicação de motos nas cidades brasileiras é responsável pelos congestionamentos e por dificuldades na circulação de pessoas e mercadorias. 
10. (Mackenzie 2013) Leia o texto para responder a questão.
“O uso habitual e generalizado da bicicleta em uma cidade qualquer depende de alguns fatos essenciais. Num lugar prioritário entra a questão das características morfológicas do sítio urbano, onde a cidade estabeleceu sua estrutura de ruas, praças e tentáculos. 
Cidades nascidas e crescidas em rasas planícies de restingas propiciam o uso mais amplo de bicicletas, engendrando um papel social que raramente tem sido registrado. Por sua vez, cidades implantadas em regiões acidentadas, desenvolvidas espacialmente em encostas de morros, morrotes e colinas, têm grandes limitações para o uso mais amplo de bicicletas. É o caso dos organismos urbanos estendidos por colunas onduladas possuidoras de rampas e ladeiras como alguns dos pontos tradicionais, que perderam a chance da utilização mais intensa dos biciclos. Ainda que pudessem ter ciclovias de uso parcial, limitadas a setores mais planos de seu sítio urbano, como planície e terraços fluviais. No caso, torna-se inoperante a pressão de pessoas simplórias e da mídia na defesa de um sistema urbano de ciclovias. Tendo-se de considerar sempre para as grandes cidades o problema da intensidade do emaranhado de veículos de toda sorte. Não é preciso dizer que estamos pensando no caso da Grande São Paulo. Nessa conjuntura, o uso da bicicleta em redes mais amplas é praticamente impossível.”
Aziz Nacib Ab’Saber, retirado do sítio da Scientific American Brasil (http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/o_papel_social_das_bicicletas.html)
I. A cidade de São Paulo apresenta um sítio urbano muito adequado para a construção de ciclovias. As recentes manifestações sociais e políticas em defesa do uso de bicicletas como meio de transporte e, não apenas como esporte ou lazer, têm, na Grande São Paulo, um grande potencial de êxito.
II. Segundo Aziz Ab’Saber, o estudo das condições topográficas é essencial para o planejamento de ciclovias. O uso de bicicletas, a despeito de seus benefícios na saúde e no ambiente, pode ser inviável em cidades com terrenos muito acidentados.
III. O texto resume preocupações básicas no planejamento das vias de circulação em grandes cidades. Além das condições topográficas, devem-se levar em conta também o desenho das vias e a intensidade dos fluxos de veículos. Desse modo, a grande São Paulo apresenta as melhores condições para a implantação de ciclovias como alternativa ao transporte por meio de veículos particulares.
De acordo com o texto e suas ideias principais, assinale a alternativa que apresente apenas afirmativas corretas.
a)I.
b)II.
c)II e III.
d)I e II.
e)I e III.
Gabarito: 
Resposta da questão 1:
[D]
[Resposta do ponto de vista da disciplina de Geografia]
As cidades inseridas no modo de produção capitalista são áreas onde a especulação fundiária e imobiliária de desenvolvem com proeminência, uma vez que permitem auferir maior lucratividade. Os bairros dotados de melhor infraestrutura urbana (equipamentos públicos) e serviços públicos e privados, costumam apresentar imóveis e terrenos com maior valor. A valorização de um determinado bairro pode levar até a gentrificação, atraindo famílias de maior poder aquisitivo e causando a repulsão de famílias com menor renda.
[Resposta do ponto de vista da disciplina de Sociologia]
O mercado imobiliário é produtor de valor e busca o lucro. Assim, os territórios da cidade são constantemente organizados de forma garantir esse lucro das empreiteiras através de cálculos de investimento e de retorno financeiro. Isso corresponde exatamente à especulação imobiliária, que trata a moradia como fonte de ganhos financeiros.
Resposta da questão 2:
[C]
Durante o século XX, o Brasil sofreu um processo de urbanização e metropolização intenso com o surgimento de metrópoles e regiões metropolitanas de grande porte. A partir do final do século XX, a velocidade de crescimento demográfico de muitas metrópoles se reduziu, fenômeno por vezes denominado de “desmetropolização”. Algumas metrópoles como São Paulo passaram a ter saldo migratório negativo. Os dados dos últimos Censos Demográficos mostram um crescimento maior da população nas cidades de porte médio, isto ocorre devido a processos socioeconômicos como a descentralização industrial, maior capacidade de geração de empregos, crescimento da oferta de educação (ensino médio, ensino técnico e ensino superior), que fazem com que estas cidades se tornem polos de atração migratória em relação a municípios menos populosos e até metrópoles. 
Resposta da questão 3:
[A]
Entre 2009 e 2015, observa-se o aumento do número de famílias dentro do deficit habitacional, ou seja, sem acesso a moradia digna. O problema se agravou com a crise econômica e aumento do desemprego nos últimos anos, visto que muitas famílias não conseguem pagar sequer aluguel de imóveis. Uma das consequências é o aumento do número de sem-teto e de movimentos reivindicatórios de moradia que realizam ocupações de imóveis vazios no intuito de pressionar o poder público a investir em moradia popular. Por outro lado, o número de imóveis vazios é maior do que o deficit habitacional, o que revela o papel da especulação imobiliária nas cidades brasileiras. O alto valor dos imóveis e dos alugueis é um fator de exclusão habitacional. 
Resposta da questão 4:
[B]
Desde a década de 1990, quando Barcelona (região da Catalunha, Espanha) foi sede dos Jogos Olímpicos e teve bairros revitalizados, que a cidade se tornou grande polo de atração turística. Recentemente, também um dos maiores focos de turismofobia da União Europeia em decorrência de alguns impactos negativos para a população local. A especulação imobiliária levou a valorização de alguns bairros com a elevação do preço dos imóveis, dos aluguéis e do custo de vida em geral, atraindo as classes média alta e alta. Por sua vez, famílias mais pobres se deslocaram para bairros menos valorizados. Esta mudança, atração de ricos e saída de pobres, configura o fenômeno de gentrificação. O turismo de massa fez com que muitos imóveis em alguns bairros fossem alugados para turistas, elevando o preço para os moradores da própria cidade. 
Resposta da questão 5:
[E]
No Brasil, a maioria da população é feminina devido a maior mortalidade e menor expectativa de vida dos homens. A sobremortalidade masculina em relação a mortalidade da população feminina apresenta várias causas, entre as quais, o alto índice de violência (homicídios e acidentes de trânsito) que vitimam