A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Sistema endócrino

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fisiologia endócrina
Funções do sistema endócrino:
Respostas adaptativas a situações de
alarme -> hormônios envolvidos: cortisol,
ACTH, catecolaminas, ADH, glucagon.
Manutenção do meio interno -> ADH,
aldosterona, PTH, calcitonina;
Utilização e armazenamento de energia ->
Insulina, hormônios tireoidianos,
glucagon, leptina, cortisol;
Crescimento e desenvolvimento ->
insulina, GH, hormônios sexuais;
Reprodução -> LH, FSH, hormônios
sexuais
Hormônio - substância que excita,
estimula, provoca algum tipo de reação
em outra região do organismo -> molécula
sinalizadora ou substância química que
regula e coordena várias funções
biológicas do organismo. O hormônio só
pode atuar em uma célula que tem
receptor (estrutura protéica localizadas na
membrana plasmática, citosol ou núcleo.
São proteínas com alta especificidade e
afinidade) para ele.
As células-alvo possuem receptores para
o hormônio.
Sinalização hormonal - formas para que o
hormônio funcione:
Endócrina: transporte do hormônio via
corrente sanguínea até a célula alvo
distante.
A interação do hormônio com o receptor
gera uma resposta.
Autócrina: substância produz um efeito
biológico sobre a mesma célula que o
libera
Parácrina: Difusão intersticial de um tipo
celular para outra célula vizinha
(frequentemente localizada no mesmo
órgão ou tecido)
Neuroendócrina: neurônio produz a
substância que, através do seu axônio, é
encaminhada para a corrente sanguínea
Natureza química dos hormônios:
Protéicos - compostos por aminoácidos
que são ligados por ligações peptídicas
GH - hormônio do crescimento
ADH - hormônio antidiurético
Receptores estão localizados na
membrana plasmática
Ação hormonal (grupo protéico):
Hormônio reconhecido é captado por um
receptor específico -> complexo
hormônio-receptor deve ser acoplado ao
mecanismo de sinais -> sinal gerado
modifica os processos celulares (ex -
síntese protéica a partir da ativação de
DNA).
Mecanismos de transporte:
Hidrossolúveis - circulam dissolvidos no
plasma (sem proteínas de transporte),
mas necessitam de um receptor na
membrana plasmática para atuarem na
célula (ex - GH e ADH);
Lipossolúveis - necessitam de um sistema
de transporte no plasma, mas podem se
difundir através da membrana plasmática
nas células alvo (ex- testosterona ou
hormônios esteroidais). Os receptores
estão no núcleo ou no citosol.
Regulação da secreção hormonal: dois
órgãos importantes são o hipotálamo
(união entre o sistema nervoso e
endócrino) e a hipófise é uma glândula
que possui duas porções: adeno-hipófise
(produz o GH) e neuro-hipófise
(secreta/libera o anti diurético que é
produzido no hipotálamo)
Mecanismos gerais que orientam a
secreção hormonal:
➢ Controle por Feedback:
hormônio-hormônio (negativo-nega
a produção inicial, tenta-se corrigir
a percepção inicial, limita
excessos, manutenção dos níveis
que é para a homeostase, traduz
um controle da secreção pelos
próprios efeitos que esta produz e
positivo- aumenta a produção do
hormônio) informa o que está
acontecendo, se precisa produzir
mais ou produzir menos.
➢ Controle neural: resposta a
estímulos internos e externos
(adrenérgico e colinérgico)
➢ Controle cronotrópico: ritmo
diurno, ciclo sono-vigília, ritmo
sazonal (ex - GH e melatonina)
➢ O GH é produzido no momentos
em que estamos dormindo; ele
sofre um decréscimo com o
envelhecimento
Gigantismo - excesso de secreção de GH
ainda na fase de crescimento, o corpo
todo cresce. Ocorre antes do fechamento
das epífises.
Acromegalia - excesso de GH em uma
fase que já passou do crescimento, e não
é o corpo todo que cresce, apenas
algumas regiões, sem crescimento de
comprimento e sim apenas de largura,
pois ocorre após o fechamento das
epífises.
ADH - é uma hormônio produzido no
hipotálamo e secretado na hipófise
(neuro-hipófise), tem função de evitar
uma diurese exacerbada para não causar
desidratação, ou seja, retém mais líquido
no corpo (que compõe o sangue),
aumenta o sangue do corpo e aumenta a
pressão arterial. Atua interagindo com o
receptor produzindo aquaporinas (canais
de água que ficam nos túbulos renais,
absorve mais água para ficar no corpo).
A polidipsia é uma ingestão muito grande
de água.
Poliuria: excesso de eliminação de líquido
na urina. A poliúria desencadeia como
uma forma de compensação a polidipsia.
Se a quantidade de ADH não está
suficiente ou se não está interagindo com
o receptor, vai ser eliminado muita urina
(poliúria) e o sujeito vai acabar bebendo
muita água (polidipsia) para compensar
essa desidratação. É o que ocorre na
diabetes insipidus. A diabetes insipidus é
diferente da diabetes mellitus. a diabetes
mellitus está relacionada com a glicose e
com a insulina, já a diabetes insipidus
está relacionada com o hormônio ADH,
que é anti-diurético.
maria eduarda frança (primeiro semestre)