A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
102 pág.
EXAMES

Pré-visualização | Página 4 de 10

do abdome mais frequentemente 
lesadas pelo trauma abdominal e estão frequentemente associadas a fraturas dos 
arcos intercostais inferiores. As lesões podem ser do tipo contusão, laceração, fratura 
ou formação de hematomas intraparenquimatosos ou subcapsulares 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
31 
 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
32 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
33 
 
 
 
 
• Tipo de abdome agudo 
• Perfuração de vísceras ocas devido a processos inflamatórios, neoplásicos, 
infecciosos, ingestão de corpo estranho, trauma, entre outros 
• Quadro clínico: 
 Intervalo curto entre o início da dor e a chegada ao serviço de urgência 
 Dor de forte intensidade 
 Sinais de sepse, hipotensão e choque podem estar presentes 
 No exame do abdome há sinais de peritonite, pode ocorrer ausência de 
macicez hepática (sinal de Jobert= desaparecimento da macicez e o 
aparecimento de hipertimpanismo na região hepática, encontrado em 
pneumoperitônio, ou seja, perfuração de vísceras ocas) e dor a 
descompressão brusca (sinal de Blumberg= dor ou piora da dor à 
compressão súbita do ponto de McBurney. O verdadeiro sinal de Blumberg 
positivo ocorre em dois tempos: 1. Durante a compressão e 2. Somente na 
descompressão, sendo nesta de muito maior intesidade) 
• Ar na cavidade abdominal! A detecção de ar livre intraperitoneal é um valioso sinal 
• Raio-X para o diagnóstico de pneumoperitônio: tórax em posição ortostática (incidência 
AP), decúbito lateral com raios horizontais, sensibilidade pode variar de 33-100%, 
dependendo do volume 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Abdome perfurativo 
Ar subdiafragmático 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
34 
 
 
• Perfuração: sinal da cúpula-> a superfície inferior da parte central do diafragma é 
visualizada 
 
 
• Perda da opacidade hepática (seta preta) e sinal do ligamento falciforme (setas brancas) 
Seta vermelha: presença de 
ar intraperitoneal no 
quadrante superior direito do 
abdômen, o que desloca o 
diafragma para cima 
Seta amarela: derrame pleural 
11 
11 
Decúbito lateral 
esquerdo 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
35 
 
 
 Ar livre na cavidade pode tornar visivel o invisivel ligamento falciforme (setas brancas). 
Ambos os lados do estomago são visiveis (seta pontilhada) - sinal de Rigler e um 
aumento da luscência no quadrante superior direito (seta preta) em paciente com 
grande penumoperitoneo por perfuração ulcera gástrica. Na CT: o ligamento falciforme 
(seta branca) é delineado por ar livre em ambos os lados anterior ao figado 
 O ligamento falciforme percorre a borda livre do fígado anteriormente para a direita da 
coluna lombar superior. Contém um remanescente da artéria umbilical obliterada. É 
normalmente invisível, composto de tecido mole e rodeado por tecido de densidade 
semelhante. 
 Quando uma quantidade (normalmente) grande de ar livre está presente e o paciente 
está em posição supina, o ar livre pode subir sobre a superfície anterior do fígado, 
rodear o ligamento falciforme e torná-lo visível. A visualização do ligamento falciforme é 
apropriadamente chamada de sinal de ligamento falciforme 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
36 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
37 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
38 
 
• Causas de ar na cavidade peritoneal: perfuração úlcera gástrica ou úlcera duodenal, 
trauma/ corpo estranho, diverticulite perfurada, apendicite, perfuração de neoplasia, febre 
tifóide, doenças inflamatórias 
• TC: mais sensível que Raio X, localização e distribuição do gás fornecem chaves 
diagnósticas podendo ser possível localizar a lesão em 80% dos casos 
• Úlcera duodenal: gás e líquido na cavidade peritoneal e espaço para-renal maior 
• UG u UD: loja peripancreática 
• Retroperitônio: espaços para-renais 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pneumoperitoneo por 
diverticulite de sigmóide 
perfurado = ar livre no 
espaço hepatorrenal 
(seta preta), pararrenal 
direito (seta branca) e 
retrocaval (ponta de seta 
preta). 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
39 
 
 
Abdome agudo hemorrágico 
• Hemorragias intra-abdominais provocadas por algumas patologias: rotura de aneursimas, 
gravidez ectópica rota, rotura do folículo ovariano, rotura hepática espontânea, 
endometriose 
• Raio-X simples sem muito valor no AA vascular hemorrágico, se possível TC/AngioTC com 
contraste 
• A dor abdominal varia de intensidade com a causa da hemorragia. Pode estar associada a 
manifestações de hipovolemia e choque. A apresentação clínica depende do volume 
perdido, da velocidade da perda, as condições gerais do paciente e a causa da hemorragia 
• Sangue vai parando e coagulando-> tampona 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
40 
 
 
 
 
 
 
O que observar? 
• O tamanho, a forma e a posição do coração 
o Localização do coração: 2/3 do lado esquerdo a partir da linha média, 1/3 à direita. 
o Ápice do coração no ponto inferior esquerdo, no eixo oblíquo 
o Índice C/T = a+b/T = <= 0.5 
Radiologia cardíaca 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
41 
 
 
• Pulmões e vasos pulmonares 
• Calcificação aorta e valvas cardíacas 
O que pode “aumentar” a área cardíaca? 
• Tipo corporal: 
o Longilíneo: mais em gota 
o Brevilíneo: mais achatado 
• Inspiração: alongamento do coração, sombra cardíaca normal 
• Expiração: sombra cardíaca se horizontaliza 
• Posição do paciente: ortostática, decúbito dorsal 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
42 
 
 
• Causas extracardíacas de aumento da área cardíaca: Raio x portátil, obesidade, gravidez, 
ascite 
 
• Hilo pulmonar: 
o Hilo pulmonar esquerdo superior ao direito 
o APE projeta-se ao hilo logo após sua origem 
o APD cruza o mediastino antes da entrada no hilo 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
43 
 
 
Aumento da área cardíaca 
• Pode ocorrer por: 
o Aumento do ventrículo esquerdo 
o Aumento do ventrículo direito 
o Aumento do átrio direito 
o Aumento do átrio esquerdo 
 
 
• Borda cardíaca esquerda é deslocada para a esquerda, inferiormente ou posteriormente 
• Perfil: espaço retrocardíaco se estreita ou desaparece. Espaço esofágico desparece 
 
• Doenças associadas ao aumento do VE 
o HAS 
o Insuficiência aórtica 
o Estenose aórtica 
o Insuficiência mitral 
o Anormalidades da parede 
o Aneurismas de ventrículo esquerdo 
o Cardiomiopatia hipertrófica 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
44 
 
 
 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
45 
 
 
 
• Arredondamento da borda esquerda 
• Elevação ápice 
• Perfil: o contato entre a superfície frontal do coração e o esterno (parede anterior do tórax) 
> 1/3 
• Doenças associadas: 
o Estenose pulmonar 
o Hipertensão pulmonar 
o Tetralogia de Fallot 
 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
46 
 
 
 
 
 
• Borda direta: dupla 
• Densidade do alargamento do átrio esquerdo 
• Borda esquerda: sombra do AE no lado esquerdo do coração 
• Perfil: meio do esôfago (contrastado) comprimido e deslocado posteriormente 
• Aumento da aurícula atrial – aumento da borda esquerda (dupla borda) 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
47 
 
 
• Doenças associadas ao aumento de AE: 
o Doença mitral 
o Insuficiência cardíaca esquerda 
o Cardiopatias congênitas 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
EXAMES 
2020.2 
 
48 
 
• Abaulamento da borda cardíaca direita 
• Alongamento da borda do coração direito 
• Doenças associadas: 
o Hipertensão pulmonar 
o Doenças da valva pulmonar 
o Estenose tricúspide 
o Defeito atrial septal 
 
 
 
 
• Geralmente com contraste 
• Pode ser utilizada para avaliar artérias coronárias e as valvas, além de procurar massas 
cardíacas 
• Os três planos padrão para a