A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
HISTOLOGIA C

Pré-visualização | Página 2 de 9

alojamento ósseos denominados 
alvéolos 
▪ A coroa é recoberta por um tecido mineralizado 
extremamente duro denominado esmalte, e as raízes, por 
outro tecido mineralizado, denominado cemento. Essas duas 
estruturas se encontram no colo do dente. Localizado mais 
internamente, imediatamente abaixo do esmalte e do cemento, a dentina é outro tecido 
mineralizado que compõem a maior parte do tempo. Ela circunda um espaço denominado 
cavidade pulpar, preenchido com tecido conjuntivo frouxo muito vascularizado e inervado 
denominado polpa dental. 
▪ Ligamento periodontal: tecido conjuntivo com feixes grossos de fibras colágenas inseridas 
no cemento e no osso alveolar, fixando o dente firmemente no alvéolo 
▪ Dentina: tecido mineralizado com alto conteúdo de sais de cálcio; composta por fibrilas de 
colágeno I, glicosaminoglicanos, fosfoproteínas, fosfolipídios e sais de cálcio na forma de 
cristais de hidroxipatita. A matriz orgânica é secretada pelos odontoblastos, células 
localizadas na periferia da polpa, junto à dentina-> célula alongada que deposita matriz 
orgânica apenas sobre a superfície dentinária; possuem estruturas de células polarizadas 
secretoras de proteínas, com grânulos de secreção no citoplasma apical e um núcleo 
basal. A dentina é sensível a diversos estímulos, como calor, frio, trauma e pH ácido, 
sendo todos esses estímulos percebidos como dor. Embora a polpa seja muito inervada, a 
dentina possui poucas fibras nervosas amielínicas que penetram nos túbulos na sua 
porção pulpar 
▪ Esmalte: cristais de hidroxipatita. É produzido apenas durante o desenvolvimento do dente 
por células de origem ectodérmica, os ameloblastos. Os ameloblastos são células 
colunares altas que possuem numerosas mitocôndrias na região abaixo do núcleo. 
Retículo endoplasmático rugoso e um complexo de Golgi bem desenvolvido são 
observados acima do núcleo. Não é composta por fibrilas colágenas, mas sim por pelo 
menos duas classes heterogêneas de proteínas denominadas amelogeninas e enamelinas 
▪ Cemento: recobre a dentina radicular e assemelha-se em composição com o tecido ósseo, 
embora os vasos sanguíneos e os sistemas haversianos estejam ausentes. Cementócitos: 
ficam enclausuradas em lacunas, mas quase não se comunicam entre si por meio de 
canalículos e sua nutrição provém principalmente do ligamento periodontal. É labil e reage 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
HISTOLOGIA C 
2020.2 
 
5 
 
às forças às quais é submetido 
como reabsorção de tecido antigo 
ou produção de novo tecido 
▪ Ligamento periodontal: composto 
por um tipo especial de tecido 
conjuntivo cujas fibras, arranjadas 
em feixes grossos, penetram no 
cemento do dente e nas paredes 
ósseas dos alvéolos, permitindo 
movimentos limitados do dente. As 
fibras do ligamento são 
organizadas para suportar 
pressões exercidas durante a 
mastigação, o que evita a 
transmissão direta da pressão para 
o osso, um processo que poderia 
ocasionar uma reabsorção óssea localizada 
▪ Gengiva: membrana mucosa firmemente aderida ao periósteo dos ossos maxilar e 
mandibular. É composta por epitélio pavimentoso estratificado e lâmina própria contendo 
numerosas papilas conjuntivas. Uma parte muito especializada deste epitélio, denominada 
epitélio juncional, está unida ao esmalte do dente por meio de uma cutícula que se 
assemelha a uma lâmina basal espessa. As células epiteliais são aderidas a esta cutícula 
por meio de hemidesmossomos. 
 
 
▪ São glândulas exócrinas que produzem saliva, fluido que possui funções digestivas, 
lubrificantes e protetoras 
 
▪ Uma cápsula de tecido conjuntivo rico em fibras colágenas reveste as glândulas salivares 
maiores 
▪ O parênquima das glândulas consiste em terminações secretoras e em um sistema de 
ductos ramificados, que se arranjam em lóbulos, separados entre si por septos de tecido 
conjuntivo que se originam da cápsula 
▪ As terminações secretoras possuem dois 
tipos de células- serosas ou mucosas, 
além de células mioepiteliais não 
secretoras. Esta porção secretora 
precede um sistema de ductos cujos 
componentes modificam a saliva, à 
medida que ela é conduzida para a 
cavidade oral 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
HISTOLOGIA C 
2020.2 
 
6 
 
▪ Células serosas: possuem geralmente um formato piramidal, com uma base larga que 
repousa sobre uma lâmina basal e um ápice com microvilos pequenos e irregulares, 
voltados para o lúmen; células polarizadoras secretoras de proteínas 
▪ Células mucosas: formato cubóide ou colunar, núcleo oval e encontra-se pressionado 
junto à base da célula; células secretoras de muco com glicoproteínas (mucina) 
importantes para as funções lubrificantes da saliva. Organizam-se na forma de túbulos, 
que são arranjos cilíndricos, e no final deles existe um grupo de células serosas que 
constituem as semiluas serosas 
▪ Células mioepiteliais: têm várias características semelhantes às células musculares, 
incluindo a contratilidade. Estabelecem desmossomos entre si e com as células secretoras. 
Embora a contração das células mioepiteliais acelere a secreção de saliva, sua principal 
função parece ser a prevenção da distensão excessiva da terminação secretora durante a 
secreção, devido ao aumento da pressão luminal. 
▪ Sistema de ductos: são caracterizados por estriações radiais que se estendem da base 
das células até a altura dos núcleos-> são invaginações da membrana plasmática basal 
com numerosas mitocôndrias alongadas que estão alinhadas paralelamente às 
invaginações-> células transportadoras de 
íons 
▪ Ductos interlobulares: epitélio cubóide 
estratificado-> epitélio colunar estratificado-
> epitélio pavimentoso estratificado não 
queratinizado 
▪ Glândula acinosa composta 
▪ Porção secretora composta por células 
serosas contendo grânulos de secreção 
ricos em proteínas e elevada atividade 
de amilase-> hidrólise de carboidratos 
▪ O tecido conjuntivo contém muitos plasmócitos e linfócitos 
▪ Os plasmócitos secretam IgA, que forma um complexo com um componente secretor 
sintetizado pelas células acinosas-> defesa imunológica contra antígenos na cavidade 
oral 
 
▪ Glândula tubuloacinar composta 
▪ Principal constituição: células serosas-> núcleo arredondado e citoplasma basófilo 
▪ Células secretoras: presença de extensas invaginações basais e laterais voltadas 
para o plexo vascular, aumentando a superfície para transporte de íons 
▪ Semiluas: secretam lisozima, cuja principal função é hidrolisar as paredes de certas 
bactérias 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
HISTOLOGIA C 
2020.2 
 
7 
 
 
▪ Glândula tubuloacinar composta 
▪ Principal constituição: células mucosas 
▪ Semiluas serosas: secretam lisozima 
 
 
 
▪ Tubo muscular 
▪ Possui as mesmas camadas que o resto do trato digestivo 
▪ Epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado 
▪ Glândulas esofágicas da cárdia: secretam muco 
▪ Glândulas esofágicas (submucosa): secretoras que muco, que facilita o transporte de 
alimento e protege a mucosa 
▪ Na parte superior, a camada muscular consiste exclusivamente em fibras estriadas 
esqueléticas (esfíncter superior, importante para a deglutição); na porção média, há 
uma mistura de musculatura estriada esquelética e lisa; na porção distal, há células 
musculares lisas 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
HISTOLOGIA C 
2020.2 
 
8 
 
 
 
 
▪ Função exócrina e endócrina 
▪ Transformar o bolo alimentar em uma massa viscosa (quimo) por meio da atividade 
muscular e química 
▪ As camadas mucosa e submucosa do estômago não distendido repousam sobre dobras 
direcionadas longitudinalmente. Quando o estômago está distendido devido à presença de 
alimento, essas dobras se achatam 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA 60 
HISTOLOGIA C 
2020.2 
 
9 
 
 
Mucosa 
▪ Fossetas gástricas: epitélio que 
sofre invaginações em direção 
à lâmina própria. Local onde 
desemboca a secreção de 
glândulas tubulares ramificadas 
características de cada região