A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Questões Brasil Indígena e Pré-colonial

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Questões Brasil Indígena e Pré-colonial - página 1
Pre-visualização do material Questões Brasil Indígena e Pré-colonial - página 2
Pre-visualização do material Questões Brasil Indígena e Pré-colonial - página 3

Questões Brasil Indígena e Pré-colonial

b) guiado pelo interesse dos descobridores em explorar a nova terra, principalmente por meio da extração de 
riquezas, interesse que se colocava acima da compreensão da cultura dos indígenas, que seria quase 
dizimada junto com essa população. 
c) facilitado pela docilidade dos indígenas, que se associaram aos descobridores na exploração da nova terra, 
viabilizando um sistema colonial cuja base era a escravização dos povos nativos, o que levaria à destruição da 
sua cultura. 
d) marcado pela necessidade dos colonizadores de obterem matéria-prima para suas indústrias e ampliarem o 
mercado consumidor para sua produção industrial, o que levou à busca por colônias e à integração cultural 
das populações nativas. 
 
Questão-14 - (UFV MG) 
 Sobre o período Pré-colonial, é CORRETO afirmar: 
a) Um grupo de mercadores portugueses, representados por Fernão de Noronha, arrendou o direito de 
exploração do território, no início do século XVI. 
b) A extração de pau-brasil era destinada à exportação dessa madeira para a construção de fortes e edifícios 
administrativos portugueses nas possessões ultramarinas do Oriente, como Goa e Nagasaki. 
c) A administração do Governador-Geral Duarte da Costa permitiu a utilização da mão de obra indígena na 
instauração de feitorias que, mais tarde, possibilitariam a implementação dos engenhos de açúcar. 
d) A produção de cana-de-açúcar em Pernambuco e São Vicente, assim como de algodão, no Maranhão, permitiu 
a expansão da presença portuguesa para além dos limites impostos pelo Tratado de Tordesilhas. 
 
Questão-15 - (UEPG PR) 
 
O período situado entre 1500 e 1530, no Brasil, pode ser entendido como um tempo de: 
01. Ocupação das áreas platinas que provocaram conflitos com a Inglaterra. 
02. Pouco interesse na ocupação efetiva do território descoberto, visto que não apresentava sinais evidentes de 
metais nobres. 
04. Privilegiamento do comércio com o Oriente pois as especiarias, o marfim, as sedas e outros objetos de luxo 
constituíam certeza de lucro imediato. 
08. Presença de expedições exploradoras e guarda-costas para o reconhecimento do litoral e expulsão de piratas 
estrangeiros. 
16. Extração e exportação do pau-brasil para a Europa, usado no tingimento de tecidos. 
 EXERCÍCIOS BRASIL INDÍGENA E PRÉ-COLONIAL 
Questão-16 - (UFSE) 
 Durante o chamado Período Pré-colonizador, a ocupação portuguesa, a atividade econômica básica e a mão-de-
obra nela empregada ficaram caracterizadas, respectivamente, pelas 
 
a) Feitorias, exploração do pau-brasil e a mão-de-obra indígena. 
b) Capitanias hereditárias, cultivo da cana-de-açúcar e pelo índio sob regime de escravidão 
c) Feitorias, exploração do pau-brasil e mão-de-obra escrava 
d) Capitanias hereditárias, exploração do pau-brasil e mão-de-obra indígena submetida á orientação dos jesuítas. 
e) Feitorias, cultivo da cana-de-açúcar e pelo indígena pacificado. 
 
Questão-17 - (UFTM MG) 
 Os Tupinambás, no entender dos lusos, “usavam de bestialidades mui estranhas”: pedras ou ossos nos beiços, por 
exemplo, vivendo como “alimárias montesas”, ou seja, como animais. O fato deles não possuírem nem fé, nem lei, 
nem rei (...) transformou-se aos poucos em justificativa para desprezá-los. Pior ainda, o canibalismo, registrado 
primeiramente por Américo Vespúcio, fez de muitos grupos tribais o símbolo por excelência da barbárie. 
(Mary del Priore; Renato Pinto Venâncio. O livro de ouro da história do Brasil, 2001.) 
 
Infere-se do texto que: 
a) ao aportarem na América, os europeus encontraram outras sociedades e culturas, já citadas na Bíblia, mas 
consideradas extintas. 
b) a catequese pretendia cristianizar os Tupinambás por intermédio da correspondência entre os deuses 
indígenas e os santos católicos. 
c) os europeus, guiados pelos preceitos renascentistas, encaram os indígenas como crianças, que mereciam 
apoio, proteção e educação. 
d) os indígenas encontrados pelos portugueses não despertaram atenção e curiosidade, pois não possuíam 
reservas de ouro e prata. 
e) por encarar o outro a partir de seus próprios valores, o olhar europeu só foi capaz de julgar os índios a partir 
da diferença e da falta. 
 
Questão-18 - (ENEM) 
 A língua de que usam, por toda a costa, carece de três letras; convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa 
digna de espanto, porque assim não têm Fé, nem Lei, nem Rei, e dessa maneira vivem desordenadamente, sem terem 
além disto conta, nem peso, nem medida. 
GÂNDAVO, P. M. A primeira história do Brasil: história da 
província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2004 (adaptado). 
 
A observação do cronista português Pero de Magalhães de Gândavo, em 1576, sobre a ausência das letras F, L e R 
na língua mencionada, demonstra a 
 
a) simplicidade da organização social das tribos brasileiras. 
b) dominação portuguesa imposta aos índios no início da colonização. 
c) superioridade da sociedade europeia em relação à sociedade indígena. 
d) incompreensão dos valores socioculturais indígenas pelos portugueses. 
e) dificuldade experimentada pelos portugueses no aprendizado da língua nativa. 
 
 
 EXERCÍCIOS BRASIL INDÍGENA E PRÉ-COLONIAL 
Questão-19 - (UFSC) 
Povos resistentes 
Não somos povos emergentes nem povos ressurgidos, somos resistentes! Somos povos resistentes! 
A frase foi entoada como um grito de guerra pelo cacique Pequena da etnia Jenipapo-Canindé, do Ceará, em um 
encontro ocorrido em Olinda, em 2006. Esse encontro, que reuniu 47 grupos étnicos, foi um marco na luta dos 
povos indígenas que ainda não têm sua identidade reconhecida. Muitos grupos buscam esse reconhecimento 
perante a sociedade e o poder público. 
Ser Protagonista: História, 3o Ano: ensino médio. São Paulo: Edições SM, 2013, p. 18. 
Sobre os povos indígenas, é correto afirmar que: 
01. Santa Catarina não registra índices de conflitos envolvendo comunidades indígenas, entre outros fatores, por 
ter investido ao longo dos anos em políticas de integração desses povos à sociedade. 
02. com a missão de converter os indígenas ao cristianismo, os jesuítas proibiram hábitos culturais como, por 
exemplo, a antropofagia, a poligamia e a nudez. Entre outras ações, ainda criaram os chamados 
“aldeamentos”, locais onde os indígenas viviam sob a proteção dos religiosos. 
04. os primeiros colonizadores chamavam pejorativamente de “índio” toda a população que vivia no território da 
América portuguesa pois não se haviam dado conta da grande variedade de culturas que ocupava o vasto 
território. 
08. como parte do projeto nacionalista de “brasilidade”, a ideia de enaltecer a imagem dos indígenas repercutia 
intensamente nas propagandas do governo Vargas. 
16. durante o Império, com a aprovação da Lei de Terras (1850), as chamadas terras devolutas foram 
disponibilizadas por tempo determinado para a reivindicação de posse dos povos indígenas. No entanto, a lei 
não teve efeito por falta de ampla divulgação entre esses povos. 
32. embora existam garantias legais, o direito dos povos indígenas à terra tem sido ameaçado constantemente 
por conflitos com agricultores, pecuaristas, madeireiras e mineradoras. 
 
Questão-20 - (UDESC SC) 
 
“No Brasil, é comum retratar as populações indígenas como meros resquícios de um passado cada vez mais 
remoto, como os pobres remanescentes de uma história contada na forma de uma crônica do desaparecimento e 
da extinção. Diversos povos sucumbiram ao impacto fulminante do contato e da conquista, é verdade. Mas 
muitos conseguiram sobreviver ao holocausto, recompondo populações dizimadas, reconstruindo suas 
identidades, enfim, se ajustando aos novos tempos. Contribuem, hoje, para o rico painel de diversidade cultural 
que é, sem dúvida alguma, o patrimônio mais precioso deste país”. 
MONTEIRO, John M. Armas e armadilhas: história e resistências dos índios. In: NOVAES, Adauto (org.). A Outra 
margem do ocidente. São Paulo: