A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
10 - Soluções Irrigantes em Endodontia

Pré-visualização | Página 1 de 3

Soluções Irrigantes em Endodontia Prof. Jardel 
Letícia Moda / @leticia_odontolover 
 
Objetivos da Terapêutica Endodôntica 
 
 
1. Abertura coronária: por meio da cirurgia de acesso e do preparo cervical; 
2. Limpeza, forma e desinfecção: instrumentação, seguido de irrigação, aspiração e inundação; 
3. Tratamento restaurador; 
4. Obturação. 
 
Preparo biomecânico: limpeza, forma e desinfecção 
 
 
Meios mecânicos: Ação propriamente dita dos instrumentos, através da seleção de 3 a 4 
instrumentos, removendo a modelagem dos canais radiculares, dando forma a eles. 
Meios químicos: aula de hoje 
Meios físicos: movimentação das soluções irrigadoras dentro dos canais radiculares 
 
 
Sistema de canais radiculares 
É muito importante ter conhecimento da anatomia dos dentes e de seus canais radiculares, porque 
dificilmente haverá um canal único, sem ramificações, deltas apicais, intercanais e acessórios. Há 
todo um sistema de canais radiculares, que derivam do canal principal. Aí está a importância dos 
meios químicos e físicos, pois nesses canais acessórios é difícil atuar com os meios mecânicos 
(instrumentação). Para desinfetar essas áreas, somente pela atuação química e física (irrigação, 
aspiração e inundação com soluções irrigantes durante todo o tratamento endodôntico) 
 
Na segunda imagem abaixo, a área em vermelho é onde o instrumento atua, como se fossem dois 
canais distintos. Já a área verde é a anatomia original do canal, onde as soluções irrigantes irão atuar. 
 
Quando se tem o trabalho dos instrumentos dentro do canal, eles irão formar debrie (restos 
orgânicos e inorgânicos) e smear layer nas paredes, o qual só é levado para a região cervical com a 
movimentação hidráulica da irrigação, onde será aspirado pelas cânulas de aspiração. 
 
 
 
Irrigação 
Objetivos 
 Diminuir o atrito entre o instrumento e a parede dentinária: ação lubrificante 
 Promover limpeza 
 Remover restos pulpares (biopulpectomia) 
 Remover raspas de dentina da Instrumentação) 
 Remover restos de tecidos necróticos (penetração desinfetante) 
 Diminuir contingente bacteriano (substância com caráter antimicrobiano) 
 Neutralizar produtos tóxicos (ação bacteriana no canal radicular) 
 Não agredir tecidos periapicais (sempre lembrar que, mesmo biocompatíveis, são soluções 
que podem agredir os tecidos se não forem utilizadas corretamente) 
 Impedir o depósito apical de contaminação e raspas de dentina produzidas pela 
instrumentação (impedir a compactação do conteúdo dentário). 
 Hemostasia (dependendo da solução, na biopulpectomia, consegue-se reduzir o 
sangramento em casos de polpa viva) 
 
 
Importante 
 Aprender as propriedades das soluções 
 Indicações de cada solução 
 A escolha não pode ser aleatória 
 
Requisitos para todas as soluções 
1. Baixa tensão superficial: Devem ter baixa tensão superficial, para ter maior capacidade de 
umectação e penetração, tendo maior molhabilidade e disponibilidade dessa solução em 
todas as áreas de desafios anatômicos do sistema de canais radiculares. 
2. Pouca viscosidade: Precisa apresentar pouca viscosidade, para ter maior escoamento da 
solução para o interior dos canalículos e desafios anatômicos. 
3. Solvência de tecido: Todo tecido pulpar, mesmo vivo e não infectado, deve ser eliminado 
durante a biomecânica, para não servir de substrato potencial a uma proliferação microbiana. 
4. Ação antimicrobiana: Microrganismos e seus produtos são os principais responsáveis pela 
iniciação e perpetuação das patologias pulpo-periapicais. 
5. Ação quelante: Remoção da “smear layer” resultante da instrumentação. Importante para 
liberar o smear layer e deixar os túbulos expostos para receber o cimento obturador e gerar 
maior adesão entre eles. 
6. Ação lubrificante: Hidratação das paredes dentinárias, reduzindo força de atrito. Permite 
hidratação das paredes e o deslizamento dos instrumentos durante o preparo e a 
instrumentação, reduzindo força e estresse dentro do canal, evitando fratura dos 
instrumentos. 
7. Suspensão de detritos: As substâncias auxiliares têm como função manter os detritos 
orgânicos e inorgânicos em suspensão facilitando sua remoção, por meio da aspiração. 
8. Não irritante aos tecidos periapicais: Não deve irritar os tecidos e deve estimular o processo 
de reparo apical 
 
 
 
Classificações das soluções Irrigadoras Utilizadas no preparo biomecânico 
1. Compostos halogenados 
2. Quelantes 
3. Peróxidos 
 
4. Tensoativos 
5. Associações e misturas 
6. Outras soluções 
 
1. Compostos Halogenados 
Todos os elementos da família dos halogênios, coluna 17 da tabela periódica: F, Cl (hipoclorito de 
sódio), Br, I, At. 
 
 
 Pode levar água sanitária do mercado (NaOCl 2 - 2,5%) para irrigar os canais? NÃO, é impuro. 
Deve comprar em dental ou casas de laboratórios. 
 
 Três últimas soluções → Composto halogenado + sal = ↓ pH → atua melhor na neutralização 
dos compostos tóxicos bacterianos que causam necrose pulpar. 
 
 Baixo: o hipoclorito de sódio em água libera ácido fraco (hipocloroso) e uma base forte 
(hidróxido de sódio)  neutralização dos conteúdos tóxicos microbianos 
 
 
 
 
Hipoclorito de sódio - Funções 
1. Dissolução tecidual: em casos de pulpectomia - polpa viva, o hipoclorito de sódio ajuda a 
dissolver a polpa e, em caso de necrose pulpar, ele auxilia na dissolução do tecido necrosado. 
2. Ação antimicrobiana: excelente. 
3. Neutralização dos produtos tóxicos 
4. Ação detergente 
5. Atividade desodorizante: atenua o cheiro forte proveniente de canais já necrosados ou com 
curativos. 
6. Umedecimento e lubrificação: permite deslizamento do instrumento dentro do canal 
radicular. 
7. Agente clareador: em necrose pulpar, o dente do paciente está bem escurecido, geralmente 
em região coronária e de furca e, conforme é usado o hipoclorito de sódio durante o 
tratamento, ele vai clareando essas áreas. Por isso é interessante tirar uma foto inicial e uma 
final, a diferença é notável. 
 
 
Na segunda foto, é possível visualizar uma espuma branca que se forma devido à reação de 
oxigenação do hipoclorito de sódio, onde ele libera oxigênio e vai auxiliar no processo de 
neutralização dos conteúdos microbianos, na ação detergente e clareadora. Observar essa reação 
até no isolamento absoluto. 
 
 
1. Dissolução tecidual 
 
 
 Reação de saponificação: Hipoclorito de sódio age nos ácidos graxos formando sabão e 
glicerol → ação detergente e antimicrobiana 
 
 Reação de neutralização: Hipoclorito de sódio age sobre as proteínas, principalmente sobre 
os aminoácidos, formando sal e água 
 
 Reação de cloraminação: quando o ácido hipocloroso age sobre as proteínas, formando 
cloraminas e água → liberando oxigênio nascente e cloro livre. 
 
 
 
 
2. Ação antimicrobiana 
Em contato com tecido orgânico ocorre simultaneamente 3 reações: 
 Liberação de oxigênio nascente 
 Formação das Cloraminas (cloro livre)  interferência no metabolismo celular 
 pH elevado (próximo 12) 
 
 
 
3. Neutralização dos produto tóxicos 
 Promove a neutralização imediata 
 Evita o flure up ou abcesso fênix 
 Diminui a contaminação dos terços médio e apical pelo terço cervical 
 
Flare up ou abscesso fênix: quando ocorre a agudização de um processo que até então era 
crônico. 
 
 
4. Ação detergente 
Ocorre simultaneamente à ação saponificante: 
 Solubiliza os tecidos gordurosos (saponificação), transformando em sabões solúveis e de 
fácil eliminação 
 Reduz a tensão superficial 
 Aumenta a umectação 
 
 
5. Atividade desodorizante 
 Atua sobre infecções anaeróbias = odor fétido 
 
 
6. Umedecimento e lubrificação 
 Favorece a fase mecânica de instrumentação 
 
 
7. Agente clareador 
 
 
 
 
Hipoclorito de sódio - Características 
 Quanto maior a concentração e a temperatura da