A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Resumo de anatomia do sistema digestório

Pré-visualização | Página 2 de 7

parassimpático remanescentes da paratidectomia crescem e só param na pele -
> qnd houver o estímulo p/ prod de saliva, haverá vasodilatação c/ rubor e sudorese 
 
* na parotidectomia deve-se ter atenção com o nervo facial -> ele está dentro da gl parótida 
 * relação c/ carótida externa -> 
b. Glândula submandibular = medialmente ao ângulo da mandíbula; ducto abre-se na base do frênulo da língua 
Irrigação: 
- Ramos das artérias facial e lingual + drenagem por veia lingual 
Inervação: 
- Fibras parassimpáticas, simpáticas e nervos glossofaríngeo e facial. 
c. Glândula sublingual = no assoalho da boca; não tem ductos, apenas pequenos dúctulos. 
Irrigação: 
- Artéria sublingual e artéria submentual (ramos da artéria lingual). 
Inervação: 
- Fibras parassimpáticas, simpáticas e nervos glossofaríngeo e facial. 
d. Glândulas salivares menores - distribuídas ao longo da cavidade bucal e até na faringe e laringe. 
Faringe 
A faringe é: 
• um órgão tubular com a forma de um funil; 
• cerca de 12 a 14 cm de comprimento; 
• amplitude de cerca de 50 mm na altura do hioide e cerca de 15 mm no inferior. 
• Funções respiratórias e digestivas; 
• Extensão: base do crânio até margem inferior da cartilagem cricoide (margem inferior de C6, quando adulto -> em crianças, 
no nível de C4); 
• 3 partes (c/ origem embriológica diferente, doenças c/ comportamento e tratamento diferentes): 
- Parte nasal: respiratória; 
- Parte oral: digestória e respiratória; 
- Parte laríngea: digestória. 
• Relações: 
- Esfenoide; 
- Cavidades nasal e oral; 
- Laringe; 
- Fáscia pré-vertebral; 
- Músculos estiloides, processo estiloide, músculo pterigoideo medial, bainha carotídea e tireoide. 
Nasofaringe/rinofaringe (porção superior) 
• Extensão: corpo do esfenoide e parte basilar do osso occipital até palato; 
• Tonsilas faríngeas (“adenoides”) na linha média do corpo do esfenoide -> adenoidectomia (retirada tb das tonsilas palatinas - 
“amígdalas”) 
• Óstio faríngeo da tuba auditiva (comunica faringe c/ tuba auditiva) entre prega salpingofaríngea (posterior) e prega 
salpingopalatina (anterior); 
* salpingo = tubo -> pregas vão do tubo p/ faringe 
• Tuba auditiva: equilíbrio pressórico entre a cavidade timpânica e ar externo + prevenção de infecções (drenagem da tuba p/ 
nasofaringe) 
* ao subir p/ regiões de menores pressões, a deglutição abre o óstio c/ a ajuda dos mm. Salpingofaríngeo e salpingopalatino = 
equilíbrio pressórico 
Tuba auditiva 
 
* por na criança ser mais horizontal, a chance de infecção é maior -> por isso não deve se alimentar deitado. 
 
 
* pacientes acabam respirando oralmente 
Orofaringe/bucofaringe 
• Superior: palato 
• Inferior: osso hioide 
• Anterior: “istmo das fauces” 
- Palato e úvula 
- Arco palatoglosso 
- “V” Lingual 
Câncer de orofaringe – tonsila palatina 
Hipofaringe/ Laringofaringe 
• Superior: osso hioide 
• Inferior: margem inferior da cartilagem cricoide 
• Lateral: recessos piriformes 
• Anterior: laringe (órgão do sistema respiratório) 
 
Anel Linfático de Waldeyer - tonsilas ditribuídas entre a nasofaringe e a orofaringe em formato de anel -> através dessas 2 
cavidades é que há o contato c/1ºs corpos estranhos -> desenvolvimento de anticorpos 
 
* TF = tonsilas faringicas 
* TT = tonsilas tubárias - tubas auditivas -> posterior às pregas salpingofaríngeas 
* TP = tonsilas palatinas 
* TL = tonsilas linguais 
* nódulos linfáticos da faringe 
 
Laringoscopia - deglutição a seco: laringe se eleva -> epiglote fecha p/ proteger a laringe da entrada dos alimentos em direção 
aos pulmões -> bolo alimentar é dividido p/ 2 lados p/ cada recessos piriformes da faringe -> se junta ao alcançar o esôfago -> 
estômago 
5 atos p/ evitar que o alimento caia na laringe: elevação da laringe + pregas vocais fecham + fechamento da epiglote + 
fechamento do véu palatino (manobra do palato mole que protege a rinofaringe) + abertura do esfíncter superior do esôfago 
Vascularização e inervação 
• A. faríngea ascendente (ramo da a. carótida externa) e a. tireoidea inferior (ramo da a. subclávia); 
• Plexos venosos submucosos e retrofaríngeos 
• Linfáticos retrofaríngeos e cervicais profundos – drenam p/ veia jugular interna 
• Ramos faríngeos dos n. glossofaríngeo (IX), vago (X) e acessório (XI) e gânglio cervical superior – componentes sensitivos e 
motores 
Músculos da faringe 
• É composta de: 
- Uma camada de musculatura circular externa - contrictores 
- Uma camada de musculatura longitudinal interna – elevadores (durante a deglutição) 
1. Constritores: servem para comprimir as paredes da faringe contra o conteúdo. 
1.1. Músculo constrictor superior 
1.2. Músculo constrictor médio 
1.3. Músculo constrictor inferior (fibras oblíquas) 
1.3.1. Músculo cricofaríngeo - fibras musculares do esfíncter esofágico (transversais) 
* Divertículo de Zenker - o triângulo de Killian é região triangular de fragilidade devido à mudança da orientação das fibras e 
ao reduzido nº de fibras + hipertonicidade do m. cricofaríngeo -> aumento de pressão -> herniação da mucosa posterior da 
faringe - região sacular denominado de divertículo de Zenker -> pcte sofre ptose, devido ao acúmulo de alimento -> tratado c/ 
laparascopia + miotomia (p/ que o m. cricofaríngeo não volte a aumentar pressão) 
 
2. Elevadores: elevam/encurtam a laringe e a faringe e encurtam a faringe na deglutição e fonação durante a contração. 
2.1. Músculo palatofaríngeo (palato mole - parede lateral da faringe) 
2.2. Músculo salpingofaríngeo (chamado de prega quando na mucosa) 
2.3. Músculo estilofaríngeo (proc estilóide - entre o m. constrictor superior e médio) 
Seriografia - técnica estática c/ meio de contraste p/ imagens 
Deglutição normal – c/ meio de contraste 
Disfagia neurogênica - véu palatino não fecha a rinofaringe 
Reflexo laríngeo - qnd o alimento bate no local, as pregas vocais se fecham, aproximando-se da linha média (fechamento glóteo) 
Videoendoscopia da deglutição 
Esôfago 
• Tubo mediano, membranáceo 
• 25 cm de extensão 
• Limite superior: margem inferior da cartilagem cricoide (igual à faringe) 
• Limite inferior: junção esofagogástrica 
• Função: conduzir o alimento da faringe até o estômago através do peristaltismo 
Limite superior - Início: nível de C6/ porção cricofaríngea do m. constrictor inferior 
* íntima relação do esôfago c/ o nervo laríngeo (d/e) recorrente – nervo sensitivo e motor, responsável pela movimentação da 
musculatura intrínseca da laringe, das 2 pregas vocais (d/e) + sensitivo da região glótica e subglótica da laringe + n. laríngeo 
inferior é um nervo sensitivo da traqueia -> algumas afecções da esôfago, doenças malignas (extravasamento de tumor), podem 
acometer o n. laríngeo recorrente -> rouquidão, que nada tem a ver c laringe/cordas vocais, mas c/ a inervação do nervo 
laríngeo recorrente 
Limite inferior - Término: nível de T11 -> órgão mediastinal 
Relações 
• Mediastino 
 • Superior: entre a traqueia e vértebras 
 • Posterior: 
 • Póstero-lateral Ao (arco da aorta) 
 • Posterior BFE (brônquio frênico esquerdo 
 • Posterior pericárdio (saco que envolve o coração) 
• Desvio à esquerda no/através do hiato diafragmático até chegar ao estômago (local onde ele atravessa o tórax) 
• Posterior 
 • Corpos vertebrais das v. torácicas 
 • Ducto torácico (sist. linfático) 
 • Sistema ázigos (drenagem da parede torácica - v. intercostais inferiores, v. ázigos, v. ázigo acessória) 
 • aa. intercostais posteriores (leva sangue p/ espaços intercostais da parede torácica) 
Divisões e constrições (luz estreitada -> fisiológicas) 
 
 
3 constrições principais: 
1. Constrição cricofaríngea (16cm da arca dentária superior) 
- provocada pela porção cricofaríngea do m. constritor inferior 
2. Constrição da aorta/bronco-aórtica 
- provocada pela compressão extrínseca do arco da aorta e do brônquio fronte-esquerdo• 
3. Esfíncter esofágico inferior 
- altura do hiato diafragmático, 38cm da