A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Citoesqueleto

Pré-visualização | Página 1 de 2

PCM I – Everton
---------------- Citoesqueleto ---------------
- responsável por formar arcabouço interno nas células eucariontes (relacionado com organização interna celular, por causa dessa propriedade); importante para divisão celular
Para funcionando celular adequado as células devem:
. se organizar no espaço: respeitar os limites do tecido do qual ela faz parte - ex: célula de tecido epitelial precisa estar conectado com outras células, mas precisa respeitar o limite do seu tecido. A célula precisa manter a sua forma e isso é feito pelo citoesqueleto;
. interagir mecanicamente com o ambiente ao seu redor (tecido/outras células)
. apresentar uma conformação correta para execução da sua função: as estruturas que são de modificação de membrana vão ter uma sustentação baseada em citoesqueleto
. ser fisicamente robustas
. estar estruturada de forma adequada internamente
. capazes de modificar sua forma e migrar (ex: leucócitos; macrófagos)
. capazes de reorganizar seus componentes internos como decorrência dos processos de crescimento, divisão e/ou adaptação a mudanças no ambiente: o citoesqueleto é uma estrutura muito dinâmica, tem capacidade de reorganização, para que a célula desenvolva suas atividades funcionais
Todas essas funções são dependentes do citoesqueleto e altamente desenvolvidas em células eucarióticas ☝
Citoesqueleto
- é formado por 3 tipos de filamentos básicos: filamentos intermediários; microtúbulos (formado pela proteína tubulina); microfilamentos de actina (formado pela proteína actina)
*cor vermelha: actina; verde: microtúbulos; azul: filamentos intermediários*
. filamentos intermediários proporcionam resistência mecânica.
. microtúbulos determinam o posicionamento das organelas delimitadas por membrana, promovem o transporte intracelular e formam o fuso mitótico que segrega os cromossomos durante a divisão celular.
*proteínas motoras se acoplam aos microtúbulos*
. filamentos de actina determinam a forma da superfície da célula e são necessários para a locomoção das células como um todo; eles também conduzem a divisão de uma célula em duas.
As organelas são estruturas que estão sustentadas por uma rede/malha de filamentos (proteínas fibrosas que contêm os filamentos intermediários). Os outros 2 filamentos (actina e microtúbulos) também estão distribuídos pelas células;legenda: (a) célula epitelial de absorção, apresenta os 3 tipos de filamentos: a actina sustenta as microvilosidades (projeções de membrana); os filamentos intermediários estão relacionados a estrutura e suporte; os microtúbulos formam trilhos pelas células, na qual proteínas podem trafegar (transporte intracelular)
(b) célula de sistema nervoso: conexão muito forte de microfilamentos de actina (localizado na região perimembranar) com membrana – responsáveis pelas projeções de membranas – característica de contratilidade
*ao fazer fagocitose – necessidade de actina*
em uma estrutura de sustentação, precisa de maior contratilidade – trama de actina com modificações no formato para dar maior sustentação ou maior contratilidade
(c) célula em divisão: actina é responsável pelo estrangulamento (CITOCINESE) ao final da telófase, para que seja possível a divisão da célula – contração de actina na parte equatorial da célula permite esse processo
já os microtúbulos – se reorganizam para formar o fuso mitótico e carregar cromátides irmãs
 
*filamentos intermediários estão conectados lateralmente aos desmossomos, logo, citoesqueleto também participa da adesão*
Dinamismo dos filamentos do citoesqueleto (dinamismo é possível e ocorre de maneira bem rápido)
*filamentos intermediários não tem capacidade dinâmica*
os filamentos do citoesqueleto são formados por proteínas, conectadas em séries (filamentos de actina: ptn actinas; microtúbulos: ptn tubulina) e não se conectam por ligações fortes, as ligações entre esses monômeros são fracas para que possa se desfazer e refazer (dissociação e reassociação) rapidamente, atendendo a demanda da célula; 
A estabilidade térmica do citoesqueleto, depende da ligação dos filamentos
quando formado a partir de estruturas múltiplas, dá mais estabilidade para a estrutura
*sustentação: função dos filamentos intermediários*
A associação de monômeros aumenta o gráfico de crescimento dos filamentos, mas respeitando limites da célula
*há controles que determinam até qual tamanho que pode crescer os filamentos*
nucleação: subunidades de actina, se ligando e formando oligômeros
Polímero pode associar uma subunidade
Filamentos de actina (formada pela actina é uma ptn globular e conecta uma com a outra pela cabeça de uma e cauda de outra – propriedade: CONTRATILIDADE) 
- microfilamentos de actina (do citoesqueleto, não dos mm.)
. são mais finos, mais flexíveis (que os outros 2 tipos de filamentos), mas dependendo da organização da trama de actina pode ser bastante resistente e rígidos à tração;
. estrutura polarizada (tem 2 extremidades: + e -): a dinâmica de crescimento e dissociação ocorre mais rapidamente na extremidade + do que na - 
*as extremidades são ligadas a ATP, na actina*
Os processos de treadmiling (controla tamanho dos filamentos) e instabilidade dinâmica de filamentos
*ATP: favorece encaixe - tendência a sofrer associação; o nucleosídeo menos energético (ADP) muda formato da proteína, favorecendo a dissociação*
favorecimento do desencaixe: extremidade - ; maior associação de monômeros: extremidade + - monômeros devem estar ligados a ATP (mais associação que dissociação, uma vez que ocorre as 2 em ambos os lados)
A forma como os filamentos crescem, depende de proteínas acessórias (proteínas regulatórias)
exemplos: formina: induz formação de feixes paralelos; se liga a extremidade + e induz o crescimento em feixes paralelos
. complexo ARP: duas proteínas e 1 fator de ativação que conseguem organizar de uma maneira diferente da trama de actina; se liga a extremidade – e induz formação de feixes perpendiculares
proteínas que se ligam a filamentos já formados ☝
proteínas que se ligam a subunidade (actina - monômeros) que vão formar os filamentos 👇
. profilina
. timosina: monômeros de actina ligados à timosina estão em um estado de bloqueio, não podendo associar-se nem à extremidade mais nem à extremidade menos dos filamentos de actina, e não são capazes de hidrolisar ou modificar o nucleotídeo ao qual estão ligados
- outras proteínas se ligam ao filamento já formado
4 últimas proteínas são proteínas de conexão do filamento de actina com outras estruturas e não de regulação do crescimento
 
. alfa-actina: espaçamento maior > maior contratilidade
. fimbrina: a aproximação impede a contratilidade, pois não é possível colocar outras proteínas contráteis (como a miosina) > feixes mais rígidos
proteínas que conectam os feixes paralelos de actina ☝
. filamina: conecta feixes ramificados; promove a formação de uma rede frouxa e extremamente viscosa pela união de dois filamentos de actina em ângulos praticamente retos
. espectrina e ERM (3 ptn diferentes): conectam actina a membrana celular
Os filamentos de actina – algumas funções na sustentação de projeções transitórias da superfície celular (projeções que são formadas nas células para executar alguma função momentânea específica)Microtúbulos 
. formados por um heterodímero de duas proteínas (a-tubulina e b-tubulina), associados por ligação não-covalente
. monômeros têm sítio de ligação a GTP
GTP da alfa-tubulina é constitutivo – não pode ser mexido, é a parte integrante; GTP da beta-tubulina é intercambiável – pode sofrer hidrólise e se transformar em GDP (dissociação – GDP na beta-tubulina)
. estrutura cilíndrica oca e firme, formada a partir de 13 protofilamentos paralelos composto de molécula alternadas de a-tubulina e b-tubulina
 GTP (vermelho)
. contato "topo" e "base", e contatos laterais fazem com que os microtúbulos sejam rígidos e difíceis de sofrerem dobramentos, tornando-os elementos estruturais mais rígidos e resistentes das células animais
- Instabilidade dinâmica: processo pelo qual os microtúbulos regulam o