A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Direito Penal - Teoria da Pena

Pré-visualização | Página 1 de 5

Direit� Pena� | Teori� d� Pen�
Anotações da aula 22.04.2021
● Os tipos de sanção (Art. 32 do CP1 ):
○ Privativa de liberdade
○ Restritiva de Direitos
○ Multa
● Finalidades da pena
○ Prevenir
○ Reprovar
○ E ressocializar.
● Art. 59, CP - Fixação da pena
O juiz, atendendo à culpabilidade, aos antecedentes, à conduta social, à personalidade do
agente, aos motivos, às circunstâncias e conseqüências do crime, bem como ao
comportamento da vítima, estabelecerá, conforme seja necessário e suficiente para
reprovação e prevenção do crime:
I - as penas aplicáveis dentre as cominadas;
II - a quantidade de pena aplicável, dentro dos limites previstos;
III - o regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade;
IV - a substituição da pena privativa da liberdade aplicada, por outra espécie de pena,
se cabível.
● Tipos de sistemas penitenciários
○ Sistema Pensilvanico (1790): também chamado Filadélfico, Belga ou Celular.
Utilizava convicções religiosas e bases do Direito Canônico na execução penal. O
condenado ficava completamente isolado em uma cela, em silêncio, vedado de todo e
qualquer contato com o mundo exterior. Autorizavam-se passeios inconstantes no
pátio da prisão e leitura da bíblia para que o condenado pudesse se arrepender. Foi
altamente criticado pela separação absoluta e a proibição de comunicação entre os
presos, por causar insanidade.
○ Sistema Alburniano (1818): origem na construção da penitenciária na cidade de
Auburn (Nova York) em 1818. Aboliu o confinamento absoluto por volta de 1824,
permitindo o trabalho em comum dos reclusos, com absoluto silêncio e confinamento
solitário durante a noite. Recebeu críticas de Sindicatos que se opunham ao trabalho
penitenciário, e também pelo rigoroso regime disciplinar aplicado com aplicação de
castigos cruéis e excessivos.
○ Sistema Inglês Progressivo (Séc. 19): “A essência desse regime consiste em
distribuir o tempo de duração da condenação em períodos, ampliando-se em cada um
os privilégios que o recluso pode desfrutar de acordo com sua boa conduta e o
1 Art. 32 - As penas são: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)
I - privativas de liberdade;
II - restritivas de direitos;
III - de multa.
aproveitamento demonstrado do tratamento reformador. Outro aspecto importante é o
fato de possibilitar ao recluso reincorporar-se à sociedade antes do término da
condenação. A meta do sistema tem dupla vertente: de um lado pretende constituir um
estímulo à boa conduta e à adesão do recluso ao regime aplicado, e, de outro, pretende
que este regime, em razão da boa disposição anímica do interno, consiga
paulatinamente sua reforma moral e a preparação para a futura vida em sociedade.”
Cezar Roberto Bittencourt.
● Espécies de pena de prisão - Art. 33
Art. 33 - A pena de reclusão deve ser cumprida em regime fechado, semi-aberto ou aberto. A de detenção,
em regime semi-aberto, ou aberto, salvo necessidade de transferência a regime fechado. (Redação dada pela
Lei nº 7.209, de 11.7.1984)
§ 1º - Considera-se: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)
a) regime fechado a execução da pena em estabelecimento de segurança máxima ou média;
b) regime semi-aberto a execução da pena em colônia agrícola, industrial ou estabelecimento
similar;
c) regime aberto a execução da pena em casa de albergado ou estabelecimento adequado.
§ 2º - As penas privativas de liberdade deverão ser executadas em forma progressiva, segundo o
mérito do condenado( “bom comportamento do condenado” analisa o tempo de cumprimento + o
bom comportamento ), observados os seguintes critérios e ressalvadas as hipóteses de transferência a
regime mais rigoroso: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)
a) o condenado à pena superior a 8 (oito) anos deverá começar a cumpri-la em regime fechado;
b) o condenado não reincidente, cuja pena seja superior a 4 (quatro) anos e não exceda a 8
(oito), poderá, desde o princípio, cumpri-la em regime semi-aberto;
c) o condenado não reincidente, cuja pena seja igual ou inferior a 4 (quatro) anos, poderá, desde
o início, cumpri-la em regime aberto.
OBS: A súmula 269 do STJ - É admissível a adoção do regime prisional semiaberto aos
reincidentes condenados a pena igual ou inferior a quatro anos se favoráveis as circunstâncias
judiciais.
§ 3º - A determinação do regime inicial de cumprimento da pena far-se-á com observância dos
critérios previstos no art. 59 deste Código. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)
§ 4° O condenado por crime contra a administração pública terá a progressão de regime do
cumprimento da pena condicionada à reparação do dano que causou, ou à devolução do produto do
ilícito praticado, com os acréscimos legais. (Incluído pela Lei nº 10.763, de 12.11.2003)
Comentários: Deverá o erário ser ressarcido, para ter direito a progressão.
● Regime fechado: execução da pena em estabelecimento de segurança máxima ou
média;
● Regime semiaberto: execução da pena em colônia agrícola, industrial ou
estabelecimento similar (No Brasil, com a tornozeleira eletrônica, o regime
semiaberto foi afetado);
● Regime aberto: execução da pena em Casa de Albergado ou estabelecimento
adequado. Casa de Albergado: local onde o preso passa o dia fora, trabalhando
sem escolta, recolhendo-se aos fins de semana e feriado o dia todo. Não vingou no
Brasil.
● Progressão de pena: fechado, semi-aberto e aberto;
● Problemática no Art. 33, alínea C: dizer que reincidentes não tem direito a
regime semiaberto. Correção em súmula do STF 229.
● Art. 36, CP - Regras do Regime Aberto
Art. 36 - O regime aberto baseia-se na autodisciplina e senso de responsabilidade do condenado.
§ 1º - O condenado deverá, fora do estabelecimento e sem vigilância, trabalhar, freqüentar
curso ou exercer outra atividade autorizada, permanecendo recolhido durante o período
noturno e nos dias de folga.
§ 2º - O condenado será transferido do regime aberto, se praticar fato definido como crime
doloso, se frustrar os fins da execução ou se, podendo, não pagar a multa cumulativamente
aplicada.
● Lei nº 11.671 de 08 de Maio de 2008
- Art. 3° parágrafo 2°
Art. 3º Serão incluídos em estabelecimentos penais federais de segurança máxima
aqueles para quem a medida se justifique no interesse da segurança pública ou do
próprio preso, condenado ou provisório. (Redação dada pela Lei nº 13.964, de
2019)
§ 1º A inclusão em estabelecimento penal federal de segurança máxima, no
atendimento do interesse da segurança pública, será em regime fechado de segurança
máxima, com as seguintes características: (Incluído pela Lei nº 13.964, de 2019)
I - recolhimento em cela individual; (Incluído pela Lei nº 13.964, de 2019)
II - visita do cônjuge, do companheiro, de parentes e de amigos somente em dias
determinados, por meio virtual ou no parlatório, com o máximo de 2 (duas) pessoas
por vez, além de eventuais crianças, separados por vidro e comunicação por meio de
interfone, com filmagem e gravações; (Incluído pela Lei nº 13.964, de 2019)
III - banho de sol de até 2 (duas) horas diárias; e (Incluído pela Lei nº 13.964, de
2019)
IV - monitoramento de todos os meios de comunicação, inclusive de correspondência
escrita. (Incluído pela Lei nº 13.964, de 2019)
§ 2º Os estabelecimentos penais federais de segurança máxima deverão dispor de
monitoramento de áudio e vídeo no parlatório e nas áreas comuns, para fins de
preservação da ordem interna e da segurança pública, vedado seu uso nas celas e no
atendimento advocatício, salvo expressa autorização judicial em contrário
Obs: O preso deve ser mantido em prisão de segurança máxima por um periodo de até 3 anos,
podendo ficar até 6 (na prática isso não acontece, e o preso cumpre a pena totalmente dentro do
regime).
- Art. 10°
Art. 10. A inclusão de preso em estabelecimento penal federal de segurança máxima será
excepcional e por prazo determinado.
§ 1o O período de permanência não poderá ser superior a 360 (trezentos e sessenta)
dias, renovável, excepcionalmente, quando solicitado motivadamente pelo juízo de
origem, observados