A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Neurotransmissores

Pré-visualização | Página 2 de 3

ação da glutaminase 
mitocondrial do neurônio. 
 
 
 
 
O receptor NMDA é clinicamente importante. Contém diversos sítios de 
ligação moduladores, e drogas podem afetar sua função. O magnésio por 
exemplo bloqueia fisiologicamente o canal em seu potencial de repouso. 
A concentração de glutamato aumenta após traumatimos, AVC, convulsões 
graves, demência, Parkinson e outras, devido à liberação de glutamato 
pelas células lesadas e por comprometer as vias de captação desse 
neurotransmissor. Isso porque o excesso de glutamato é tóxico para as 
células nervosas. Com o excesso de glutamato, o receptor NMDA é ativado é 
altas quantidades de cálcio entram na célula, causando morte celular. 
Também pode ocorrer absorção de sódio e consequente edema celular. Os 
receptores NMDA ativos também aumentam a produção de óxido nítrico, também 
tóxico em excesso. 
 
Ácido gama-aminobutírico (GABA) 
 
� É sintetizado a partir do glutamato, pela enzima glutamato 
descarboxilase. 
� É o principal transmissor inibitório do cérebro. 
� Possui dois receptores: GABAA (ionotrópico) e GABAB (metabotrópico). 
Como o receptor GABAA tem em sua estrutura derivada de várias famílias de 
genes que geram uma quantidade enorme de possíveis receptores, é alvo de 
muitas drogas, como os benzodiazepínicos, que se ligam a ele e 
potencialização a ação do GABA. 
 
Glicina 
 
� Encontrada principalmente nos interneurônios inibitórios da medula 
óssea. 
� O receptor de glicina é ionotrópico. 
Curiosidade: A Glicina bloqueia o impulso que trafegam por neurônios 
motores da medula para estimular músculos esqueléticos. A estricnina 
bloqueia o receptor para glicina, e os impulsos motores são transmitidos 
sem um controle negativo, resultando em rigidez e convulsões. 
 
Revisão: 
Hipocampo: Região do sistema límbico, considerada a sede da memória. 
 
B – Catecolaminas 
 
� São derivados do aminoácido tirosina. 
� Também são conhecidas como aminas biogênicas (por conter grupos amina) 
� São liberados por neurônios que possuem tuberosidades ao longo do axônio 
(em vez de um 
único terminal na extremidade). 
� O transmissor é liberado e difunde-se pelo espaço extracelular até 
encontrar um receptor, 
atingindo ampla área de tecido. 
� As catecolaminas são degradadas pela oxidação do grupo amina pela enzima 
monoamina oxidase (MAO) e pela metilação da catecolamina-O-metil 
transferase (COMT). 
 
Norepinefrina 
 
� Importante neurotransmissor do sistema simpático. 
� É o neurotransmissor dos nervos pós-ganglionares. 
� Responsável por diversas características da resposta de “fuga ou luta” 
(aumento da 
frequência cardíaca, sudorese, vasoconstrição periférica, 
broncodilatação, etc) 
� Também presente no SNC, alterando o estado de vigília e atenção. 
� Os receptores de ambos (norepinefrina e epinefrina) são os 
adrenoceptores, dividos em α e 
β e suas subcategorias (com base na farmacologia). 
� A norepinefrina é mais específica para receptores α. 
Epinefrina 
� Produzida pela medula da supla-renal, sob influencia de nervos que contém 
ACh, também está relacionada ao mecanismo de “fuga ou luta”. 
� É mais ativa que a norepinefrina no coração e pulmões. 
� Causa redirecionamento do fluxo de sangue da pele para os músculos 
esqueléticos. 
� Efeito estimulante sobre o metabolismo hepático do glicogênio. 
Curiosidade: as anfetaminas causam efeitos estimulantes semelhantes às 
catecolaminas, os β- bloqueadores, como o atenolol, são usados no 
tratamento da hipertensão e da angina na doença isquêmica do coração, por 
seus efeitos antagônicos aos das catecolaminas. Os α1-bloqueadores 
(prazosina) e α2-bloqueadores (clonidina) são úteis na hipertensão. Alguns 
receptores β são encontrados em locais específicos, os agonistas β2 como 
o salbutamol é um broncodilatador, e não tem ação no coração. 
 
Dopamina 
 
� É um neurotransmissor, mas também pode ser um intermediário na síntese 
de norepinefrina. 
� Principal transmissor que nos nervos que interconectam os núcleos dos 
gânglios basais do cérebro e que controlam o movimento voluntário. 
� Encontrada também no sistema límbico, envolvida nas respostas emocionais 
e memória. 
� Na periferia, causa vasodilação. 
� Sofre catabolismo como as demais catecolaminas, sendo o ácido 
homovanílico o principal 
metabólito. 
� São conhecidos cinco receptores de dopamina. D1 e D5 aumentam a produção 
de cAMP, e D2, D3 e D4 inibem. 
Curiosidade: Problemas com o sistema dopaminérgico estão relacionados com 
a esquizofrenia. 
 
 
Serotonina (5-hidroxitriptamina – 5-HT) 
 
� É um derivado do triptofano, que é convertido em 5-hidroxitriptofano e 
por último 5-HT. 
� Os neurônios serotoninérgicos estão localizados na porção superior do 
tronco cerebral (núcleos de Rafe) e se projetam para o córtex cerebral e 
medula. 
� São mais ativos na vigília do que no sono. 
� Relacionada com os comportamentos do estado vegetativo como 
alimentação,comportamento sexual e controle da temperatura. 
� Tem efeitos sobre o humor, sendo os inibidores de sua recaptação 
utilizados no tratamento da depressão. 
� Excesso de serotonina pode causar ataque de pânico. 
� Já foram encontrados mais de uma dúzia de receptores para serotonina, 
sendo a maior parte metabotropica. Ex: O Receptor 5-HT3 é ionotrópico e 
produz um sinal rápido no sistema entérico. 
� É um potente vasoconstritor, aumenta a motilidade do trato 
gastrointestinal. 
� Os enterocromafins do intestino também podem produzir serotonina. 
� A via de degradação segue a das catecolaminas e forma o ácido 5-
hidroxiindolacético (5-HAAA). 
 
C – Acetilcolina 
 
� É o neurotransmissor do Sistema Nervoso Autônomo parassimpático e dos 
gânglios simpáticos. 
� Tem efeitos em geral opostos ao simpático, como broncoconstrição, 
diminuição da frequência cardíaca, estimulação da musculatura lisa 
intestinal. 
� Atua também nos neurônios motores, levando à contração muscular. 
� Sintetizada a partir da colina e degradada rapidamente pela enzima 
acetilcolinesterase e o 
produto dessa transformação recaptado pela célula nervosa. 
� São dois tipos de receptores para acetilcolina: nicotínico (ionotrópico) 
e muscarínico(metabotrópico). 
� Os receptores nicotínicos são encontrados em gânglios e na junção 
neuromuscular, que 
abre o canal iônico e permite a passagem de sódio e potássio, e tem ação 
rápida. 
� Os receptores muscarínicos estão presentes em maior quantidade, são 
encontrados 
principalmente nos músculos lisos e glândulas. 
 
 D – Óxido Nítrico 
 
� Produzido a partir da arginina, em nervos autônomos e entéricos. 
� Tem várias funções, como o relaxamento da musculatura lisa vascular e 
intestinal e 
regulação da produção de energia pela mitocôndria. 
� Em excesso pode causar morte neuronal. 
� Por ser um gás, não fica armazenado em vesículas. 
 
E – Outras moléculas pequenas. 
 
ATP (trifosfato de adenosina) 
 
� O ATP fica armazenado em vesículas sinápticas de nervos simpáticos, 
junto com a Norepinefrina. 
� É responsável pelos potencias excitatórios rápidos no músculo liso. 
� Há receptores de adenosina em todo o cérebro e tecidos vasculares. 
� É inibitória no SNC. 
Histamina 
� É encontrada em pequeno número de neurônios, principalmente no 
hipotálamo. 
� Controla a liberação de hormônios hipofisários, o estado de vigília e a 
ingestão alimentar. 
� Os receptores de histamina presentes no sistema nervoso são os H1 e 
tendem a ser 
sedativos, os presentes no estômago H2. 
Fisiologia II – Neurotransmissores – Revisão 00 – março 2014 
 
F – Peptídeos 
 
� Mais de 50 peptídeos já foram identificados como influenciadores das 
funções neurais. 
� Os receptores para peptídeos são metabotrópicos. 
� Não tem vias específicas de recaptação e degradação, sendo eliminado por 
difusão simples e posterior degradação por peptidases. 
� O VIP (peptídeo intestinal vasoativo) afeta a função intestinal, inibe 
a contração da musculatura lisa. Causa também vasodilatação em diversas 
glândulas secretórias e potencializa a estimulação por ACh. 
� Atuam também como neuromoduladores, alterando