A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Semiologia Cardiovascular II

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ausculta
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
Quatro focos principais e um acessório:
Foco Aórtico (2º espaço intercostal direito)
Foco Pulmonar (2º espaço intercostal esquerdo)
Foco Tricúspide (borda esternal inferior esquerda)
Foco Mitral (5º espaço intercostal esquerdo)
Foco Aórtico Acessório (3º espaço intercostal esquerdo)
1.
2.
3.
4.
5.
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
Objetivos
Bulhas cardíacas e alterações: sons
cardíacos.
Ritmo e frequência: Normoritmico ou
arritmico, bpm
Ritmo tríplices
Sopros: som anormal de sangue
fluindo pelo coração
Rumor venoso: ruído contínuo
(sistodiastólico) de tonalidade grave,
que se ouve na base do pescoço e
na porção superior do tórax
Ruído da pericardite constritiva
Atrito pericárdico
Semiotécnica
Ambiente de ausculta: silencioso
Estetoscópio: escolha de receptor
adequado e posicionamento correto
do mesmo
Posição do paciente e examinador:
posição supina ou decúbito dorsal
Orientação do paciente
Manobras especiais
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
Componentes: B1 = M1T1 (Mitral e Tricúspide)
Som de curta duração
Fechamento das valvas cardíacas atrioventriculares
Valva mitral fecha-se antes da valva tricúspide (intervalo quase
imperceptível): A sístole no ventrículo esquerdo inicia-se ligeiramente
antes do ventrículo direito.
Coincide com o ictus cordis e com os pulsos arteriais.
Duração do som um pouco maior que B2
Mais intensamente perceptível no foco mitral.
Som representado por "tum".
"trum" é variante do som normal quando o intervalo é maior,
ocorrendo em algumas pessoas.
O som variante pode indicar patologia;
Em metade das pessoas normais pode-se perceber separadamente os
componentes, sem significado patológico
Som mais alto que o normal: hiperfonética (síndromes hipercinéticas,
sobrecarga de pressão, estenose mitral e intervalo PR curto)
Som mais baixo que o normal: hipofonética (DPOC e derrame de
pericárdio)
Componentes: B2 = A2 P2 (Aórtico e Pulmonar)
Fechamento das valvas Aórtica e Pulmonar
Som com duração um pouco menor que B1
O componente Aórtico precede o Pulmonar.
Durante a expiração, ambos componentes de fecham de forma
sincronizada, gerando um mesmo ruído
O timbre é mais agudo, com tom de "ta"
Bulha mais intensa em seus focos componentes: pulmonar e aórtico.
B1
B2
B3
B4
Bulhas
B1
B2
Som cardíaco normal:
Tum Ta (B1 + B2)
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
Ruído que sinaliza patologia em adultos e idosos
Baixa frequência
Som não tão intenso
Ruído protodiastólico
Origina-se da vibração da parede ventricular durante enchimento
ventricular rápido
Som de "tu"; Galope
Normal na ausculta de crianças ou jovens adultos
Ruído débil
Ocorre no fim da diástole ou pré-sístole 
Corresponde ao fluxo mobilizado pela contração atrial
Melhor ouvido no ápice do coração
PROPEDÊUTICA CLÍNICA
B3
Som cardíaco com B3:
Ta tum tu
B4
Ritmo e Frequência
O ritmo normal possui apenas duas bulhas
Ritmo de dois tempos ou binário
Há um terceiro ruído: ritmo tríplice 
A frequência normal é de 60 a 100bpm;
Menos de 60bpm equivale a bradicardia
Mais de 100bpm equivale a taquicardia
Sopros
Vibrações resultado de alterações de fluxo sanguíneo
Classificados em sistólicos ou diastólicos
Pode indicar:
- Estenose aórtica
- Estenose pulmonar
- Insuficiência tricúspide
- Insuficiência mitral
SS de ejeção
SS de regurgitação
SD tipo rufar do tambor
SD tipo aspirativo
Sopros contínuos