A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Plano de aula final

Pré-visualização | Página 1 de 4

DATA DE APLICAÇÃO:
	ESCOLA: 
	INTEGRANTES DA EQUIPE: PAMELA SCHMIDT
	PÚBLICO: 5° ANO
	DURAÇÃO: 1HORA
	UNIDADE TEMÁTICA:
	Bullyng, desconforto social
	HABILIDADE(S) - BNCC (consulte documento na disciplina estágio)
	Comparar pontos de vista sobre temas que impactam a vida cotidiana no tempo presente, por meio do acesso a diferentes fontes, incluindo orais.
	JUSTIFICATIVA
	Esse fenômeno escolar demorou a ser estudada no Brasil e apenas na década de 1990 pesquisas sobre o assunto passaram a ter algum tipo de destaque. Em 2001 a Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência (Abrapia) começou a estudar e pesquisar sobre o assunto.
A prática do bullying tornou-se algo comum nos espaços educacionais, provocando cada vez mais atitudes violentas, tantos dos agressores, como das vítimas. Por isso, discutir as questões ligadas ao bullying com a escola é importante, pois, proporciona a reflexão e evita que novos casos de bullying ocorram nas escolas. Além disso, a principal justificativa para se criar um projeto com esse tema, é que a escola tem por missão preparar seus alunos para Cidadania, e para isso, é preciso buscar alternativas que desenvolvam o conhecimento a respeito desse fator. Esse é o papel da escola, e segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN's) “cabe à escola empenhar-se na formação moral de seus alunos...” (p. 32).
É importante, também, o estímulo à pesquisa, ao diálogo e à troca de ideias, a fim de desenvolver a capacidade de reflexão das pessoas e principalmente orientação e atenção a respeito do problema.
	OBJETIVOS
	Objetivo Geral: 
· Investigar os reais motivos do aumento da violência na escola, buscando diferentes maneiras de lidar com essas situações que vem crescendo cada vez mais.
Objetivos Específicos: 
· Compreender de onde vem toda essa violência
· Identificar as diferentes formas de violência praticadas dentro da escola
· Caracterizar as causas da violência no cotidiano escolar
· Conscientizar os alunos sobre o fenômeno bullying e suas consequências 
	PROCEDIMENTOS
	· Abrir o Navegador de internet, entrar no Teams; 
· Enviar convite para sala de aula virtual;
· Gerar um link da aula e enviá-lo para a direção da escola; 
· Apresentação do estagiário para os estudantes; 
· Conversação inicial; 
· Proposição de questionamentos e reflexões acerca do tema; 
· Explicação da Declaração dos Direitos Humanos
· Apresentação das imagens
· Análise/reflexão do contexto do grupo
· Realização da atividade de registro
· Realização da apresentação/debate
· Finalização da aula
	AVALIAÇÃO
	Jogo do tabuleiro
	
RECURSOS
	RECURSOS MATERIAIS: Slides, imagens, textos.
RECURSOS DIGITAIS (PARA O PLANO ADAPTADO): Computador, internet, Microsoft teams 
	REFERÊNCIAS
	 Disponível em: Os 8 tipos de bullying | Veja Saúde (abril.com.br)
Disponível em: Bullying: como compreender as várias faces do problema (cafehistoria.com.br)
Disponível em: O que é Bullying? - Toda Matéria (todamateria.com.br)
Disponível em: Como identificar, prevenir, combater o bullying e agressões na escola. (educador360.com)
	DESCRIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS
	
A aula será iniciada com a apresentação da imagem e o levantamento de alguns questionamentos:
Você é muito feio!
Suas roupas são estranhas!
Seu gordo(a)!
Seu tampinha!
Seu cabelo para do homem das cavernas!
Seu girafa!
· Será que tudo isso é legal?
· Será que a dor do outro não importa?
· Será que esses estereótipos não são impostos pela nossa sociedade?
 
v
Bullying – do inglês que quer dizer valentão
A palavra bullying designa um quadro de agressões contínuas, repetitivas, com características de perseguição do agressor contra a vítima, não podendo caracterizar uma agressão isolada, resultante de uma briga.
As agressões podem ser de ordem verbal, física e psicológica, comumente acontecendo as três ao mesmo tempo. As vítimas são intimidadas, expostas e ridicularizadas. São chamadas por apelidos vexatórios e sofrem variados quadros de agressão com base em suas características físicas, seus hábitos, sua sexualidade e sua maneira de ser.
As vítimas de bullying podem sofrer agressões de uma pessoa isolada ou de um grupo. Esse grupo pode atuar apenas como “espectadores inertes” da violência, que indiretamente contribuem para a continuidade da agressão.
O bullying pode acontecer no condomínio, na vizinhança, em grupos ou agremiações esportivas etc., mas o local onde mais acontece esse tipo de crime é na escola. Fatores sociológicos e psicológicos explicam esse fenômeno: é na escola onde os jovens passam grande parte de seu tempo e interagem com um número maior de pessoas.
Também é na escola o lugar onde os reflexos da sociedade fazem com que se crie uma espécie de micro-organismo social, que tende a recriar a sociedade em um espaço menor e isolado. A sociedade em geral é agressiva e excludente, e esses fatores tendem a se repetir entre os jovens no âmbito escolar.
Na escola, os cruéis padrões de beleza e comportamento ditados pela sociedade aparecem como normas. Em geral, um grupo dominante reafirma e dita esses padrões dentro do âmbito escolar, fazendo com que se estabeleça uma regra (a normalidade) e tudo aquilo que fuja dessa regra seja considerado como inferior e digno de sofrimento e exclusão. O grau de popularidade dos que se consideram superiores e a sua maior aceitação pelo grupo fazem com que eles se sintam no direito de tratar mal aqueles que não são populares e não se enquadram no padrão do grupo.
Além da intimidação, da perseguição e da violência psicológica, o bullying pode levar à violência física. 
As consequências do bullying podem ser devastadoras e irreversíveis para a vítima. Os primeiros sintomas são o isolamento social da vítima, que não se vê como alguém que pertence àquele grupo. A partir daí, pode haver uma queda no rendimento escolar, queda na autoestima, quadros de depressão, transtorno de ansiedade, síndrome do pânico e outros distúrbios psíquicos. Quando não tratados, esses quadros podem levar o jovem a tentar o suicídio.
Se os traumas do bullying não forem tratados, a vítima pode guardar aquele sofrimento em seu subconsciente, que virá a se manifestar diversas vezes em sua vida adulta, dificultando as relações pessoais, a vida em sociedade, afetando a sua carreira profissional e até levando ao desenvolvimento de vícios em drogas e álcool.
A violência não é combatida com mais violência. Às vezes, punições aos agressores são necessárias quando estes extrapolam qualquer limite razoável, porém, na maioria das vezes, os agressores também são jovens que sofrem por algum motivo. Nesses casos, a melhor maneira de solucionar o problema é pelo diálogo e conscientização. É necessário conscientizar aqueles que assistem, repetem ou indiretamente contribuem com o bullying, pois eles também mantêm o sistema de agressividade funcionando.
Para finalizar a aula e concretizar o aprendizado vamos jogar 
Como jogar: Será apresentada a tela e a professora irá jogar o dado para o educando, seguindo um por vez. Os jogadores vão se revezando nas jogadas até ver quem chega primeiro.
E a cada jogada será feito levantamentos sobre o tema abordado.
	DATA DE APLICAÇÃO:
	ESCOLA: 
	INTEGRANTES DA EQUIPE: PAMELA SCHMIDT
	PÚBLICO: 9° ano 
	DURAÇÃO: 50 MINUTOS A 1 HORA
	UNIDADE TEMÁTICA:
	 Direitos Humanos – Totalitarismo e conflitos mundiais
	HABILIDADE(S) - BNCC (consulte documento na disciplina estágio)
	Relacionar a Carta dos Direitos Humanos ao processo de afirmação dos direitos fundamentais e de defesa da dignidade humana, valorizando as instituições voltadas para a defesa desses direitos e para a identificação dos agentes responsáveis por sua violação.
	JUSTIFICATIVA
	Além da preparação para a cidadania e para o trabalho, a função social da escola de hoje é conscientizar os alunos para viverem em uma cultura diversificada e em uma sociedade de direitos.
Os Direitos Humanos são aqueles pertencentes a todos os seres humanos, independente de etnia, raça, sexo, nacionalidade, idioma, orientação de gênero,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.