A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
20 Redações-Modelo para o ENEM

Pré-visualização | Página 7 de 8

clínico, os postos de atendimento e a lista de medicamentos do RENAME 
(Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), a fim de garantir o acesso à 
saúde de qualidade a todos os brasileiros. Desse modo, atenuar-se-á, em médio 
e longo prazo, o impacto nocivo do processo de judicialização da saúde. 
 
Tema: Subnutrição e a sua relação com a má distribuição de alimentos 
 No filme espanhol “O Poço”, é retratada uma torre vertical, em que há 666 
prisioneiros, sendo dois por andar, na qual a comida é distribuída de forma 
hierárquica, quem está acima come primeiro. Na narrativa, fica clara a 
disparidade do luxo dos primeiros andares comparada à miséria dos últimos, 
analogamente à realidade. Fora do mundo distópico, o problema da subnutrição 
no Brasil se vê, de fato, atrelado à enraizada desigualdade social no país e à má 
distribuição dos recursos em uma sociedade verticalmente hierarquizada. 
Diante disso, torna-se fundamental a superação desses desafios, a fim do pleno 
funcionamento da sociedade. 
 Em primeira análise, percebe-se como causa latente do problema a 
desigualdade social. Nesse contexto, o documentário "Ilha das Flores" apresenta 
a trajetória de um tomate, desde a colheita ao descarte por uma dona de casa, 
até a chegada ao lixão da ilha, onde crianças disputam alimentos que sequer 
serviam para alimentar os porcos. O filme demonstra seres humanos numa 
condição abaixo de porcos, pelo fato de não terem dinheiro nem dono e faz uma 
crítica às desigualdades sociais geradas pelo sistema capitalista e a ausência de 
políticas públicas para solucionar a miséria de parte da população brasileira. 
Desse modo, faz-se mister a reformulação da postura estatal de forma urgente. 
 Ademais, é imperativo ressaltar que a má distribuição de alimentos é, 
infelizmente, uma problemática frequente na realidade dos brasileiros. Tal 
questão é explicitada no documentário "Por Uma Vida Melhor", que retrata a 
insegurança alimentar e nutricional no Brasil. De acordo com a Constituição 
Federal de 1988, todo homem tem direito ao acesso permanente à água e à 
alimentação adequadas, em quantidade e qualidade suficientes, que lhe 
permitam uma vida saudável. Apesar disso, o país ainda luta para superar 
deficiências graves nesta área, em especial no que se refere ao histórico 
problema da fome. 
 Portanto, com o objetivo de garantir a segurança alimentar, o Estado deve 
promover uma reforma agrária, conjunto de medidas que visem a promover 
melhor distribuição da terra, mediante modificações no regime de sua posse e 
uso, pois para que alguém possa manter sua propriedade de terra, esta deve 
desempenhar função social, a fim de atender aos princípios de justiça social e ao 
aumento de produtividade. Além disso, o Ministério da Educação deve garantir 
que todas as escolas da rede pública de ensino ofereçam merenda escolar, sendo 
que pelo menos 30% dos produtos devem ser oriundos da agricultura familiar, 
assim, além de responder ao lado do consumo saudável essas políticas também 
incentivam a produção agrícola sustentável. 
 
Tema: Novas formas de totalitarismo na era tecnológica 
Em sua obra “As origens do totalitarismo”, a filósofa Hannah Arendt analisa as 
motivações e os processos que levam à distorção da liberdade de escolha e o 
ataque à pluralidade de ideias nos sistemas totalitários. Atualmente, na era 
tecnológica, temos novas formas de totalitarismo, que são disseminadas no 
meio virtual. Com o avanço de algoritmos e mecanismos de controle de dados 
desenvolvidos por empresas de aplicativos e redes sociais, as informações e 
produtos culturais vêm sendo cada vez mais direcionados a fim de moldar os 
hábitos dos usuários. Desse modo, tal manipulação do comportamento dos 
indivíduos pela seleção prévia de dados é inconcebível e merece um olhar mais 
crítico de enfrentamento. 
Em primeiro lugar, é válido reconhecer como o panorama supracitado é capaz 
de limitar a cidadania do indivíduo. Acerca disso, é pertinente trazer o livro 
"1984" de George Orwell, no qual é retratado um futuro distópico em que um 
Estado totalitário controla e manipula toda forma de registro histórico e 
contemporâneo, a fim de moldar a opinião pública a favor dos governantes. 
Assim, sabendo que a cidadania consiste na luta pelo bem-estar social, caso os 
sujeitos não possuam um pleno conhecimento da realidade na qual estão 
inseridos, já que suas fontes de informações estão direcionadas, eles serão 
incapazes de assumir plena defesa pelo coletivo. Logo, a restrição de 
informações disponíveis e a influência comportamental do público não podem 
ser aceitas em nome do combate ao individualismo e do zelo pelo bem grupal. 
Em segundo lugar, vale salientar como o controle de dados pela internet vai de 
encontro à concepção do sujeito pós-moderno. Isso porque, de acordo com o 
filósofo Baüman, vive-se atualmente um período de liberdade ilusória, já que o 
mundo globalizado não só possibilitou novas formas de interação com o 
conhecimento, mas também abriu portas para a manipulação e alienação 
semelhantes vistas em “1984”. Assim, os usuários são inconscientemente 
analisados pelos sistemas e lhes é apresentado apenas o mais atrativo para o 
consumo pessoal. Por fim, seria negligente não notar como a tentativa de tais 
algoritmos de criar universos culturais adequados a um gosto de seu usuário 
criam uma falsa sensação de livre-arbítrio e tolhe as múltiplos identidades que a 
pessoa poderia assumir. 
Portanto, são necessárias medidas capazes de mitigar o totalitarismo 
tecnológico. Para tanto, cabe ao Ministério da Educação, ramo do Estado 
responsável pela formação civil, inserir, nas escolas, desde a tenra idade, a 
disciplina de Educação Digital, de cunho obrigatório em função da sua 
necessidade, além de difundir campanhas instrucionais, por meio das mídias de 
grande alcance, para que o sujeito aja corretamente segundo as próprias 
necessidades e escolhas. 
 
Tema: As dificuldades das crianças com distúrbio de aprendizagem de se 
inserirem na escola 
O filme indiano “Como estrelas na Terra” retrata a infância de Ishaan, um 
menino que tem muita dificuldade para se concentrar nos estudos. Depois de 
diversas reclamações da escola, o pai, que acredita que o filho não faz as tarefas 
por falta de compromisso, decide levá-lo à um internato como punição. Mas, um 
professor logo percebe que o problema de Ishaan é a dislexia e faz de tudo para 
devolver à ele a vontade de aprender e, sobretudo, viver. Não distante da ficção, 
nos dias atuais, existem muitas crianças com distúrbios de aprendizagem que 
enfrentam dificuldades para se inserirem no ambiente escolar. Logo, faz-se 
imperiosa a análise dessa conjuntura, com o intuito de mitigar os entraves para 
a consolidação do direito à educação inclusiva. 
Em primeira análise, vale destacar que segundo a Declaração Mundial sobre 
Educação para Todos de 1990, entre os princípios da educação inclusiva, está o 
entendimento de que o acesso à educação é um direito incondicional de todos. A 
inclusão é o único caminho para a construção de uma nação democrática. 
Evidencia-se, portanto, que os professores devem ser capacitados para se 
adaptar aos alunos com necessidades educacionais especiais e as escolas devem 
ter o apoio de psicopedagogos. 
Outrossim, vale ressaltar que, a divulgação de informações sobre distúrbios de 
aprendizagem é precária e falta empenho dos pais, segundo matéria do jornal 
Estadão. No filme francês “Efeito Pigmaleão”, é apresentado os efeitos que uma 
educação de qualidade e bons conselhos vocacionais podem gerar na vida de um 
jovem. Além disso, efeito pigmaleão significa quanto maior a expectativa com 
relação a uma pessoa, melhor ela se sai na sua tarefa. Dessa forma, é necessário 
que os pais acreditem mais na capacidade de seus filhos e adquiram 
conhecimento acerca de doenças como TDAH e dislexia, pois apesar do 
desempenho