A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
APOSTILA D1 - UN 3

Pré-visualização | Página 6 de 7

de Tributos menor do que a prevista no Orçamento – Frustração na 
arrecadação, devido a fatos ocorridos posteriormente à elaboração da peça orçamentária e/ou 
restituição de determinado tributo não previsto constituem exemplos de riscos orçamentários 
relevantes. 
• Restituição de tributos a maior que a prevista noOrçamento. 
• Nível de Atividade Econômica, Taxa de Inflação e Taxa de Câmbio – São variáveis que 
também podem vir a influenciar no montante de recursos arrecadados sempre que houver desvios entre 
as projeções destas variáveis quando da elaboração do orçamento e os valores observados durante a 
execução orçamentária, assim como os coeficientes que relacionam os parâmetros aos valores 
estimados. 
 
Os Riscos de Dívida referem-se a possíveis ocorrências, externas à administração, que em se 
efetivando resultarão em aumento do estoque da dívida pública. 
São verificados, principalmente, a partir de dois tipos deeventos. 
Um deles é relacionado com a administração da dívida, ou seja, decorre de fatos como a 
variação das taxas de juros e de câmbio em títulos vincendos. 
O segundo tipo são os passivos contingentes que representam dívidas cuja existência 
depende de fatores imprevisíveis, tais como resultados dos julgamentos de processos judiciais. 
Por se tratarem de passivos “efetivos” e não de passivos contingentes, os precatórios não se 
enquadram no conceito de Risco Fiscal, pois, conforme estabelecido pelo art. 100, § 1º da Constituição 
Federal, “É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de direito público, de verba necessária ao 
pagamento de seus débitos oriundos de sentenças transitadas em julgado, constantes de precatórios 
judiciários, apresentados até 1º de julho, fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte, 
quando terão seus valores atualizados monetariamente.” 
26 
 
 
 
6.6 PLANO DE CONTAS CONTÁBIL 
Com o objetivo de uniformizar as práticas contábeis, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), 
em conjunto com o Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis (GTCON), elaborou o Plano de Contas 
Aplicado ao Setor Público (PCASP), adequado aos dispositivos legais vigentes, às Normas Brasileiras de 
Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBC T SP), aos padrões internacionais de Contabilidade do 
Setor Público e às regras e procedimentos de Estatísticas de Finanças Públicas reconhecidas por 
organismos internacionais. 
Formado por uma relação padronizada de contas apresentada em conjunto com atributos 
conceituais, o PCASP permite a consolidação das Contas Públicas Nacionais, conforme determinação da 
Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 
O PCASP é atualizado anualmente e publicado exclusivamente na Internet para uso 
obrigatório no exercício seguinte. Adicionalmente, a STN disponibiliza o "PCASP Estendido" (constante do 
Anexo III da IPC 00), de adoção facultativa, para os entes que precisem de uma referência para 
desenvolvimento de suas rotinas e sistemas. 
 
6.7 RESULTADO PRIMÁRIO 
O Resultado Primário indica se níveis de gastos orçamentários do Estado, são compatíveis 
com sua arrecadação. O seu resultado é obtido pela diferença entre as Receitas Primárias e as Despesas 
Primárias. Quando o valor das receitas supera o valor das despesas dizemos que houve um Superávit 
Primário. Quando ocorre o oposto, temos um Déficit Primário. 
É um indicativo da capacidade dos governos em gerar receitas em volume suficiente para 
pagar suas contas usuais, sem que seja comprometida sua capacidade de administrar a dívida existente. 
Resultado Primário de acordo com Manual de Demonstrativos Fiscais: 
Resultado primário representa a diferença entre as receitas e as despesas primárias (não- 
financeiras) 
Obrigatoriedade Legal Lei de Responsabilidade Fiscal nº 101/00 art. 53. Acompanharão o 
Relatório - Resumido demonstrativos relativos a: [...] III - resultados nominal e primário; Periodicidade 
até 30 (trinta dias) após o encerramento de cada bimestre. Responsabilidade de Publicação. O poder 
Executivo de cada ente da federação. Objetivo. Dar transparência para uma melhor avaliação do impacto 
da política fiscal em execução pelo ente da Federação. 
 
 
 
Fonte Primária ou Não Financeira: É qualquer receita que o governo obtenha e não amplie sua 
dívida ou não diminua seus ativos. 
Fonte Não Primária ou Financeira: É a receita que o governo obtém por meio do 
endividamento público ou da diminuição do Ativo Imobilizado. 
Despesa Primária / Não Financeira: É o conjunto de gastos que possibilita a oferta de serviços 
públicos à sociedade, deduzidas às despesas financeiras. 
Despesa Não Primária / Financeira: É o conjunto com operações financeiro tais como: 
concessão de empréstimos, amortizações e juros passivos. 
 
6.8 RESULTADO NOMINAL 
O resultado nominal é o balanço entre as receitas totais e as despesas totais, e corresponde à 
necessidade de financiamento do setor público (NFSP). Pelo método abaixo da linha, o resultado nominal 
equivale à variação total da dívida fiscal líquida no período. 
De acordo com Manual de Demonstrativos Fiscais: O objetivo da apuração do Resultado 
Nominal é medir a evolução da Dívida Fiscal Líquida. 
Obrigatoriedade Legal - Lei de Responsabilidade Fiscal nº 101/00 Art. 53. Acompanharão o 
Relatório- Resumido demonstrativos relativos a:[ ...] III - resultados nominal e primário; Periodicidade até 
30 (trinta dias) após o encerramento de cada bimestre. Responsabilidade de Publicação. O Poder Executivo 
de cada ente da Federação. 
 
 
 
 BIBLIOGRAFIA 
 
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil.33. ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 
 
Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras 
providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8078.htm>. Acesso em: 25 
out.2016. 
 
Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995.Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da 
prestação de serviços públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. 
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8987cons.htm>. Acesso em: 25 out.2016. 
 
Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui normas gerais de direito financeiro para 
elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito 
Federal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4320.htm>.Acesso em: 25 out. 
2016. 
 
Lei compementar nº 64, de 18 de maio de 1990. Estabelece, de acordo com o art.14§ 9º da 
Constituição Federal, casos de inelegibilidade, prazos de cessação, e determina outras providências. 
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp64.htm>. Acesso em: 25 out. 
2016. 
 
BRASIL. Lei 5.172, de 25 de outubro de 1996. Dispõe sobre o Sistema Tributário nacional 
e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. 
Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5172.htm>. Acesso em: 25 out.2016. 
 
Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995.Dispõe sobre partidos políticos, regulamenta os 
arts.17 e 14, e o § 3º, inciso V, da Constituição Federal. Disponível em: 
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9096.htm>. Acesso em: 25 out. 2016. 
 
BRAZ, Petrônio. Manual de direito administrativo. 5.ed. Rio de Janeiro: Lumen, 1999. 
 
CARVALHO NETO, José Rodrigues de. Ao encontro da lei. São Paulo: Editado pela Imprensa 
Oficial da Academia Paulista de Magistrados, 2003. 
 
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. São Paulo: Atlas, 2005. 
 
DROMI, José Roberto. Concessões e permissões de serviços públicos. São Paulo: Edipro,1997. 
FUHRER , Maximilianus Cláudio Américo; FUHRER, Maximiliano Roberto Ernesto. 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8078.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8987cons.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4320.htm%3e.Acesso
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp64.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5172.htm

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.