A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
aula2

Pré-visualização | Página 1 de 4

Disciplina: Geografia da População
Aula 2: Teorias Demográficas
Apresentação:
Nesta aula, estudaremos as principais teorias demográficas que foram formuladas desde a segunda
metade do século XVIII. Elas têm como objetivo explicar os motivos do crescimento populacional e suas
consequências para um país, uma região ou para o planeta.
Para isso, utilizamos explicações diferentes para justificar o crescimento da população. Entre as variáveis
estão o crescimento vegetativo natural, consequência dos avanços médicos, a pobreza ou o sistema
capitalista, exigente de uma grande quantidade de mão de obra.
Destacaremos o conhecimento e as críticas às Teorias Malthusiana, Neomalthusiana, Marxista e
Reformista.
Objetivos:
Analisar a teoria de Thomas Malthus sobre as consequências sociais e econômicas do crescimento
populacional e as variações como a teoria neomalthusiana;
Descrever as ideias de Marx que relacionava os possíveis problemas do crescimento da população à
própria essência do sistema capitalista;
Relacionar a Teoria da Transição Demográfica com os problemas decorrentes do envelhecimento da
população mundial e brasileira.
Crescimento populacional
A discussão sobre o crescimento populacional sempre foi motivo de muita polêmica e debate entre
os geógrafos, os demógrafos, os economistas e, mais recentemente, os ecologistas.
Até os dias atuais relaciona-se o tamanho da população do planeta com a disponibilidade de
recursos naturais disponíveis como alimentos, água potável, matéria-prima de diversas naturezas,
possibilidades de geração de energia, entre outros.
Especula-se sobre a capacidade do planeta para suprir as necessidades de
toda a população, que atualmente já ultrapassa 7 bilhões de habitantes.
Qual será o limite máximo a partir do qual o planeta entrará em colapso
ambiental sem volta?
Para alguns pesquisadores, o crescimento populacional não é um problema e sim uma riqueza, e
as consequências como fome, miséria e desequilíbrio ambiental são parte inerente do sistema
capitalista.
Para outros, com o crescimento demográfico acelerado, as crises humanitárias são inevitáveis, pois
a pressão sobre os recursos naturais causa conflitos, desagregação social, poluição ambiental e
epidemias.
Desde o século XVIII, há visões diferentes sobre as consequências do crescimento populacional
para as sociedades. Essa discussão colocou em posições antagônicas pensadores conhecidos como
Os Otimistas e outros, conhecidos como Os Pessimistas ou Alarmistas.
Os otimistas
Acreditavam que o ser humano seria capaz de promover avanços tecnológicos que poderiam suprir
as necessidades de sobrevivência das populações e controlar a sua própria reprodução.
 Emoticon feliz e infeliz.
Os alarmistas
Viam o crescimento populacional como um grande problema que geraria, inevitavelmente, crises
de fome, crises energéticas, e desagregação social.
Malthusianismo e Neomalthusianismo
Na aula anterior, estudamos que a humanidade demorou séculos até conseguir um aumento
populacional significativo. O primeiro bilhão de pessoas no planeta só foi alcançado na primeira
década do século XIX, como pode ser visualizado no gráfico a seguir:
 Crescimento da População mundial na História. Disponível
em: https://goo.gl/RRRegL <https://encrypted-
tbn0.gstatic.com/images?
q=tbn:ANd9GcQUvJqpLQNe0SCw0eiW7nDBQX7c_tI_RaujpCLogQgtW-
Vn1jY9cw> . Acesso em: 15 mar. 2018.
O crescimento do número de pessoas no nosso planeta, mesmo com taxas diferenciadas de
período para período, é uma constante.
A descoberta da agricultura, há 12 mil anos, foi um marco no crescimento demográfico.
A população ficou sedentária e pôde buscar a produção de excedentes
alimentares capazes de abastecer um número maior de habitantes.
https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQUvJqpLQNe0SCw0eiW7nDBQX7c_tI_RaujpCLogQgtW-Vn1jY9cw
A partir daquele momento, a população total do planeta, que segundo estimativas, era de 10
milhões, aumentou suas taxas de crescimento e atingiu o número de 30 milhões no primeiro
século da era cristã. Mas, por causa de altas taxas de mortalidade, decorrentes do pouco
desenvolvimento da medicina, de pragas, de crises de fome e do desconhecimento de cuidados
higiênicos, o crescimento vegetativo ainda era lento.
Primeira Revolução Industrial - as taxas de crescimento vegetativo da população mundial se
acentuaram fortemente, tendo o seu ápice na segunda metade do século XX.
Primeira década do século XIX - a população do planeta atingiu seu primeiro bilhão, e passou
a apresentar taxas de crescimento acentuadas.
1925 - a população mundial atingiu a casa dos 2 bilhões de habitantes.
1960 - (35 anos depois) atingiu os 3 bilhões.
1975 - (15 anos depois) atingiu os 4 bilhões.
1987 - (12 anos depois) atingiu os 5 bilhões.
Ao longo da história, muitos foram os pesquisadores que estudaram os motivos desse crescimento
populacional, sobretudo para entender as possíveis consequências para as sociedades e para o
planeta.
O primeiro, e até hoje um dos mais famosos estudiosos do assunto, foi Thomas Robert Malthus
., que ficou conhecido após a publicação de seu livro An Essay on the Principle of Population, em
1798. Nessa obra, Malthus deixa claro a sua posição pessimista quanto ao futuro da humanidade e
à possibilidade de se alcançar a felicidade.
1
file:///W:/2018.2/geografia_da_populacao__GON944/aula2.html
 Thomas Malthus| Fonte: https://goo.gl/yAECz1
<https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e6/Thomas_Malthus.jpg>
Malthus desenvolvia suas ideias no período em que a Europa vivia o crescimento da
industrialização e a migração campo-cidade.
As cidades europeias, sobretudo os grandes centros como Londres, tinham um grande
número de miseráveis, falta de infraestrutura urbana e saneamento básico;
As taxas de natalidade e mortalidade eram muito elevadas;
O crescimento demográfico era muito acentuado.
As ideias de Malthus (1996, p.247):
01
O crescimento populacional seria um fator impeditivo do alcance de uma boa qualidade de vida
para a população do planeta.
02
Sua teoria analisava as taxas de crescimento populacional e as possibilidades técnicas existentes
na época para a produção de alimentos - os meios de subsistência das populações.
03
A capacidade das pessoas se reproduzirem era muito maior do que a capacidade técnica e espacial
de aumentar a produção de alimentos.
04
O crescimento populacional estava ocorrendo como uma Progressão Geométrica . (PG),
exemplo: 1, 2, 4, 8, 16..., enquanto a produção de alimentos estava aumentando como uma
Progressão Aritmética . (PA), exemplo:1, 2, 4, 6, 8, 10...
2
3
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e6/Thomas_Malthus.jpg
file:///W:/2018.2/geografia_da_populacao__GON944/aula2.html
file:///W:/2018.2/geografia_da_populacao__GON944/aula2.html
05
A produção de alimentos nunca seria suficiente para o abastecimento da população mundial,
ocasionando sucessivas crises de fome e miséria, que conduziriam as sociedades a uma situação
de barbárie.
06
O controle do crescimento populacional era uma necessidade de todos os Estados.
07
A forma de diminuição do número de filhos seria alcançada com a abstinência sexual e o
casamento tardio.
08
A assistência aos pobres era uma atitude antinatural que estimulava a natalidade das classes
sociais menos favorecidas, além de dificultar a mobilidade espacial, pois essas pessoas não se
deslocavam para outros países em busca de emprego por terem alimentação garantida pelo
Estado.
09
A miséria e o vício eram condições naturais, que “a espécie humana não pode, por simples
esforços racionais, escapar delas”.
10
A miséria e a mortalidade decorrente dela seriam uma forma natural de controle do crescimento
demográfico, uma vingança da natureza por causa da alta taxa de natalidade, sobretudo, entre as
populações mais pobres.
Será que Malthus estava certo?
A teoria populacional de Thomas Malthus foi desenvolvida no final do século XVIII, em um
momento em que aumentou o número de máquinas dentro das fábricas. Essa transformação