A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Antropologia - A4

Pré-visualização | Página 1 de 2

Pergunta 1
A cultura da violência e a cultura do medo, então, são alguns dos reflexos não apenas dos mais variados tipos de violência aos quais estamos expostos, mas da nossa falta de conhecimento e ações mais propositivas, enquanto indivíduos e sociedade, no que tange às causas e estruturas da violência. Ao agirmos motivamos apenas pelo medo, acabamos ignorando o que está na base daquilo que nos amedronta. Ao contrário, pensar através de uma ótica ampliada, levando em consideração aspectos históricos, econômicos e políticos relacionados à temática, auxilia-nos no desenvolvimento de uma compreensão mais crítica não apenas de nossas ações individuais em relação a uma realidade violenta, mas, também, a respeito de como nossa sociedade tem lidado com a questão.
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 4. Disponível na Biblioteca Virtual Laureate.
Considerando o texto apresentado, avalie as afirmações a seguir.
I. A ótica ampliada está relacionada apenas a uma compreensão crítica de ações individuais para solução do problema.
II. A cultura do medo leva a ação sem preocupação com a causa.
III. Ao nos afastarmos do convívio social devido ao medo estamos contribuindo para o aumento das desigualdades.
IV. Levar em consideração aspectos históricos, econômicos e políticos na questão violência social significa buscar as causas desta.
Selecione a alternativa que aponta apenas os itens corretos:
Resposta Selecionada:	
Correta 
II, III e IV.
Resposta Correta:	
Correta 
II, III e IV.
Comentário da resposta:	
Resposta Correta. A cultura do medo afasta as pessoas do convívio social em sua maior dimensão, aumentando as desigualdades sociais. A causa da violência não é considerada. Para buscar causas e soluções efetivas seria necessário considerar os aspectos históricos, econômicos e políticos envolvidos.
Pergunta 2
Segundo a pesquisa de opinião pública intitulada “Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado”, feita pelo SESC em 2010, 91% das mulheres é responsável pela execução ou orientação dos trabalhos domésticos. Isso significa que há uma desigualdade na divisão de tarefas no âmbito familiar, o que, provavelmente, afeta o tempo e a energia que as mulheres despendem às demais atividades, ocasionando uma desigualdade também no âmbito público.
Contudo, vale destacar que há questões ainda mais urgentes em relação à realidade das mulheres no Brasil do que essas. Em nosso país, a taxa de feminicídios é de 4,8% para 100 mil mulheres — a quinta maior no mundo —, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o “Atlas da Violência 2016″, 13 mulheres são assassinadas por dia no Brasil. Além disso, 4.757 mulheres foram mortas por agressão em 2014, um aumento de 11,6% em relação a 2004, quando 3.830 foram assassinadas (IPEA; FBSP, 2016). Infelizmente, esses dados atestam o fato de que há um alarmante número de mulheres que têm perdido a vida pelo simples fato de serem mulheres.
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 4. Disponível na Biblioteca Virtual Laureate.
 
Analise os itens abaixo:
I. O feminicídio tem uma taxa baixa (menos de 5%) no Brasil.
II. A violência contra as mulheres se mantém, mesmo com a implantação de leis como a Maria da Penha.
III. As mulheres são as grandes responsáveis pelos serviços domésticos no Brasil.
IV. A configuração e o papel da mulher nos lares brasileiros é fator que interfere em sua posição no mercado de trabalho.
 
Selecione a alternativa que aponta os itens corretos:
Resposta Selecionada:	
Correta 
II, III e IV.
Resposta Correta:	
Correta 
II, III e IV.
Comentário da resposta:	
Resposta Correta. 91% das mulheres brasileiras são responsáveis pelos serviços domésticos em suas residências. Isso afeta o tempo e a energia que lhes sobra para o trabalho formal e leva a desigualdade também nesse aspecto.
Pergunta 3
O Brasil encontra-se entre as maiores economias do mundo e foi considerado, ao longo de várias décadas, o país da "democracia racial". Entretanto, embora nunca tenha se consolidado no país um regime de segregação racial legal e formal, a realidade brasileira é outra. As distinções e desigualdades raciais são contundentes, facilmente visíveis e de graves consequências para a população afro-brasileira e para o país como um todo.
 
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 4. Disponível na Biblioteca Virtual Laureate.
 
Considere as afirmativas abaixo e responda:
I. O Brasil foi considerado o país da “democracia racial”,
PORQUE
II. Não conta com um regime de segregação racial legal e formal.
 
É correto afirmar que:
Resposta Selecionada:	
Correta 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.
Resposta Correta:	
Correta 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.
Comentário da resposta:	
Resposta Correta. O Brasil foi, durante anos, considerado o país da ‘democracia racial’, pois não conta com um regime legal e formal de segregação racial. No entanto, na realidade as desigualdades são grandes e geram graves consequências para o povo.
Pergunta 4
Conforme o último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BRASIL, 2010), o Brasil é um país que apresenta grande diversidade religiosa. Devido ao fato de, até o final do século XIX, o catolicismo ter sido a religião oficial do país, ainda hoje a maioria dos brasileiros se declara católico.
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 4. Disponível na Biblioteca Virtual Laureate.
A partir do texto apresentado, considera-se correto o que se afirma em:
Resposta Selecionada:	
Correta A religião católica é dominante no Brasil.
Resposta Correta:	
Correta A religião católica é dominante no Brasil.
Comentário da resposta:	Resposta Correta. A maioria dos brasileiros é católica (64,6%) apesar do catolicismo vir perdendo fiéis para o segmento evangélico.
Pergunta 5
Enquanto os homens são geralmente retratados como tendo características como competência, orientação para realização, inclinação para assumir comando, autonomia e racionalidade, as mulheres estão associadas a características comuns, como preocupação com os outros, tendências a associação, deferência e sensibilidade emocional. Essas características não são apenas diferentes, elas tendem a ser opostas: leigos em média acreditam que os homens não devem ser excessivamente calorosos e que as mulheres não devem ser excessivamente dominantes. A pesquisa sobre essas generalizações tem sido extensa e mostra que elas são consistentes entre culturas, tempo e contexto.
Estereótipos geralmente servem como atalhos para formar impressões sobre pessoas e guiar nossas decisões, sem que elas estejam completamente cientes disso. Os preconceitos de gênero têm consequências importantes para o local de trabalho.
TOEGEL, Ina e LAVANCHY, Maude. 4 tipos de preconceito que mulheres enfrentam no trabalho e como vencê-los. Exame, 2019. Disponível em: < https://exame.abril.com.br/carreira/4-tipos-de-preconceito-que-mulheres-enfrentam-no-trabalho-e-como-vence-los/>. Acesso em: 28 de jun. de 2019.
 
Considere o texto acima e seus conhecimentos anteriores e analise as sentenças:
I. Existem tarefas consideradas masculinas e as mulheres que as assumem só terão seus resultados reconhecidos se sua contribuição individual for inquestionável ou sua competência muito alta.
II. O mérito e o desempenho em empresas são classificados sob iguais padrões para homens e mulheres.
III. Mulheres que quebram expectativas e são mais incisivas não são bem vistas.
IV. Em um trabalho conjunto, os resultados bons são creditados geralmente aos homens, já os que têm resultado ruim são creditados às mulheres
 
Selecione a alternativa que aponta os itens corretos:
Resposta Selecionada:	
Correta I, III e IV.
Resposta Correta:	
Correta I, III e IV.
Comentário da resposta:	Resposta Correta. Mulheres precisam mostram mais resultados positivos que os homens para serem reconhecidas ou promovidas. Em trabalhos conjuntos é comum serem