A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
TCC Administração Alexanderson Paixão de Moraes Estácio 2020

Pré-visualização | Página 1 de 4

Organização sistemas e métodos 
Alexanderson Paixão de Moraes1 
Flavia Vancim Frachone Massa 2 
RESUMO 
 
Organização sistemas e métodos pode ser usado em uma microempresa ou 
grande empresa independente do setor ou atividade fim, pois sabemos que as 
mudanças ocorridas no século têm demandado uma grande especialização, 
racionalização e planejamento, para atender as necessidades dos “stakeholders” 
públicos de interesse, com o objetivo de garantir menos custos e menor tempo para 
realização dos processos e entregas, sendo que através de dados e informações e 
métodos ajudará a tomada de decisão, mas isso é o contexto geral ou macro 
processo, e dentre tantas ferramentas desta área o micro processo ou enfoque será 
o fluxograma que é a representação gráfica de um processo que ajuda no raciocínio 
lógico, na realização de tarefas, identifica gargalos, controla os processos entre outros 
fatores que veremos. 
 
Palavras-Chave: Fluxograma. Organização Sistemas e Métodos. Processos. 
 
INTRODUÇÃO 
Quais são os principais vantagens de aplicar esta ferramenta para o melhorar 
o desempenho da empresa? 
O tema abrange a implantação do fluxograma em um setor da administração 
pública, observando os métodos de trabalho e suas necessidade de melhoria. 
 O objetivo principal desse artigo é demonstrar através de pesquisas em livros 
e artigos a importância da implantação desta ferramenta para melhorar a gestão do 
setor da administração pública e servir de benchmarking de cooperação (troca de 
informação de processos entre empresas que geralmente possuem pontos fortes 
diferentes), nele vamos encontrar alguns pontos principais como, melhorar a 
compreensão do processo de trabalho, demonstrar os passos para realização do 
trabalho, criar normas de padrão de trabalho, com uma metodologia para obter 
melhores resultados em termos de eficiência e eficácia, acredita-se que com a 
implantação deste sistema conseguiremos diminuir os erros e aumentar a 
produtividade dos colaboradores em diversos aspectos. 
 
1 Aluno concluinte do curso de Bacharel em Administração da Universidade Estácio de Sá. 
2Professor (a) Orientador (a) do artigo da Universidade Estácio de Sá. 
 
Para realizar a demonstração mais completa e fundamentada será utilizado a 
metodologia de pesquisa bibliográfica, fluxogramas, e processos empresariais, 
buscando sempre melhorar os passo e processo, pois devido à grande rotatividade 
do efetivo dentro da organização, este sistema foi desenvolvido objetivando ajudar os 
colaboradores de forma que não necessite de um treinador ou até mesmo de um 
treinamento mais longo para os funcionários novos. Isto faz com que ocorra uma 
reciclagem dos mais antigos do setor envolvido e ocorra uma disseminação do 
conhecimento para aqueles que necessitarem de informações. 
A metodologia aplica para o trabalho científico pode ser classificada como uma 
pesquisa descritiva, e as informações foram extraídas de dados secundários. 
 
Para Cury (1983): 
 
[...] organização sistemas e métodos refere-se a uma especialidade da 
administração, cujo objetivo maior é estabelecer de acordo com os 
propósitos da organização, uma infraestrutura compatível e através 
disto, a definição planejada de processos e métodos de trabalho e 
eficácia gerencial. 
 
O papel do gestor de OSM é verificar os problemas administrativos atuais e 
concerta-los para que a empresa possa estar em constante evolução, pois 
encontrando e melhorando os processos através de verificação e entrevistas, o 
profissional conseguirá alavancar os resultados para a organização, mas esse 
controle não poderá ser feito apenas uma vez, e sim de forma rotineira para que a 
empresa possa estar sempre inovando e buscando melhorias sobre os procedimentos 
e produtividade, com isso o gestor poderá demonstrar os dados através de relatórios, 
manuais, diagramas e fluxogramas, entre outros que ajudarão os recursos humanos 
a visualizar os métodos e procedimentos de melhorias, sabendo que o principal capital 
são os recursos humanos e o gestor poderá fazer parte do círculo estratégico, tático 
ou operacional que será o responsável pela verificação do estado atual para o estado 
desejado que é o objetivo ajustar, retificação ou melhorar os processos ou 
procedimentos organizacionais. 
 
 
1 O que é fluxograma? 
 
Para entender o que é fluxograma precisamos saber como foi seu surgimento 
de acordo com a escola Edti: 
 
[...] Os primeiros fluxogramas criados de modo a documentar os 
processos de um negócio foram introduzidos nos anos 1920 e 
30 pelos casal de engenheiros industriais Frank e Lillian Gilbreth. 
Em 1921, eles mostraram o gráfico de fluxo de processos à 
Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos (American 
Society of Mechanical Engineers — ASME) durante a 
apresentação intitulada “Process Charts — First Steps in Finding 
the One Best Way”. Após esse acontecimento, o diagrama 
passou a estar incluso no currículo do curso de Engenharia 
Industrial. Então, no início dos anos 30, o engenheiro industrial 
Allan H. Mogensen iniciou um trabalho para capacitar alguns 
homens de negócio a utilizarem a magnífica ferramenta. Uma 
das formas escolhidas para isso foi através de palestras em que 
mostrou sobre como deixar o trabalho mais eficiente nas 
empresas. Agora, na década de 1940, temos dois alunos de 
Morgensen atuando para difundir os métodos ensinados pelo 
engenheiro e mentor. Art Spinanger, em 1944, levou a 
ferramenta e os métodos de simplificação de trabalho à Procter 
and Gamble (P&G), difundindo o seu uso em um dos seus 
programas de melhoria. Já Bem S. Graham, então diretor da 
Standard Register Industrial (Formcraft Engenharia), adaptou os 
diagramas de fluxo de processos ao processamento de 
informações. Com isso, ele desenvolveu um diagrama de fluxo 
multi-fluxo, mostrando os diversos documentos usados ao longo 
de um processo e suas interações. A ASME passou a adotar no 
ano de 1947 um sistema de símbolos para gráficos de fluxo de 
processos, baseado no trabalho realizado pelo casal Gilbreth. 
Ainda no final dessa década, Herman Goldstine e John Van 
Neumann abusaram dos fluxogramas para desenvolver alguns 
programas de computador. O principal trabalho da dupla foi 
“Planning and coding of problems for an electronic computing 
instrument, Part II, Volume 1”. Foi nesse cenário que os 
fluxogramas atingiram seu apogeu. Diante dele, a diagramação 
foi cada vez mais utilizada em diversos tipos de programas de 
computador e algoritmos. Essa ferramenta, ainda hoje, é usada 
para a programação, embora o pseudocódigo seja 
constantemente usado para descrever níveis mais profundos de 
detalhe e se aproximar do produto final. No Japão, Kaoru 
Ishikawa (1915-1989), uma importante figura das iniciativas de 
qualidade de produção, considerou o fluxograma como uma das 
principais ferramentas de controle de qualidade. Para ele, essa 
técnica deve ser usada junto de ferramentas complementares, 
como o histograma, folha de verificação e diagrama de causa e 
efeito, também chamado de diagrama de Ishikawa. 
 
Para Silva; Balbueno (2004, p. 5): 
 
[...] Fluxograma é um gráfico que demonstra a sequência 
operacional do desenvolvimento de um processo, o qual 
caracteriza: o trabalho que está sendo realizado, o tempo 
necessário para sua realização, à distância percorrido pelos 
 
documentos, quem está realizando o trabalho e como ele flui 
entre os participantes deste processo. 
Para Oliveira (2013): 
 
[...] o fluxograma consiste na representação gráfica que, 
utilizando de diferentes formas geométricas representativas, 
apresenta a sequência de um trabalho de forma analítica, 
caracterizando as operações, os responsáveis e/ou unidades 
organizacionais envolvidas. Ainda elucida as várias etapas de 
processos, facilitando o entendimento, a identificação de 
gargalos e de pontos de melhoria. 
 
Para Maranhão e Macieira (2010, p. 251): 
 
[...] definem como sendo fluxograma

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.