A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Linfoma de Hodgkin

Pré-visualização | Página 2 de 2

predominando no fundo 
reacional. 
* é uma forma rara e possui bom prognóstico. 
* presença da variante mononuclear das células RS. 
* linfonodos difusamente preenchidos. 
* 40% dos casos estão relacionados com infecção pelo 
EBV. 
↪ DEPLEÇÃO LINFOCITÁRIA: 
* presença da célula de RS porém o fundo reacionário é 
pobre em linfócitos e nos demais tipos celulares 
também. 
* é a forma menos comum e possui pior prognóstico 
dentre as formas clássicas dos linfomas de Hodgkin. 
* escassez de linfócitos, abundância de células RS e 
especificamente das variantes pleomórficas. 
* é o tipo mais associado com infecção pelo EBV (90% 
dos casos) e também associado com indivíduos HIV+. 
* diagnóstico diferencial: imunofenotipagem essencial 
devido a semelhança com LNH de grandes células. 
• COM PREDOMINÂNCIA LINFOCITÁRIA NODULAR - 
expressam os clusters de diferenciação dos linfócitos 
B ∴ possuem CD20+ e CD45+: imunofenótipo 
característico das células B. 
↪ corresponde à apenas 5% dos casos. 
↪ teremos um infiltrado de linfócitos pequenos. 
↪ difícil acesso às células de RS - teremos nessa 
variante não clássica a variante histiocítica (popcorn cells) 
- células com núcleo multilobulado. 
↪ não há associações com o EBV. 
↪ segue o padrão, sendo mais comum em homens. 
➱ Diagnóstico: 
• SINAIS E SINTOMAS: 
↪ SINTOMAS B: linfoadenopatia localizada indolor, febre 
intermitente, sudorese noturna, perda de peso (>10% 
em 6 meses) 
↪ dispnéia, linfonodomegalia mediastinal, para-aórtico, 
cervical, prurido (em decorrência de todo infiltrado 
reacional), anemia (hemolítica ou hipoproliferativa), 
leucocitose, l infopenia, monocitose, eosinof i l ia , 
imunodeficiência (devido a leucopenia com perda de 
imunidade celular Th1 - quem faz isso é a célula de RS). 
Em estágios avançados pode ocorrer infiltração do baço, 
MO (nesse caso o linfoma leucemizou) e fígado. 
• BIÓPSIA EXCISIONAL: verifica-se a presença das 
células de RS e do tipo de infiltrado, variante. 
• EXAMES DE IMAGEM. 
• ANÁLISE IMUNO-HISTOQUÍMICA: principalmente para 
o tratamento com imunobiológicos, nesse caso 
teremos que verificar pela imuno-histoquímica se essa 
célula neoplásica manifesta receptores para esses 
imunobiológicos. 
• SOROLOGIA PARA EBV: verifica o contato prévio 
com o herpes vírus humano 4. 
➱ Aspecto Morfológico: 
• MACROSCOPICAMENTE: linfonodo com linfoma de 
Hodgkin possui uma consistência mais emborrachada. 
• MICROSCOPICAMENTE: presença das células de RS. 
• NA IMUNO-HISTOQUÍMICA: utilização de diferentes 
marcadores para verif icar a posit ividade ou 
negatividade daquela célula. 
↪ corou de marrom é +. 
↪ CD15+ e CD30+: variante clássica. 
↪ CD20+ e CD45+: variante não clássica - com 
predominância linfocitária nuclear. 
• NO EXAME DE IMAGEM: 
↪ RAIO-X: pode haver edema, dispneia, derrame 
pleural, devido a compressão dessa região pela massa 
linfonodal. 
➱ Estadiamento: critério Ann Arbor Staging of 
Lymphoma. 
↪ ESTÁGIO 1: apenas uma região linfonodal acima do 
diafragma acometida. 
↪ ESTÁGIO 2: duas regiões acometidas acima do 
diafragma. 
↪ ESTÁGIO 3: acometimento de linfonodos tanto acima 
quanto abaixo do diafragma. 
↪ ESTÁGIO 4: envolvimento extradifuso, mais de um 
sítio extralinfático acometido. 
* em todos os estágios pode ter esplenomegalia, ai ele 
recebe a letra “E”, que indica acometimento de região 
extranodal. 
* letra “X" corresponde à uma massa nodal > 10cm. 
PET-CT: INDICA AS CÉLULAS QUE ESTÃO SE 
MULTIPLICANDO MUITO 
↪ exame de imagem também é importante para 
monitorar os resultados à quimioterapia. 
➱ Tratamento: 
• QUIMIOTERAPIA: ABVD = adriamicina, bleomicina, 
vimblastina, dacarbazina + RADIOTERAPIA. 
↪ se forem os estágios o I e II ( 2-3 ciclos ABVD + 
radioterapia. 
↪ se forem os estágios III e IV (6-8 ciclos ABVD + 
radioterapia. 
↪ imunoterapia com rituximab. 
↪ transplante: menos frequente pois os linfomas de 
Hodgkin possuem boa resposta aos quimioterápicos. 
↪ efeitos colaterais da quimioterapia: fiborse pulmonar 
(bleomicina), cardiotoxicidade (adriamicina). 
↪ efeitos colaterais da radioterapia: hipotireoidismo, LNH, 
outros tumores (pulmão, mama) e complicações 
cardiovasculares. 
➱ Prognóstico: 
↪ desfavorável em caso de: idade > 45 anos, gênero 
masculino, estádio IV, albuminemia (<4g/dL), Hb <10,5g/
dL, leucocitose (> 15.000/mm3) linfopenia (<600/microL).