A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Endócrino - Fisiologia da Tireoide

Pré-visualização | Página 2 de 4

atua via sinalização, com aumento do AMPc, que é um segundo 
mensageiro, porque o TSH é um hormônio hidrossolúvel, assim como todos os outros 
hormônios sintetizados na região anterior da hipófise. E ele faz todo o passo a passo 
da glândula tireoidiana: aumento do funcionamento da bomba de iodeto, aumento da 
iodetação da tirosina, aumento da proteólise da tireoglobulina, aumento do tamanho 
e atividade secretora da célula, hiperplasia da glândula (quando o TSH está muito 
aumentado) e, por fim, liberação de T3 e T4. 
 
 Chegada do Hormônio na Célula Alvo 
 Quando o hormônio chega até a membrana da célula-alvo, ele se desprende da 
proteína de ligação e passa para o interior da célula (meio citoplasmático). Muitas 
vezes, o hormônio tireoidiano, antes de seguir para seu receptor, fica ligado à outra 
proteína, só que desta vez uma proteína citosólica, que fica ancorada ao hormônio. 
Antes da ancoragem a deiodinase já vai agir, convertendo T4 em T3, que é o hormônio 
que encontrará o receptor na fita de DNA. 
 Os hormônios tireoideanos são uma das classes em que o seu receptor já está 
ancorado no elemento de resposta ativadora na fita de DNA. Então, basta o hormônio 
atravessar a barreira nuclear e se ligar a esse receptor, induzindo a transcrição e 
posteriormente a tradução. O RNAm passa para o citosol e inicia o processo de síntese 
proteica. 
 Um fato interessante é que nem sempre os receptores para os hormônios 
tireoidianos estarão isolados, ou seja, formando monômeros (estruturas isoladas de 
receptor para a tireóide). Às vezes tem dois receptores para a tireoide, formando os 
homodímeros - dois receptores na região de elemento de resposta ativadora. Em 
outras situações existirão heterodímeros - um receptor para tireoide e outro receptor 
para outra substância. 
 
 Aplicação Clínica 
 O mais comum heterodímero é um receptor para tireoide e outro para o ácido 
retinoico (dará origem à vitamina A). É por isso que quando há alteração na glândula 
tireoidiana, acaba também tendo alteração da vitamina A. Ela serve como cofator, 
sendo muito importante para a pele. 
Os hormônios tireoidianos agem em um processo específico de oxidação dos 
carotenoides. Se isso não acontecer, irá deixar a pele bem amarelinha. 
 
 Além disso, o hormônio tireoidiano é responsável por aumentar o 
metabolismo basal do nosso corpo. E dessa forma, se o metabolismo abaixa, 
consequentemente ocorre queda da circulação, da pressão arterial, da chegada de 
nutrientes nas células. E tudo isso vai propiciar um ambiente ruim para pele, para o 
cabelo. 
 
 Tipos de Receptores Tireoidianos 
TR beta 2 Hipófise anterior e hipotálamo 
TR beta 1 (++) fígado, rins; (+) cérebro, músculo 
cardíaco; (+ -) hipófise 
TR alfa 1 (++) miocárdio, músculo esquelético, 
cérebro, tecido adiposo marrom; (+) 
fígado, rins; (+ -) hipófise 
TR alfa 2 (c-erb alfa 2) Cérebro 
TR alfa 3 (c-erb alfa 3) Cérebro 
 
 
 
 Tiroxina 
 Um dos hormônios mais potentes é o T4, que é convertido em T3 (o hormônio 
que vai efetivamente agir na célula). Quando a tiroxina é liberada, ela sofre um 
período de 3 dias de latência antes de começar suas ações, suas conversões em T3. Ela 
tem uma meia vida de aproximadamente 12 a 15 dias e os efeitos da tiroxina 
continuam durante em média 40 dias. É um hormônio que age de forma muito ampla. 
 
 Atuação dos Hormônios Tireoidianos ao Chegar na Célula 
 Modularão fenômenos intracelulares que consequentemente terão efeitos 
corporais. Os HT afetam diretamente na taxa metabólica basal. Normalmente são 
regulados por outros hormônios, mas no caso de haver aumento dos HT, há a 
aceleração do metabolismo. Isso acontece porque os HT realizam ativação da 
transcrição e como consequência, o processo de tradução. Esse processo resulta, além 
da formação de um grande número de proteínas e enzimas, numa aceleração intensa 
da atividade mitocondrial. A mitocôndria vai fornecer energia para a ocorrência das 
funções celulares. Então, quanto mais HT chegam nas células-alvo, mais aumenta o 
funcionamento das mitocôndrias, requisitando mais enzimas respiratórias e 
aumentando a atividade também das bombas transportadoras (que gastam ATP) - isso 
é uma predisposição intracelular para o aumento da fabricação de proteínas e de ATP. 
 Isso significa, então, que a taxa de consumo intracelular de oxigênio está 
intensa, que a taxa metabólica interna está elevada. O oxigênio necessário estará 
sendo retirado do meio ambiente, e para ter maior oferta dele, é preciso que a 
frequência respiratória aumente. A partir do momento que os efeitos intracelulares 
acontecem, eles começam a afetar o corpo. Então aumenta a ventilação, só que para 
que o O2 seja levado adequadamente para todas as células, deve haver um aumento 
da circulação, aumentando o débito cardíaco, e assim, pode aumentar a pressão 
arterial. 
Então, iniciam-se os efeitos corporais do aumento dos hormônios tireoidianos. 
Observa-se: 
 Aumento da ventilação; 
 Aumento do débito cardíaco para suprir o oxigênio intracelular, pois as 
mitocôndrias necessitam de maior quantidade de oxigênio e substratos 
energéticos (carboidratos, lipídios e proteínas) para garantir maior produção de 
ATP; 
 Aumento da fome, uma vez que esses nutrientes necessários às mitocôndrias 
são obtidos em sua maioria pela alimentação; 
 Aumento da liberação de dióxido de carbono consequente do metabolismo 
elevado; 
 Aumento da sudorese e do processo termogênico em decorrência da 
quantidade de trabalho que está sendo realizada pelo aparato celular 
(organelas); 
 Aumento da função renal para propiciar o clearance do plasma; 
 Diminuição da massa muscular, porque se o indivíduo não ingere proteínas na 
intensidade que precisa, há uma degradação das proteínas musculares; 
 Diminuição do tecido adiposo, por isso o indivíduo com hipertireoidismo é 
magro, já que ele não se alimenta na mesma proporção que gasta. 
 
 Aplicação Clínica 
 Os dois efeitos principais dos hormônios tireoidianos são: aumentar o 
metabolismo basal e estimular o crescimento nas crianças. Para estimular o 
crescimento ósseo, é necessário não somente o hormônio de crescimento (GH), mas 
de hormônios tireoidianos também. Até porque os hormônios tireoidianos agem no 
fechamento da linha epifisária. É tanto que, crianças que tem deficiência nos 
hormônios tireoidianos e que crescem sem esse hormônios, vão chegar na fase adulta 
com a sua placa epifisária aberta, gerando inflamação e bastante dor. Então, uma vez 
que os hormônios T4 e T3 foram liberados e estão prontos para atuarem, essa atuação 
é muito em conjunto com os elementos como IGF, GH. 
 
 Funções Metabólicas dos Hormônios Tireoidianos 
 Em se tratando das funções metabólicas, eles vão agir na regulação dos 
carboidratos, lipídios e proteínas. Eles vão promover tanto a formação quanto a 
degradação dos componentes energéticos. Quanto mais gasto energético ele tem para 
formar e para degradar, mais energia vai liberar e, portanto, mais calor vai ser 
liberado. Então, está aumentando a taxa metabólica do organismo. 
 Nos carboidratos: estimula a rápida captação de glicose pela célula, estimula a 
glicólise, gliconeogênese, absorção no trato gastrointestinal e secreção de insulina. 
 Na gordura: mobilização de lipídios a partir de tecido adiposo, aceleração da beta-
oxidação, diminui a quantidade de colesterol e triacilglicerol no plasma, aumento 
de secreção de bile com consequente perda nas fezes. Logo, quanto mais liberar 
hormônios da tireoide, maior a degradação lipídica, com presença de colesterol na 
bile e nas fezes. Já um paciente com hipotireoidismo, acumula colesterol, correndo 
o risco de ter aterosclerose. Em compensação, no hipertireoidismo também pode 
ter agressão vascular, pois se os triglicerídeos degradados forem para a circulação 
sanguínea, ocorre a formação de radicais livres. 
A lipase hormônio sensível é a enzima que vai agir na degradação de triglicerídeos 
(lipólise) e que é ativada/acelerada pelo