A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Clínica de Equinos- Neonatologia

Pré-visualização | Página 3 de 3

e 
pode ser muito grave a ponto de ir 
pra cirurgia por compactação, 
sempre fazer diferencial para 
enterites, rupturas de bexiga, úlceras 
e outros visualizados nos exames de 
imagem. 
Isoeritrólise Neonatal 
Potro com síndrome hemolítica por 
uma incompatibilidade de grupo 
sanguíneo entre o potro e a égua, 
onde há ingestão de aloanticorpos 
contra as hemácias do feto gerando 
essa hemólise, que é mais frequente 
em potros de éguas multíparas. 
Nesses casos o potro deve herdar do 
pai e exxpressar antígeno 
eritrocitário diferente da égua, a 
incompatibilidade não é rara, mas a 
maioria dos antígenos do grupo 
sanguíneo não são muito 
antigênicos apenas o fator Aa do 
sistema A e o Qa do sistema Q que 
são muito imunogênicos. Então essa 
égua já tem que ter sido expostas a 
esses aloantígenos incompatível 
 
11 
Clínica de Equinos-2021/1 UFMG 
Ana Flávia Sousa Santos 
 
para produzir esses anticorpos, 
melhor é evitar o potro de ingerir o 
colostro e fornecer de outra origem 
para esse animal. 
O potro nasce normal e após mamar 
ele fica com febre, mucosas ictéricas, 
taquicardia, taquipnéia e fraqueza, 
podendo apresentar esses sinais de 
12 a 72 horas após o nascimento e 
gravidade varia com a quantidade 
de anticorpos ingeridos. No exame 
laboratorial vamos ver um 
hematócrito reduzido, 
hiperbilirrubinemia, 
hemoglobinúria, e redução das 
hemácias e hemoglobina. 
Diagnóstico feito pelo histórico e 
sinais clínicos, junto dos achados 
laboratoriais. Pode ser feito teste de 
aglutinação onde colocamos um 
pouco de colostro com sangue do 
animal e vemos se há a aglutinação 
e o teste de coombs com verificação 
direta de anticorpos nas hemácias do 
potro (falso positivo pq não sei de 
que é aquele anticorpo). 
Tratamento é impedir que esse potro 
mame mais se ele tiver na janela de 
absorção, fornecendo uma fonte de 
leite alternativa por umas 24 horas e 
ordenhando essa égua a cada 4 
horas para descartar esse leite. 
Transfusão em casos graves, sempre 
fazendo uma compat ou usamos a 
papa de hemácias da égua, se não for 
possível achamos doadores negativos 
para Aa ou Qa ou machos castrados 
que nunca recebeu transfusão, pois é 
mais raro ele ter esse anticorpo. Dar 
todo suporte ao potro de oxigênio e 
cuidar com a sepse, pois esses 
animais tem falha na transferência 
de imunidade passiva. 
Prevenimos evitando o colostro de 
éguas que já tiveram potros com 
isoeritrólise, éguas negativas para 
Aa ou Qa tipagem sanguíneas de 
garonhões de raças PSI e Árabes ou 
testar a égua próximo ao parto para 
os aloanticorpos. 
Diarreia do cio do potro 
Ocorre entre 9 a 14 dias de vida 
coincidindo com o primeiro cio da 
égua, transitória devido à adaptação 
da flora intestinal do potro a 
ingestão de forragens, sendo que é 
uma doença auto-limitante. Não é 
fétido, potro mama normalmente, 
não tem febre e clinicamente o 
animal ta normal, fazer diferencial 
com outras doenças que causam 
diarreia onde o animal tem febre, 
 
12 
Clínica de Equinos-2021/1 UFMG 
Ana Flávia Sousa Santos 
 
apatia, desidratação e os potros não 
mamam e ficam sujos ai podemos 
ter rotavírus, salmonela, E.coli e 
clostridiuns.